Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Isto é futebol

por Pedro Silva, em 30.06.18

imgS620I224872T20180630205846.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Efectivamente o futebol nem sempre premeia quem deve. Até parece algo contraditório, mas no jogo em que Portugal melhor futebol praticou neste Mundial da Rússia é eliminado. E logo por um cínico Uruguai que soube aproveitar os – esperados! - deslizes da linha defensiva portuguesa.

 

E é esta última frase que tão bem descreve o que aconteceu hoje em campo. Portugal jogou bem e até que poderia ter derrotado o Uruguai, mas a falta de sorte, a habitual aselhice da nossa linha defensiva, a aposta na dupla maravilha William “pastelão” Carvalho/Gonçalo “nulidade” Guedes, alguma capacidade de se manter a calma e o discernimento após o golo do empate e o tremendo cinismo da equipa sul-americana ditaram a eliminação da nossa equipa.

 

Futebol é isto mesmo. Não há muito mais a dizer. Agora há que ter capacidade para se seguir em frente. Em 2020 há um Europeu para se disputar e este até que vai ter um formato engraçado dado que vai ser um EURO centenário. A altura ideal para que a nossa selecção surja com as necessárias renovações de alguns dos seus sectores e com Fernando Santos a comandar (só mesmo alguém maldosamente distraído é que pode achar que Fernando Santos deve abandonar o comando técnico de Portugal).

 

Em jeito de nota final. Eu até que gosto da forma de jogar deste Uruguai. Futebol não tem de ser ópera. Especialmente nos momentos em que quem perde é eliminado. Que a derrota portuguesa de hoje sirva de lição +para muito comentador e dito entendido nestas coisas da bola.

 

MVP (Most Valuable Player): Bernardo Silva. Especialmente na segunda parte, altura em que passou a jogar no apoio ao ponta de lança e não como extremo. O jovem jogador português mostrou algum do seu “perfume” e até que poderia ter sido decisivo se tivesse tido a felicidade de algumas das suas assistências para golo terem sido melhor aproveitadas pelos seus colegas de equipa.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Penso que em momento algum deste jogo ambas as equipas goram capazes de criar um lance que fizesse com que a vitória pendesse, em definitivo, para o seu lado

 

Arbitragem: César Ramos dirigiu o jogo sem grandes problemas, apesar da agressividade patenteada por ambas as formações. Pecou, em grande parte, pela tremenda simpatia que demonstrou pela selecção uruguaia a quem perdoou muitas entradas duras, faltas perigosas e cartões.

 

Positivo: Fernando Santos (mais uma vez). Procedeu às alterações necessárias para que Portugal pudesse dar a volta ao resultado negativo. Apesar de tudo este tem de assimilar que as grandes competições exigem a presença dos melhores em termos de forma e não os que adquirem uma qualquer lugar cativo só porque são originários de certos “clubes”.

 

Negativo: A dupla William Carvalho/Gonçalo Guedes. O primeiro tem como função primordial recuperar bolas e (re)armar o ataque português, algo que este nunca soube fazer quando ao serviço da nossa selecção. Gonçalo Guedes é um “case study” de flop internacional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


Da Rússia com Amor

por Pedro Silva, em 25.06.18

imgS620I224456T20180625200707.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Da Rússia com Amor. Não poderia - na minha modesta opinião, ora pois – haver melhor forma de Ricardo Quaresma mostrar a Julen Lopetegui o quão ridícula foi a dispensa dos serviços do “ciganito” quando o espanhol treinava o Futebol Clube do Porto. Se hoje todos nós (portugueses) estamos a analisar a valia do Uruguai de Tabárez é muito por causa da magia de Quaresma que marcou um tremendo golo e realizou uma exibição que somente os melhores são capazes de produzir.

 

Olhando agora para o Portugal x Irão, este foi o jogo deste Mundial da Rússia em que a nossa selecção melhor jogou. Esteve longe de ser brilhante, é um facto, mas a verdade é que me pareceu ter visto um Portugal mais seguro e decidido do que nos jogos anteriores diante de Espanha e Marrocos. Diante desta valoroso Irão a nossa equipa procurou fazer da posse da bola a sua maior arma. E até que o fez bem dado que tem jogadores para jogar em posse. Desta forma a nossa selecção conseguiu controlar a partida e gerir as várias fases do jogo e o físico (algo muito importante nesta fase da época!). O problema maior esteve, na sua maior dose, no simples facto de a FIFA ter escolhido um (perdoem-me a grosseria) um tremendo palhaço do estilo Bruno Paixão para apitar esta partida… E sim, o raio do Var é a oitava maravilha do Mundo (um tremendo lixo que nós, portugueses, nos orgulhamos de propagandear).

 

O mal menor da equipa das Quinas esteve, na sua maior essência, na quebra psicológica que o falhanço de Cristiano Ronaldo provocou na equipa. Se CR7 tivesse marcado a Grande Penalidade a história teria sido outra. Claro que as palhaçadas do árbitro da partida deram força a uma equipa iraniana que é conhecida por sempre lutar até ao fim e fazer um excelente uso da sua fantástica organização defensiva, mas estou em crer que esta quebra do nosso Capitão fez com que a estratégia de Fernando Santos “abanasse”. Felizmente Portugal não “abanou até cair” se bem que tal esteve mesmo quase para acontecer dado que o Irão teve uma excelente oportunidade de vencer o jogo nos minutos finais da partida… Vá. A sorte também faz parte do futebol.

 

Apesar de tudo Portugal está nos oitavos-de-final do Mundial. A jogar bem ou mal o objectvo foi alcançado. Agora qu8e venha de lá este acessível Uruguai. Mas fica, desde já, o meu sério aviso para que se evitem a todo o custo as faltas à entrada da área de Patrício.

 

MVP (Most Valuable Player): Pepe. Bem que poderia ter atribuído este título a Ricardo Quaresma ou a Adrien Silva, mas prefiro dá-lo ao central Pepe que, a meu ver, fez aquilo que se pode apelidar de “jogão”. Nenhuma jogada de perigo passava pelo defesa português. Uma enorme mais-valia que é necessário manter e melhorar para a fase a eliminar.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Penso que em momento algum deste jogo ambas as equipas goram capazes de criar um lance que fizesse com que a vitória pendesse, em definitivo, para o seu lado

 

Arbitragem: Muito permissivo perante uma equipa iraniana muito agressiva.

 

Positivo: Fernando Santos. Procedeu ás alterações necessárias para que Portugal pudesse enfrentar o Irão com relativa tranquilidade. Apesar de tudo este tem de melhorar um ou outro aspecto para que diante do Uruguai não se passe por sofrimentos desnecessários.

 

Negativo: Enrique Cáceres. O árbitro desta partida foi a personificação do quão mau um árbitro pode ser num campeonato do Mundo de futebol. A ajudar à festa esteve um tal de VAR que é.- cada vez mais – a encarnação da inutilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17


Vai rolar a bola

por Pedro Silva, em 12.06.14

Arranca hoje o Mundial do Brasil 2014. O evento não tem sido nada pacífico dado que tem havido muitos protestos, alguns deles tristemente violentos, dado que estamos a falar do País mais desigual do Mundo, mas é preciso que se diga que os manifestantes estão em força na rua porque o Mundo está de olhos potos no Brasil, o que diz muito de tudo isto.

 

Mas não é sobre os protestos que quero falar. E não o vou fazer porque ao assunto é delicado e complexo e tal exige uma reflexão profunda, muito profunda que será feita em outra altura qualquer.

 

Vou antes falar do jogo jogado nas quatro linhas. Por norma no Mundial de Futebol tenho sempre “três amores”. São eles Portugal, Rússia e Argentina sendo que a primazia é sempre da Selecção Portuguesa como é óbvio.

 

Portugal apurou-se com alguma dificuldade para a Prova tendo passado por muitas dificuldades num Grupo de Apuramento teoricamente fácil. Mas está no Brasil e tal como os outros participantes vai rer de dar o seu melhor, melhor este que não passará pela conquista do “Caneco” porque Portugal não tem equipa nem recursos para tal, mas sim por passar a Fase de Grupos e ir o mais longe possível. Acredito que com um pouco de sorte a nossa Selecção irá terminar o Mundial entre as quatro melhores do Mundo.

 

A Federação Russa está longe dos tempos dourados da União Soviética que durante muito tempo dominou a Europa do Futebol e mostrou o poder do sue Futebol ao Mundo. A Rússia tem um potencial futebolístico enorme mas ainda tem de o lapidar muito para poder ombrear com os eternos candidatos ao Título de Campeão do Mundo. O formato/calendário do seu Campeonato de Clubes e a extravagância dos donos dos Clubes Russos que não tem mãos a medir para trazerem para as suas equipas a “nata do futebol” em detrimento da formação de jovens Atletas tem os eus reflexos negativos numa Selecção que tanto é capaz pior como do melhor. A ver vamos o que vai fazer esta imprevisível Rússia.

 

Quanto à Argentina, eterna candidata á conquista da “Copa”, está mais forte do que nunca. Um ataque de luxo liderado por Messi faz da Selecção das Pampas a mais séria candidata á conquista do Título na minha opinião. O seu ponto fraco, que é habitual diga-se de passagem, é a defesa que é mediana em termos de qualidade e um pouco medíocre na baliza dado que Romero não granate muita segurança defensiva.

 

Vamos a ver o que vai acontecer. Três notas finais:

 

- O Brasil joga em casa, tem uma boa equipa mas falta-lhe uma segunda linha para poder enfrentar todos os jogos do Mundial até à Final. Como é hábito a equipa da casa vai ter direito ao habitual “colinho” e arbitragens amigas, mas estou em crer que a Escrete vai cair com estrondo da fase a eliminar;

 

- Acredito que vamos assistir a duas grandes desilusões neste Mundial. Tudo indicia que Espanha e Inglaterra vão ter muitas dificuldades para chegar longe na prova. A Espanha devido à idade já avançada dos seus “motores” Iniesta e Xavi e tal obriga a que La Roja tenha de jogar de uma maneira com a qual não está habituada. A Selecção das Terras de sua Majestade não está habituada ao calor e o seu Seleccionador já disse que terá de mudar a forma de jogar, factor que será a “morte do artista”;

 

- Muita cautela com a Itália, França e Uruguai. São equipas às quais quase ninguém está a dar o devido valor mas que poderão surpreender. A Itália conta com um conjunto de veteranos que irão de certeza fazer a diferença, a França é uma equipa totalmente renovada que tem realizado bons jogos de preparação e o Uruguai é somente a melhor equipa da América do Sul que quer voltar a fazer história no Brasil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D