Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Momento Mafalda (167)

por Pedro Silva, em 28.11.17

573.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


É a Europa que temos e merecemos

por Pedro Silva, em 31.10.16

Imagem Crónica RS.gif 

Ameaças, estereótipos, rivalidade, conflito de interesses, xenofobia, belicismo, os mais poderosos impõem a sua lógica e pressões atrás de pressões para que o interesse de alguns se sobreponha aos interesses dos demais. Eis o retrato mais fiel que um europeísta convicto - como eu – faz da actual União Europeia. Alias, se eu quiser ser mais sucinto e rigoroso ao mesmo tempo direi que a União Europeia é a versão actual da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

 

Não se tenha a mais pequena dúvida de que, mais cedo do que tarde, o projecto europeu vai ruir como se de um baralho de cartas se trate. Não deixa é de ser curioso que tal ruína vá seguir exactamente o mesmo trajecto que seguiu a “defunta” URSS. Sinal de que os europeus, por muito bem-intencionados que sejam, não sabem aprender o que deviam aprender com o passado.

 

Construir um espaço comercial comum é algo de possível. Já construir um super estado onde a facção mais poderosa impõe a sua nada perceptível e corrupta lógica não deu bons resultados no passado nem dará no presente e futuro. Impérios foram construídos e forjados no espaço europeu – muitos deles com uma vastidão imensa – e todos eles acabaram num fracasso inevitável por serem injustos, xenófobos e, sobretudo, mega autoritários. Ver recentemente Donad Tusk a tecer ameaças (no verdadeiro sentido do termo) aos Estados-membros da União Europeia que não subscrevessem o famigerado e ultra neo liberal Tratado Comercial com o Canadá é o exemplo mais recente de que temos hoje uma União Soviética em tons de azul com estrelas douradas.

 

Para ser muito sincero admito que não consigo perceber a razão pela qual a União Europeia pretende trilhar este caminho. De uma Europa que queria fazer a diferença para melhor para que o seu passado de conflitos bélicos não voltasse a ser uma realidade, chegamos a uma Europa completamente dividida, carregada de intrigas e a caminha a passos largos para a auto flagelação. Não se tenha a mais pequena dúvida de que após a entrada – mesmo que à força bruta – do CETA se seguirá o desmoronar de uma Europa que se construiu sob um sagrado mandamento: o do Estado Social onde os direitos e deveres dos europeus estão devidamente definidos e reconhecidos.

 

Claro que para Tusk e restantes dirigentes políticos não eleitos para cargos da União Europeia está tudo bem, As coisas seguem no rumo devido. Há que relembrar os mais distraídos que os altos dirigentes não eleitos da União Soviética também pensavam e viam as coisas da mesma forma. O resultado de tal forma de estar redundou no colapso da URSS.

 

Mas isto não aconteceu verdadeiramente. Tudo o que escrevi até aqui não é mais do que o discurso da fantasiosa “Esquerda Radical anti europeísta”.

 

Enfim… É a Europa que temos e merecemos.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (31/10/2016)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:33


Diálogo (da falta dele)

por Pedro Silva, em 16.08.16

PS_dialogodafaltadele_destaque.jpg 

As férias de verão são uma altura excelente para se levar a cabo a tão necessária reflexão política que a União Europeia (UE) necessita de fazer. Espanha enfrenta hoje uma grave crise política que impede o país de ter um Governo e, muito em breve, este será um problema que se irá generalizar um pouco por toda a UE devido ao crescente descrédito do dito “centrão” e crescimento das forças extremistas.

 

E porque razão tenho esta visão pessimista do futuro europeu pergunta – e bem – o leitor(a)?

 

Porque nos últimos anos a UE (mais concretamente a zona euro) tem seguido uma linha de orientação política que mais faz recordar o famoso politburo da extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

 

A única grande diferença entre a URRSS e a actual UE está na forma como um e outro impõem a sua lógica. A URSS recorria à força das armas sempre que algum dos seus “Estados-membros” seguia um caminho diferente do pensamento único de Moscovo. Já a UE dos nossos dias (dominada pelo Partido Popular Europeu – aka Direita europeia) recorre às famosas sanções, manipulação grosseira da opinião pública e mercados financeiros sempre que um dos seus Estados-membros periféricos não segue o pensamento único de Bruxelas.

 

Alias, bem vistas as coisas a URSS e a UE dos nossos tempos não são muito diferentes tanto na forma como na orgânica. E será muito por isto que a UE irá – mais cedo do que se pensa – cair com o mesmo estrondo que caiu a URSS. Mas isto é tema para outras tertúlias.

 

Face ao exposto até aqui não será nada difícil ao leitor(a) perceber qual a razão para ter aqui dito que o impasse político espanhol se irá generalizar um pouco por toda a Europa. Isto a não ser que o “politburo” de Bruxelas resolva fazer uma profunda reflexão que retire da União Europeia a política dos burocratas do excel, da ditadura dos mercados financeiros e do secretismo negocial.

 

Não será assim tão complicado à Europa Unida sair deste tortuoso caminho que culminará na sua implosão. Basta que Bruxelas regresse aos tempos do diálogo que esclarecia o cidadão e nos fazia sentir primeiro Europeus e somente depois nacionais dos nossos países.

 

Mas para isto é preciso que a ortodoxia do Partido Popular Europeu e seus acólitos (os Direitolas como Pedro Passos Coelho e Assunção Cristas por exemplo) percebam de uma vez por todas que não é a através da imposição de políticas de austeridade - sob o estapafúrdio -pretexto fatalista de que quem nasce pobre será pobre para todo o sempre - não é o caminho que temos de traçar para que o problema espanhol não venha a ser uma triste e perigosa realidade em toda a Europa.

 

Texto publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03


Valha-nos a História

por Pedro Silva, em 13.12.13

Os anos 80 foram os da minha infância mas lembro-me bem da forma como se sentia o Mundo naquela altura. Era quase que obrigatório repudiar tudo o que viesse do Leste da Europa. Cultivava-se a ideia de que na já extinta União Soviética existia um Imperador maligno que podia destruir todo o Planeta Terra com um simples “clic”.

 

Nos filmes da altura os maus eram sempre os Soviéticos e os seus Aliados que oprimiam os Povos e os Bons os Americanos que libertavam toda a gente e implantavam a Democracia.

 

No Ocidente era proibido dizer que se estava a ser extremista relativamente à URSS e tudo o que os Americanos faziam era incontestavelmente bom. Pois aqui está mais um exemplo desta incontestável bondade: 

O dia 11 de Setembro já tinha um significado sinistro antes dos ataques terroristas nos EUA em 2001. Em 1973, foi nesse dia que o general Augusto José Ramón Pinochet liderou um golpe militar no Chile que afastou o Governo eleito de Salvador Allende. Foi nesse dia que começou uma ditadura militar de 17 anos responsável pelo desaparecimento, tortura e morte de dezenas de milhares de chilenos. Uma ditadura que foi responsável por transformar um estádio de futebol num campo de concentração e por um golo ficou tristemente célebre por ter sido marcado numa baliza sem ninguém.

 

Excerto e imagem do Jornal Público

 

Valha-nos a História para nos mostrar o quão estúpido o Ser Humano pode ser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00


Já chegou o James Bond

por Pedro Silva, em 10.12.13

Nunca vi bons e maus no conflito Coreano. Tenho para mim que num conflito ambas as partes tem sempre a sua quota-parte de culpa e por norma as coisas nunca acontecem por acaso.

 

A Guerra Coreia do Norte/Sul que neste momento está sob um Armistício teve como pano de fundo a Guerra Fria, Guerra esta que terminou após a queda da Ex-URSS. Para além disto o conflito Coreano está também relacionado com o “nascimento” da China Comunista que agora é a potência dominante na Ásia não necessitando da expansão que tanto assustou o Ocidente na década de 50 do século passado.

 

Temos portanto que embora vigore um clima bélico entre as duas Coreias, qualquer hipótese de tal passar da ameaça é uma simples ilusão. Utilizando uma expressão popular neste momento tanto uma Coreia como a outra mostram os dentes uma à outra. Nenhuma outra situação seria de imaginar dado que ainda se está para perceber como resiste a Coreia do Norte apesar dos inúmeros bloqueios económicos.

 

Contudo mesmo neste ambiente de claro equilíbrio o regime Norte Coreano tem tendência a provocar a sua vizinha do Sul. Tal atitude foi ainda mais visível quando Kim Jong-un sucedeu ao seu Pai na cadeira do poder dado que o ainda jovem Líder sente necessidade de cimentar a sua posição no País que lidera a ferro e fogo. Daí que não seja de estranhar as tais purgas que tanto incomodam a Coreia do Sul.

 

Não me oponho a que a Sra. Presidente Sul Coreana se mostre indignada com tais purgas e perseguições políticas internas da Coreia do Norte, o que eu censuro é a sua ânsia na retirada de conclusões precipitadas e dê a entender ao mundo que um ataque Norte Coreano está iminente.

 

Os Norte-americanos também ajudam ao “filme” da Sra. Presidente Park Geun-hye, porque o que estes querem é “tirar a ferrugem às suas tropas” que estão estacionadas nas fronteiras entre as duas Coreias.

 

E é por causa de coisas como estas que quando eu vejo documentários sobre o conflito Coreano deduzo logo que estes estão inquinados á partida porque está visto que não são só os Norte-coreanos os maus da fita que provocam o Mundo todo. E para filmes de má qualidade já chegou o último James Bond.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D