Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A arrogância é um pecado caro

por Pedro Silva, em 18.04.18

imgS620I219265T20180418225645.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Pois é Sérgio. Isto de se ser arrogante bem que poderia ser um exclusivo de Jorge Jesus. Mas tu hoje tinhas que lhe seguir os ensinamentos e fazer por perder um jogo que esteve equilibrado até ao momento em que mandaste o Futebol clube do Porto defender um perigoso zero a zero… Será que eu posso saber o que te passou pela cabeça quando retiras de campo os dois únicos médios que, umas vezes bem e outras menos bem, faziam a ligação entre a defesa e o ataque azul e branco?

 

A arrogância é um pecado que se paga caro. Muito caro Sérgio! Esta tua “artimanha” de fazer entrar em campo Diego Reyes, entregando, desta forma, o meio campo ao Sporting CP foi de génio. A ideia e gesto de um génio arrogante que só porque no passado domingo venceu na Luz no minuto 90. É verdade que esta vitória foi muito saborosa para toda a nação portista, mas daí até poderes dar uma de “Mestre da Táctica” vai uma enorme distância. A distância de se perder a possibilidade de marcar presença na Final da segunda prova mais importante do nosso calendário competitivo!

 

Claro que agora quem te bajula «ad nauseam» mesmo sem ainda teres vencido seja o que for ao serviço do FC Porto, teres sido o autor da maior derrota caseira da história do clube nas competições europeias e de já teres sido eliminado por este mesmo Sporting Clube de Portugal na Taça da Liga e na Taça de Portugal irão dizer que no passa nada. Que está tudo bem pois o que interessa é o campeonato. Volta a meter a “argolada” que meteste hoje no Estádio José de Alvalade numa das quatro jornadas que restam para terminar o nosso campeonato e vais – mesmo - ver e sentir o quanto custa ser-se arrogante!

 

E mais não digo porque não vale a pena. A única coisa de positiva que se retira desta derrota é que a ridícula euforia que tomou conta de muitos portistas após a vitória do passado domingo vai diminuir de intensidade. Isto ainda não acabou. Quer-se queira ou não, “eles andam aí” pelo que se dispensa a arrogância de um certo “Sérgio” armado em “Mestre da Táctica”.

 

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. Pode até ter sido impressão minha, mas o Guarda-redes do Futebol Clube do Porto foi o único que tudo tentou fazer para tentar dar a volta à “arrogância sergiana” que em determinada altura tomou conta de toda a equipa portista. Por tudo isto, e muito mais, San Iker merecia muito mais do que ter sido “humilhado” na “lotaria das Grandes Penalidades”.

  

Chave do Jogo: Esta apareceu com a entrada de Diego Reyes em campo. Com a entrada do internacional mexicano a equipa portista perdeu toda e qualquer capacidade de organizar o seu jogo por forma a fazer frente ao previsível pressing final da equipa de Jorge Jesus.

 

Arbitragem:  Muito sereno. Jorge Sousa esteve muito bem do ponto de vista técnico e disciplinar. Houve alguns lances de dúvida, tanto na área leonina como na área portista, mas o árbitro da AF Porto esteve na análise. Nota positiva para o trabalho de Jorge Sousa.

 

Positivo: Bruno Fernandes. Cada vez mais admiro as enormes capacidades deste médio internacional português que se assemelha, cada vez mais, com o saudoso João Moutinho.

 

Negativo: Sérgio Conceição. E nem vale a pena repetir a razão de tal. Ou será que vale?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39


Vitória com sabor a campeonato

por Pedro Silva, em 15.04.18

imgS620I219027T20180415213429.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Jogo equilibrado que Sérgio Conceição soube gerir para que a Deusa da Fortuna fizesse com que o potente remate de Hererra acabasse dentro da baliza de Bruno Varela. Esta será, na minha opinião, uma forma resumida de expor. correctamente, tudo o que se passou hoje no relvado do Estádio da Luz.

 

Olhando para o dito jogo de uma forma mais ampla, pareceu-me que o Futebol Clube do Porto de Sérgio Conceição entrou mal no dito e que o Sport Lisboa e Benfica de Rui Vitória soube gerir – com uma eficácia q.b. – o dito até ao final da primeira parte. Após o intervalo foi notória a intervenção do treinador dos azuis e brancos (intervenção esta que melhorou, e muito, a equipa após a retirada de Otávio do relvado). Já Rui Vitória (talvez por se estar demasiado seguro de si mesmo) não soube, nunca, dar a devida resposta e o Benfica acabou por perder o jogo com a mais profunda das justiças.

 

Penso que pouco mais há a dizer. Não percebo é que a insistência de Sérgio Conceição em Otávio… Está visto e provado que o pequeno atleta brasileiro não consegue ser aquilo que os azuis e brancos necessitam. Otávio teve hoje (e noutros jogos) uma tremenda dificuldade em fazer a necessária ligação defesa/ataque. Foi muito por sua culpa que o FC Porto não conseguiu incomodar Bruno Varela na primeira parte. A entrada de Oliver Torres (deveria ter jogado de inicio) e de Vincent Aboubakar revelaram-se muito acertadas e foram estas que permitiram a Héctor Miguel Herrera marcar aquele que pode ser o golo que fará do Futebol Clube do Porto campeão nacional de futebol quatro - longas - épocas depois.

 

E atenção, eu disse (e repito!), pode ser, pois ainda faltam 4 jornadas para o término da actual edição da Liga NOS e é certo e sabido que as “toupeiras” vão andar por aí. Para mais este Porto de Conceição já mostrou que é muito hábil a dar tiros nos pés.

 

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. Longe de ter sido deslumbrante, o guardião Casillas foi o espelho da segurança que permitiu a que o Futebol Clube do Porto pudesse tentar vencer na Luz. Sempre Impecável nos momentos complicados em que o SL Benfica ameaçou a baliza portista. A vitória de hoje dos Dragões em Lisboa deve-se, em parte, à tremenda concentração e capacidade de liderança do veterano espanhol.

  

Chave do Jogo: Há quem diga (e eu não discordo) que o intervalo permitiu a que o FC Porto de Sérgio Conceição desse a volta por cima a um jogo que estava a ser equilibrado, mas a meu ver o factor que fez com que o jogo pendesse para o lado portista foi a entrada de Aboubakar em campo. O internacional camaronês e o seu futebol permitiram criar o espaço de que Herrera necessitou para o golo da vitória azul e branca.

 

Arbitragem:  Arbitragem à altura do jogo. No capítulo disciplinar, podia ter sido mais rígido, pois faltaram alguns amarelos, mas no geral esteve bem, já que nunca perdeu o controlo do jogo. Confesso que fiquei com dúvidas no golo anulado ao FC porto, mas este é um lance que terei de rever dado que o canal que transmitiu a partida apenas o repetiu uma única vez.

 

Positivo: Sérgio Conceição. Desta vez o “Mister” soube intervir quando a sua equipa mais precisou. Por explicar fica a sua “embirração” para com Oliver Torres e o tempo que demorou a retirar Otávio do campo.

 

Negativo: Alex Telles. Se Alex Telles não sabe dominar uma bola, que treine e volte a treinar tal até deixar de fazer tamanho disparate. E que raio foi isto de se fazer passes ”à queima” para Casillas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00


O Porto venceu e o Aves perdeu

por Pedro Silva, em 08.04.18

imgS620I218463T20180408200453.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Aquando do final da partida no Estádio do Dragão, Luís Freitas Lobo (comentador da Sport Tv) disse isto sobre o jogo: o Porto venceu e o Aves perdeu. O jogo que vi hoje resume-se exactamente a isto. È que realmente não há nada mais para se dizer sobre tão paupérrima partida. Se o Futebol Clube do Porto vai à Luz na próxima semana jogar desta forma, o mais provável é a coisa correr- muito – mal diante de um Benfica que não tem jogado absolutamente nada nas últimas jornadas da Liga NOS.

 

Confesso que me preocupa, cada vez mais diga-se desde já, certas teimosias de Sérgio Conceição. Sérgio Oliveira é um médio que tem muitas qualidades. Visão de jogo e uma capacidade de remate fora de comum são dois dos seus melhores atributos, mas o Sérgio Oliveira está muito em baixo de forma e é notória a forma (quase) que penosa como este se “arrasta” em campo- Que faz o treinador do Futebol Clube do Porto? Insiste e volta a insistir no moço até um dia aparecer uma das tais “famosas” lesões musculares que o obrigarão a ter de parar por mais de um mês. E onde é que eu já vi este “filme”? Há uns meses atrás com Danilo Pereira. O resultado foi o que se viu.

 

Dizer-se que hoje os azuis e brancos apresentaram uma ideia de jogo é fazer-se pouco de quem trabalha todas as semanas. Viver da sorte de um defesa do Aves ter feito uma Grande Penalidade clara e de um ressalto que bateu em Otávio e que acabou por entrar na baliza da equipa avense é preocupante. Especialmente se tivermos em linha de conta que a equipa de José Mota conseguiu incomodar bastante o FC Porto desgastado fisicamente de Sérgio Conceição antes da chuva ter vindo em força… E mesmo durante o dilúvio a equipa avense ainda teve arte e engenho para atirar uma bola ao poste de Iker Casillas.

 

Vamos a ver o que vai acontecer. A próxima semana vai ditar muito do futuro deste Futebol Clube do Porto. E não, não me parece que um discurso agressivo e motivador vá ser suficiente para se recuperar o que Sérgio Conceição perdeu nas últimas jornadas da nossa Liga.

 

MVP (Most Valuable Player): Alex Telles. O defesa lateral esquerdo foi hoje o menos mau dos portistas. Converteu a Grande Penalidade (coisa rara no Dragão nos tempos que correm) e ainda teve tempo para fazer o seu corredor com uma eficácia impressionante para quem esteve tanto tempo lesionado.

  

Chave do Jogo: Inexistente. Não obstante o Futebol Clube do Porto ter chegado rapidamente a uma vantagem de duas bolas a zero, a verdade é que se a equipa visitante tivesse marcado um golo a vitória portista poderia ter ficado em causa.

 

Arbitragem:  Arbitragem tranquila e sem sobressaltos de Nuno Almeida, que conduziu sempre bem o jogo e que teve um desempenho muito bom. Indiscutível o penálti.

 

Positivo: Vitória do FC Porto. Num jogo de tão má qualidade em que os jogadores azuis e brancos pareciam “desligados”, a única coisa que de positivo que se pode retirar é, tão-somente, a vitória portista que mantém bem acesa a esperança de se conquistar o título.

 

Negativo: Exibição do FC Porto. Equipa que ser campeã nacional tem de jogar mais mesmo quando o adversário é teoricamente mais acessível. Muito mais e melhor, e não dar uma de “fazer o frete”. Os adeptos que estiveram hoje presentes no Estádio do Dragão merecem muito mais respeito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12


Foi o anti jogo

por Pedro Silva, em 02.04.18

imgS620I218016T20180402220624.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Pois é Sérgio. A culpa da derrota de hoje diante do CF Os Belenenses também foi do anti jogo? Faço-te tal pergunta porque, por mais estranho que não pareça, hoje vi o Futebol Clube do porto a jogar da mesma forma que jogou em Paços de Ferreira. A única – grande - diferença é que o resultado negativo de hoje foi mais pesado e pode ter criado aquela complicação que nenhum portista queria que aparecesse no Dragão na recta final do campeonato. È que isto de ir á Luz vencer não é fácil… NES que o diga! Por mero acaso NES até que esteve na mesma situação que tu. Só não tinha do seu lado um enorme “grupo” de adeptos que acham que o treinador do Futebol Clube do Porto tem de ser um jagunço a tempo inteiro.

 

E já agora Sérgio (já que estamos numa de perguntas) será que me podes dizer o que tens contra o Óliver Torres? Mesmo com o Sérgio Oliveira a fazer disparates atrás de disparates como hoje não apostas no espanhol porquê?

 

E não Sérgio. Não tens um plantel curto. Tens o plantel que queres mas que não sabes gerir. De outra forma não terias de enfrentar tantas lesões musculares. Lesões que afectam (e de que maneira!) a forma de jogar do nosso FC Porto. Tal ficou bem patente no jogo de hoje no Restelo. No fundo e no cabo és um Jorge Jesus «low profile». Um treinador que “arrebenta” com o físico dos seus jogadores e que não sabe preparar devidamente a equipa para defrontar adversários que dão sempre tudo quando jogam contra o clube portista. Foi assim em Paços e foi assim - outra vez - em Belém.

 

Já aqui apontei os erros deste Futebol Clube do Porto aquando da derrota em Paços. E já aqui o disse que hoje estes voltaram a acontecer. Não me vou repetir. Quem quiser que continue a acreditar na tese do anti jogo para no final do campeonato vir fazer a cena do costume em pleno Estádio do Dragão quando a temporada acaba a zero.

 

E já agora, o ter opinião é um direito que assiste a todo e qualquer adepto do Futebol Clube do Porto. Mais do que tudo eu quero que o FC Porto ganhe seja o Sérgio o treinador ou outro qualquer. Contudo eu não gosto (nem nunca gostei) do “seguidismo” e da cegueira colectiva porque depois o resultado final é aquilo que todos vimos hoje no Estádio do Restelo. E é claro que tudo é possível. Esta temporada pode muito bem culminar na conquista do Campeonato e da Taça de Portugal. Mas para isto há que apontar o que nos parece estar mal neste Dragão e não dar uma de “vamos para frente e ponto”. Este FC Porto está frágil e a culpa é de muita gente de dentro do Reino do Dragão e não somente do “polvo”, das “toupeiras” e dos “padres”.

 

MVP (Most Valuable Player): Yacine Brahimi. Lutou muito sem no entanto ter jogado bem. O argelino foi (talvez) o único jogador do Futebol Clube do Porto que mais vezes tentou “remar contra a maré” do marasmo e incapacidade em que este FC Porto teimou em navegar.

  

Chave do Jogo: Esta apareceu aos 10´ do jogo para resolver a contenda a favor dos da casa, altura em que a equipa do Restelo marcou o golo inaugural da partida.

 

Arbitragem: Não foi uma noite fácil para o árbitro Hugo Miguel. O árbitro da AF Lisboa somou alguns erros de análise ao longo do encontro e ficaram alguns cartões por mostrar. 

 

Positivo: Inexistente.

 

Negativo: Sérgio Conceição. Sérgio foi o principal responsável pela derrota de hoje por tudo aquilo que não fez quando a sua equipa precisou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29


Missão cumprida à moda do q.b.

por Pedro Silva, em 17.03.18

imgS620I216987T20180317223033.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Jogo engraçado este que pude assistir in loco no Estádio do Dragão. E foi assim muito por culpa de um Boavista FC que não se limitou a defender. A equipa de Jorge Simão mostrou - sempre - que tinha uma ideia de jogo. Faltou-lhe foi ter atletas capazes de aplicar com ef8icácia esta mesma ideia de jogo. Já o FC Porto entrou forte na partida para tentar resolver, desde já, o problema. E até que acabou por o conseguir! O problema é que após o golo madrugador de Felipe apareceu o, já habitual, “calcanhar de Aquiles” de um meio campo portista que é manifestamente incapaz de controlar o jogo. Danilo Pereira faz muita falta é verdade, mas a é também verdade que este problema se manifesta (em menos quantidade, obviamente) com o internacional português em campo. Sinal de que ter muitos centro campistas no plantel não é sinónimo de qualidade. Uma questão a rever na próxima temporada.

 

Apesar de tudo confesso que hoje gostei da forma como este Futebol Clube do Porto de Sérgio Conceição tentou jogar. Já vai sendo hora de colocar o “modo cavalaria” de lado quando este não é necessário. Também gostei da forma como o técnico azul e branco geriu a sua equipa com su8bstituições bem pensadas e adequadas ao que estava a acontecer no terreno de jogo.

 

O que não gostei de ver foi o facto de o segundo golo portista ter aparecido por obra do acaso. Não que os Dragões não aparentassem ter o jogo mais ou menos controlado, mas também não davam sinais de que poderiam sentencia-lo de vez com um seguindo golo. Fosse o Boavista uma equipa mais capaz e acredito que o público presente no Dragão teria tido mais razões de queixa do que aquelas que teve para com a equipa de arbitragem.

 

E já agora. Levando à letra aquilo que Sérgio Conceição diss3e após a derrota em Paços de Ferreira, tenho que dizer que vi os axadrezados a fazer “anti jogo”. Muitas as vezes em que o Vágner atrasou a reposição de bolas em jogo e até aos dois a zero a favor da equipa da casa o que não faltou foi jogador do Boavista a atirar-se para o chão numa simulação clara de falta que o árbitro da partida assinalou sem pestanejar. Se o Sérgio fosse mais “homenzinho” quando as coisas não correm bem… O mesmo se aplica a Pinto da Costa que "só aparece" nas horas boas. Já nas más… Adiante.

 

Missão cumprida à moda do q.b. Primeiro lugar da Liga NOS mantido antes da paragem para os trabalhos das selecções. Agora é esperar que tudo corra bem para que o Dragão possa apresentar-se na máxima força no Restelo.

 

MVP (Most Valuable Player): Felipe. Bem que poderia ter também colocado Marcano como o MVP desta partida, mas optei pelo defesa central brasileiro por causa do golo que este marcou. Ambos os centrais estiveram impecáveis na sua posição.

  

Chave do Jogo: O segundo golo dos azuis e brancos ajudou “a colocar uma pedra” em cima do assunto, mas não acabou por completo com a partida dado após este mesmo golo foram ainda algumas as vezes em que os boavisteiros conseguiram criar alguns lances de perigo para a baliza de Casillas.

 

Arbitragem: Manuel Oliveira esteve bem ao voltar atrás na expulsão de Vítor Bruno e parece (atenção ao parece!) ter estado bem ao anular a grande penalidade de Sérgio Oliveira. Ainda assim, teve alguns erros na partida.

 

Positivo: Sérgio Conceição. Bem na preparação da sua equipa para o jogo e bem nas substituições. È isto que se exige a um treinador do Futebol Clube do Porto.

 

Negativo: Vincent Aboubakar. Ao que parece o período que esteve lesionado fez com que voltássemos a ter o “velho” Aboubakar. Aquele que falha golos de baliza aberta…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59


Mais sobre mim

foto do autor


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Frase do Ano


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

CR7 (Bola de Ouro 2017)


Publicidade




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D