Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ás vezes é preciso...

por Pedro Silva, em 15.01.21

rasgadinho-mas-bem-calcados.jpg

imagem retirada de zerozero

Efectivamente há alturas em que é preciso voltar a colocar os pés bem assentes na terra. E felizmente – creio eu - não foi preciso uma derrota para que o Futebol Clube do Porto voltasse a perceber que para se ganhar jogos é preciso preparar-se e adaptar-se melhor aos adversários. A verdade é que Jorge Jesus é vaidoso, convencido e dono de um egocentrismo doentio, mas percebe de futebol e hoje este foi superior a Sérgio Conceição.

Já após a partida na Madeira diante do CD Nacional eu tinha aqui dito que os azuis e brancos jogaram pouco e demonstraram, em muitas e sérias ocasiões, que os níveis de concentração estão em níveis muito baixos. Entendo que o calendário dos portistas esteja super preenchido e exigente tanto a nível físico como psicológico, mas o Futebol Clube do Porto é um clube profissional que deve saber (digo eu) como lidar com este tipo de situações… E se vamos pela questão do calendário preenchido, então as equipas inglesas já há muito que tinham “dado um tiro na cabeça”. Por isto, não vamos por este caminho.

O meio campo dos azuis e brancos praticamente não existiu. Sérgio Oliveira e Uribe não conseguiram, em momento algum fazer a transição rápida que se exigia perante uma equipa que jogou muito subida no relvado numa atitude bem pressionante que tinha como principal objectivo obrigar o FC Porto a jogar no “chutão para a frente que o jogo é do campeonato”. Uma alternativa a tal problemática residia, acho eu, na aposta no futebol lateralizado dado que os portistas até que tem bons alterais como Zaidu e Nanu que conseguem dominar a bola em corrida… Só que nem por aí os Dragões conseguiram ser felizes pois o SL Benfica esteve sempre muito forte na sua organização defensiva e conseguiu anular, várias vezes, o ataque portista.

Apesar de tudo a partida foi equilibrada. Pelo menos até à expulsão de Taremi. Depois de tal, e com naturalidade, o Benfica teve mais posse de bola, foi pressionante e em certos momentos conseguiu “encostar” o Porto á sua área, mas faltou eficácia à equiupoa de Jesus. Eficácia e sagacidade táctica pois a verdade seja dita que Sérgio Conceição esteve bem melhor nas substituições do que Jorge Jesus e “deu um nó cego” à partida dado que na situação em que o FC Porto se encontrava era bem melhor um empate do que uma derrota moralista.

Em suma, a verdade é que nesta jornada o único que poderá ter motivos para sorrir é o Sporting Clube de Braga que se vencer o seu jogo se aproxima do primeiro lugar da tabela. Já o FC Porto… Vai agora perder tempo com uma competição que nunca fez sentido algum no nosso futebol de tão inquinada que é na defesa dos interesses “dos três grandes”. Era escusada esta perda de tempo e desgaste do físico dos atletas, mas lá está o Futebol Clube do porto é um clube profissional e como tal já deve estar preparado para este tipo de situações.

Melhor em campo: Jesús Corona. Talvez o único atleta dos azuis e brancos que foi sempre à luta e que mais procurou incomodar a defesa do SL Benfica. Pagou bem cara esta sua atitide pois foi quase sempre o “saco de pancada” dos atletas da equipa benfiquista.

Pior em campo: Moussa Marega. Mais um jogo para esquecer. Não o critico pelo falhanço quase baliza aberta que poderia ter dado a vitória a um FC Porto reduzido a 10 unidades. Critico-o antes pela nulidade que foi e que vem sendo nos últimos tempos.

Arbitragem: Luís Godinho deixou muito a desejar. Complacente com o jogo bruto, trauliteiro, maldoso e revelador de mau carácter de Pizzi e ao primeiro disparate de Mehdi Taremi expulsa-o. Salvo melhor opinião, o internacional iraniano é bem expulso mas por perceber fica a complacência para com Pizzi e para com o banco de suplentes do Sport Lisboa e Benfica que tudo podia fazer (Jesus inclusive até berrou com o 4.º árbitro) e só teve direito a um cartão amarelo. Já o banco do Futebol Clube do Porto ao primeiro protesto teve direito a cartão vermelho e ao segundo protesto foi brindado com um cartão amarelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18


O “tique” de Professor Pardal

por Pedro Silva, em 12.01.21

741032_ori_taca_de_portugal_nacional_x_fc_porto.jp

imagem retrirada de zerozero

O Treinador português tem tanto de genial como de Professor Pardal. Especialmente quando sente que tem de gerir o esforço do plantel que orienta face ao normal desgaste provocado pelo avançar do calendário competitivo. E, por norma, quando o treinador luso lhe dá para gerir o esforço dos seus comandados, por norma, a cosia não corre lá muito bem pois este opta por rotinas e formas de estar no campo com a qual nenhum dos seus jogadores está habituada.

Ora bem, depois de ver o que aconteceu hoje na Choupana em pleno Estádio da Madeira o que se me apraz dizer é que hoje Sérgio Conceição deu uam de Professor Pardal. E logo numa altura em que tem mostrado, pouco a pouco, que é um Treinador genial. Jogar com 3 centrais deixando o flanco esquerdo da defesa portista à responsabilidade de Luís Díaz é o mesmo que cometer kamikaze ao bom estilo nipônico… Especialmente se tivermos em linha de conta que dois jogadores (repito: 2 jogadores!) sendo um deles o conhecido Bryan Róchez que pode não ser um primor como avançado mas que de tosco não tem nada. Se lhe derem espaço este marca… Pelos vistos Pepe, Diogo Leite e um “morcão” qualquer de azul e branco vestido não sabiam de tal e foi por isto que Róchez empatou um jogo que o Futebol Clube do Porto tinha a obrigação de ter dominado e gerido pois na próxima sexta-feira há um clássico para se disputar e vencer em pleno Estádio do Dragão.

O segundo golo sofrido foi o colapsar da invenção do Sr. Professor Sérgio “Pardal” Conceição. Tremendo buracão no lado esquerdo da linha defensiva portista e o Nacional a aproveitar pois Diaz é um extremo e não um defesa lateral esquerdo. Mais! Jesús Corona, para já, só existe um e este foi o único jogador do actual plantel dos dragões que mostrou ter capacidade para fazer todo o flanco direito (defendendo e atacando). Não sei o que terá passado pela cabeça de Sérgio Conceição para num jogo a eliminar se ter lembrado de inventar… Felizmente este percebeu o disparate a tempo e retirou Sarr do campo e tudo voltou à normalidade com a entrada de Zaidu e o avançar de Luís Díaz para o seu lugar habitual.

O resto do jogo resume-se à teimosa displicência portista de não querer encarar este jogo com a seriedade que se lhe exigia, uma expulsão de um jogador da equipa madeirense e o normal impor da maior forma física do FC Porto diante de um CD Nacional que tem como objectivo prioritário a manutenção na Liga NOS.

Em suma. A verdade é que os Azuis e Brancos estão nos quartos-de-final da Taça de Portugal e estão na corrida pela renovação de um título que querem juntar ao um muito possível e provável bicampeonato. Escusavam era de ter jogado um prolongamento em casa de um adversário acessível e de terem desgastado o físico quando o próximo jogo é já daqui 3 dias e logo diante do SL Benfica…

Melhor em Campo: Mehdi Taremi. Efectivamente o internacional iraniano está a atravessar um momento de forma muito bom. Para além de mostrar que está – cada vez mais – adaptado à realidade bem complicada que é a de jogar com sucesso num dos ditos “grandes” do nosso futebol. Hoje foi mais uma demonstração de que Taremi é o “matador” que resolve os jogos que os seus colegas de equipa e Treinador se lembram de complicar.

Pior em Campo: Toni Martínez. Mau, fraquinho, péssimo. O atleta espanhol hoje foi o inverso de Taremi. Muito mal no posicionamento em campo, mau a cabecear, péssimo a criar espaço na área adversária para os colegas de equipa e terrível a dominar uma bola em corrida. Da minha parte ainda tem tempo para mostrar aquilo que realmente vale, mas cada vez mais fico com a ideia de que camisola do Futebol Clube do Porto lhe “pesa muito nos ombros”.

Arbitragem:  António Nobre deve ter sido afectado pela tempestade que na semana passada assolou a Madeira. Péssimo trabalho da equipa de arbitragem. Expulsão de um jogador do CD Nacional que ninguém entende e grande penalidade óbvia por falta sobre Taremi na área madeirense que Nobre e seus assistentes não viram. Hás dias assim em que não vale a pena sair de casa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15


Sentido de dever cumprido

por Pedro Silva, em 08.01.21

a-coroacao-do-principe-da-persia.jpg

imagem retirada de zerozero

Jogo algo sonolento (ou então eu é que estou cansado) onde o Futebol Clube do Porto fez o seu trabalho sem ter sido, em momento algum, exuberante num relvado que mais parecia um pavilhão de tão duro e escorregadio que este estava fruto do gelo que abundava. Claro que a sorte também fez das suas e esteve do lado da equipa de Sérgio Conceição que alcança o 3 golo após uma embaraçosa escorregadela de Vaná Alves.

Contudo a verdade seja dita, os portistas podem não ter sido exuberantes mas mostram – cada vez mais – uma confiança tal que até se me atrevo a dizer que neste momento ninguém é capaz de fazer frente a este Futebol Clube do Porto. A capacidade de pressão do onze escolhido por Sérgio Conceição é de louvar pois tal forma de estar no campo faz com que, praticamente, as equipas adversárias “despareçam” do relvado. Tal a uma semana do clássico no Dragão com o SL Benfica é algo que me agrada a mim enquanto adepto e sócio do FC Porto, contudo estou longe (muito longe) de ficar plenamente satisfeito pois o 1.º lugar ainda está longe e há ainda muito para jogar.

Também há que aqui dizer que este FC Famalicão em nada tem a ver com o FC Famalicão quase europeu da época passada. Hoje aquela que na temporada anterior foi a equipa sensação começa, cada vez mais, a ser a equipa desilusão tal o futebol fraquinho que pratica. Os moços de Famalicão até que correm muito, aqui e acolá constroem jogadas interessantes e por vezes até chegam a criar real perigo à baliza adversária. Mas pouco mais do que isto. Assim de repente lembro-me de dois lances em todo o jogo em que os famalicenses obrigaram Marchesín a aplicar-se a fundo. Tirando a grande penalidade, o Famalicão praticamente quase não criou oportunidades de golo. Tal explica o facto de o Famalicão poder, a muito curto prazo, vir a ser o actual “lanterna vermelha” da Liga NOS.

Apesar de tudo, jogo sonolento, adversário fraco e outras coisas tais a verdade é que hoje os portistas fizeram o que se esperava deles ao terem vencido o jogo. E tal é bem importante pois numa luta a 3 (FC Porto, SL Benfica e Sporting CP) a questão da dinâmica de vitórias é fundamental. Especialmente se tivermos em linha de conta que desta vez serão os confrontos entre os ditos “três grandes” que vão determinar o campeão da época 2020/21. Isto na minha opinião, claro está.

Melhor em Campo: Mehdi Taremi. Devagar, devagarinho lá vai aparecendo um novo “matador” no reino do dragão. Ver o internacional iraniano a marcar mais do que um golo de azul e branco vestido começa a ser um hábito fruto do seu excelente posicionamento e capacidade de aparecer no momento certo a finalizar. Hoje Taremi marcou dois golos em três remates à baliza de Vaná… Pode-se pedir mais a Taremi?

Pior em Campo: Moussa Marega. Confesso que adoro Marega mas tenho a capacidade de olhar para o que este tem feito ultimamente e dizer, sem pudor ou reservas, que o maliano está numa fase má da época. Por vezes até parece que Marega “atrapalha” em campo. ,Não consegue dominar uma bola e hoje nem um único remate à baliza do Famalicão. Uns jogos no banco de suplentes podem ajudar Moussa a voltar a ser o que era.

Arbitragem: Rui Costa fez aquilo que se pode apelidar de arbitragem patética. Muitas dúvidas na grande penalidade cometida por suposta falta de Diogo Leite sobre Anderson (para mim não é penálti). Para mais, quando um árbitro dialoga muito com os jogadores em vez de se manter à distância e aplicar com critérios o devido poder disciplinar só pode dar em mã arbitragem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15


Mais cedo ou mais tarde...

por Pedro Silva, em 03.01.21

cronica-nem-deu-para-aquecer.jpg

imagem retirada de zerozero

Quando questionado sobre o primeiro lugar da Liga NOS, o atleta do Futebol Clube do Porto Sérgio Oliveira disse mais ou menos o seguinte: “mais cedo ou mais tarde, vamos lá chegar”. Isto após a oitava vitória consecutiva dos Dragões na Liga NOS, marco importante mas que “nem arrefece, nem aquece” que o mesmo Sérgio Oliveira desvalorizou pois se não se revalidar o título, marcos e recordes são bonitos não servem para nada.

Isso tudo para aqui dizer que concordo com Sérgio Oliveira quando diz que o primeiro lugar da Liga NOS será do FC Porto. É uma questão de tempo e, sobretudo, de se manter e melhorar essa forma de estar em campo. Se os azuis e brancos conseguirem continuar a jogar desta forma, não complicarem o que é fácil (Sérgio Conceição dixit, novamente) e não se darem ao aso de cometer disparates tipo deixar os seus flancos completamente desertos na hora de defender uma transição rápida da equipa adversária e não surgirem lesões complicadas em jogadores ditos “nucleares” é perfeitamente possível revalidar o título.

Quanto ao jogo de hoje, sou da opinião de que o FC Porto jogou bem, mas esteve longe de ter sido perfeito. Gostei de ver a pressão que os dragões exerceram sobre a linha defensiva do Moreirense FC. E também gostei de ver a velocidade e capacidade de criação de linhas de passe de forma a que os portistas conseguissem, quase sempre, sair em velocidade para o ataque. Para mais, gostei mesmo muito de ver este FC Porto a procurar variar o seu estilo de jogo e em fazer circular o esférico por todo o relvado. Claro que durante os 90 e poucos minutos da partida momentos houveram em que a equipa pareceu perder “algum gás” e eu já aqui o disse – e repito – que gerir uma vantagem de uma bola a zero é perigoso… Tivesse o Moreirense uma linha avançada com maior qualidade e não sei se estaria aqui a dissecar um amargo empate…

Uma palavra para a equipa minhota.

Primeiro para dizer que não se percebe a razão pela qual esta equipa muda tantas vezes de Treinador ao longo da temporada. Ainda se fosse por maus resultados, entendia-se (digo eu), mas segundo o que vem a público não é esta a razão. Pelo que se vai falando “à boca cheia” tem a ver como facto de a direcção do Moreirense querer imiscuir-se à força no trabalho dos técnicos e a ser assim tal é, diga-se desde já, um profundo disparate. Especialmente se tivermos em linha de conta que os cónegos até que são uma equipa interessante que pratica bom futebol para equipa que tem como objectivo a manutenção. Isto tendo por base, obviamente, o que vi hoje.

Segundo, o Moreirense está longe de ter qualidade no seu plantel, mas bem orientado e bem trabalhado pode muito bem vir a ser uma equipa que possa lutar por algo mais do que o “meio da tabela”. Hoje vi esta mesma equipa dita “pequena” a ser inteligente e sagaz o suficiente para aproveitar os espaços que o FC Porto ia deixando em aberto na sua linha defensiva e, inclusive, vi esta mesma equipa a causar muitas dificuldades aos azuis e brancos quando descia em velocidade pelos flancos. Sinal de que este Moreirense FC não é assim tão mau como parece e que a vitória portista não terá sido assim tão simples não obstante o 3 a 0 final a favor dos azuis e brancos.

Melhor em Campo: Sérgio Oliveira. Mais uma vez o incansável médio e capitão do Futebol Clube do Porto mostra a sua enorme qualidade. Um golo, uma assistência para golo e mais de uma meia dúzia de bolas recuperadas. Isto para alé,m de ser o criador de todo o futebol ofensivo do FC Porto.

Pior em Campo: Moussa Marega. Muito trapalhão na hora de dominar o esférico quando seguia em direcção à baliza dos cónegos. Muitas vezes mal posicionado no campo, o que “travou” e fez ”abortar” os ataques promissores dos Dragões. Mau jogo do Maliano que está num mau momento de forma. Vamos a ver se recupera rapidamente desta má fase.

Arbitragem: Arbitragem tranquila a de Manuel Mota e seus assistentes. Quando o árbitro não quer ter protagonismo e procura dialogar de forma calma e assertiva com todos, tudo corre pelo melhor. Já sobre o fora de jogo por 3cm que anulou o segundo golo do FC Porto, decisão correcta sendo que o único senão a apontar é que tal não aconteça nos jogos em que os “lesados” são SL Benfica e Sporting CP (vá se lá saber porquê).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:45


Não gostei

por Pedro Silva, em 29.12.20

cronica-ate-a-ultima-badalada.jpg

imagem retirada de zerozero

Jogo entretido esse Vitória SC 2 x FC Porto 3. Acredito que tenha feito o gosto de muito boa gente e, inclusive, até que terá calado muitos daqueles que criticam a Liga NOS. Contudo eu não gostei. E acredito que até Sérgio Conceição não terá gostado também daquilo que viu. Muito desacerto, jogadores que – mais uma vez – desperdiçam a confiança que o Técnico teve neles e, meus caros atletas de azul e branco vestido, o futebol é um desporto colectivo onde todos atacam e… Defendem!

Assim não pode ser. Verdade seja dita que esta época Sérgio Conceição não conseguiu, ainda, “afinar” a equipa portista no que à defesa diz respeito. Isto no que à Liga NOS diz respeito, pois na Liga dos Campeões a “música é outra” bem melhor e bem mais afinada. Face a tal não queria mesmo entrar no argumento da mentalidade e do querer porque as equipas de Sérgio Conceição dão sempre tudo em campo, mas se é uma coisa assim para o estranho é de facto. E hoje esta coisa estranha voltou a acontecer. Especialmente no segundo golo do Vitória… Todos conhecemos Ricardo Quaresma e sabemos que basta um pequeno espaço para este fazer um cruzamento perfeito para o avançado marcar golo, mas pelos vistos Uribe e companhia não sabiam ou não quiseram saber de tal na altura.

Essa estranha forma de estar em campo poderia ter custado bem caro aos dragões… E logo numa altura em que tudo está tão equilibrado no que à luta pelo título não obstante as recentes “ajudas” que a choraminguice sportinguista conquistou. Pelo que seria de esperar outra forma de estar em campo por parte dos portistas. Para mais, futebol é um desporto colectivo onde todos atacam e defendem.

Outra coisa que também estranhei bastante e que me desagradou foi o facto de os vitorianos conseguirem causar o pânico na defesa portista com um simples pontapé para a frente. Claro que estes pontapés para a frente dos vitorianos não eram feitos “à balda”. Era notória que na equipa de João Henrique havia trabalho e muita preparação, mas mesmo assim ter um avançado de nome Estupiñán que há não muito tempo estava na equipa B do Guimarães a dar cabo da cabeça a jogadores como Sarr, Pepe, Diogo Leite, Manafá e Zaidou é algo que dá que pensar. Especialmente se tivermos em linha de conta que a toda a defesa do FC Porto era quase sempre batida em velocidade…

Mas pronto. A verdade é que o Futebol Clube do Porto venceu em casa de um adversário que é sempre muito difícil de se bater. Os 3 pontos vieram para o Dragão e o objectivo de renovação do título de campeão continua em cima da mesa. Mas há que repensar formas de estar e, sobretudo, mentalidades porque – penso eu – se exige esforço e dedicação tanto na Liga dos Campeões como na Liga NOS. Para mais, tirando uma pequena hipótese de conquista da Champions, só sendo campeão ou vice-campeão na Liga NOS se consegue participar na prova milionária. A ver se alguns dos jogadores do FC Porto percebem isto de uma vezs mesmo que para tal tenha de se lhes fazer um desenho.

Melhor em Campo: Luís Diaz. Poderia ter aqui colocado Taremi, mas optei antes por Diaz porque este foi dos poucos que deu tudo em campo. Fez uma assistência para golo, marcou um golo após um domínio fabuloso (e bem difícil) de bola e fez sempre “estremecer” a linha defensiva do Vitória.

Pior em Campo: Romário Baró. Eu até que sou daqueles que acha que se deve dar tempo a jogadores como o Baró. Miúdos oriundos da formação que precisam de tempo para se adaptar ao futebol sénior, mas existem limites para a paciência. Hoje Baró esteve péssimo! Começo a pensar se um empréstimo não seria o melhor para que Romário se defina – de vez – como jogador.

Arbitragem: Hugo Miguel terá perdoado uma expulsão a Romário Baró ao não ter admoestado o atleta com um segundo cartão amarelo após falta para tal. Com tal poderá ter tido influência no resultado final dado que jogar com 10 é bem diferente do que jogar com 11. De resto, nada mais há a apontar ao trabalho de Hugo Miguel e seus assistentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D