Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Porque funciona a “Geringonça”?

por Pedro Silva, em 22.08.16

PS_porquefuncionaageringonca_destaque.jpg 

Porque funciona a “Geringonça”? Eis uma questão que todos já colocaram. Muito em especial nos momentos em que a dita “Geringonça” que nos governa foi submetida a uma maior pressão interna e externa. A resposta é simples e para tal basta que se siga a lógica do meu último artigo de opinião que foi publicado no Repórter Sombra.

 

O que sustêm a “Geringonça” e a faz trabalhar mesmo nos momentos mais complicados é o diálogo. Sim. Diálogo, aquilo que o PSD de Pedro Passos Coelho e CDS-PP de Assunção Cristas abominam por completo. Aliás, bem vistas as coisas a política é – na sua base e essência – a arte de bem dialogar, porque não existe outra forma de um político honesto e competente convencer o seu eleitorado senão através do diálogo.

 

Não é por mero acaso que os “Barões” do PSD começam a apelar a Pedro Passos Coelho para que deixe de ser o arrogante cínico que deseja o mal de Portugal para poder governar a todo o custo. Marques Mendes e outros já perceberam que a “Geringonça” está aí para durar e somente uma faciosa Comunicação Social (a facção aliada de Passos Coelho) é que teima em não aceitar a realidade das coisas.

 

Actualmente a Direita portuguesa está perdida e não sairá do tenebroso labirinto em que se meteu enquanto não aceitar que vai precisar de dialogar e não de hostilizar, radicalizar e culpabilizar para voltar a ter crédito junto do eleitorado. Para mais os últimos meses tem trazido à nossa realidade factos que não abonam em nada a favor de PSD e CDS. Até nos recentes incêndios que arrasaram a Madeira e alguns Distritos de Portugal continental o Governo Passos/Portas teve uma tremenda responsabilidade por causa da famosa Lei do Eucalipto.

 

Obviamente que dialogar não isenta a “Geringonça” de alguns sobressaltos. Mas estes sobressaltos são uma consequência natural da política porque dialogar exige, precisamente, a troca de ideias. É precisamente nessa trica de ideias que surge o “combustível” que faz com que a “Geringonça” funcione na perfeição. PS, BE e PCP fazem exigências e cedências para que Portugal continue num rumo sereno e, sobretudo, mais justo para todos os portugueses. Algo que Pedro Passos Coelho e Assunção Cristas parecem não conseguir fazer, e graças a isto vão ficar - por largos anos - na oposição.

 

Uma última nota sobre a “embrulhada” da Caixa Geral de Depósitos (mais uma embrulhada que o Governo Passos/Portas deixou ficar para alguém resolver) para dizer o seguinte.

 

Ainda estou para perceber porquê razão o actual Governo insiste em querer nomear como Administradores do Banco público pessoas que já ocupam outros cargos. Como se isto de gerir um Banco fosse uma espécie de “frete” ou favor que nos fazem para o qual são bem renumerados. Não haverá por aí mais gente com capacidade e competência para recuperar a Caixa da trapalhada em que Passos e Portas a meteram?

 

Artigo publicado no Repórter Sombra (22/08/2016)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42


“Comer criancinhas ao pequeno-almoço”

por Pedro Silva, em 23.05.16

Imagem crónica RS.jpg 

Há indícios de que o glifosato do produto Roundup tenha efeitos nocivos sobre a saúde, como o aumento da incidência de certos tipos de cancro e alterações do feto por via placentária, gerando microcefalia . Além disso pode causar danos nos sistemas cardiovascular, gastrointestinal, renal, nervoso e respiratório. Também é uma substância bacteriogênica que impede a reprodução da flora intestinal. A substância também estimula o surgimento do autismo. Fonte: Wikipédia

 

Feita a apresentação do dito cujo químico produzido e comercializado pela Monsanto proponho agora ao leitor(a) que faça o seguinte exercício:

 

A Empresa A fornece água. Sucede porém que a dita empresa utiliza um determinado químico no processo de tratamento das águas que segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) tem uma forte probabilidade de provocar uma série de complicações de saúde graves aos seres humanos que a bebam. Mas a Organização das Nações Unidas (ONU) fez também saber que a utilização do dito químico tem, na sua opinião, uma reduzida possibilidade de provocar doenças irreparáveis a quem beber a dita água.

 

Face ao exposto o leitora(a) beberá a dita água? Ou preferirá consumir a água da concorrência que, embora sendo mais cara, não é tratada pelo tal químico que divide os especialistas da OMS /ONU?

 

Na minha opinião acho que é preferível pagar-se mais caro por algo que não levante dúvidas sobre uma mera possibilidade. Sim, uma mera possibilidade. Não nos esqueçamos de que ambas as instituições internacionais concordam num ponto: a utilização do dito químico é prejudicial pata a saúde. O único ponto de discordância está na probabilidade maior ou menor de a sua utilização ser um risco fatal para a nossa saúde.

 

Ora o que se passa na polémica questão da utilização do pesticida glifosato é a mesma do exercício que expus ao leitor(a). E foi neste sentido que o Bloco de Esquerda (BE) apresentou na Assembleia da República um projecto de lei que proibia o uso do herbicida glifosato em espaços urbanos. Os Bloquistas defenderam esta sua intenção recorrendo à tese do princípio da precaução quando existem dúvidas acerca do risco para a saúde. Tese que, segundo o vimos anteriormente, faz um enorme sentido. O dito projecto de lei foi apresentado e votado na Assembleia da República na passada quarta-feira (18 de Maio) e foi chumbado com os votos contra de PCP (Partido Comunista Português), CDS-PP (Partido do Centro Democrático Social) e PSD (Partido Social Democrata).

 

A Direita votou contra alegando razões econômicas. No entender desta facção política o recurso a outro tipo de pesticida teria custos elevados paras as Autarquias e demais agricultores. O que não surpreende dado que para esta malta p erário público é para se gastar com o que não se deve e nunca com a saúde pública dos portugueses.

 

Já o PCP rejeitou veemente a proposta do BE porque - passo a citar - perante as dúvidas ainda existentes, têm de realizar-se mais estudos, de modo a obter mais informação científica para apoiar uma decisão política. Para além disto os Comunistas apresentaram também um projecto de resolução recomendando ao Governo medidas para controlar os filofármacos e sua aplicação sustentável, nomeadamente através da criação de uma comissão multidisciplinar para acompanhar esta área.

 

Tricando isto por miúdos para que todos entendamos a posição do PCP; como não fomos nós (PCP) quem teve a brilhante ideia de apresentar uma medida que serve os interesses de toda a população portuguesa eis que rejeitamos a proposta do BE e apresentamos a nossa que é “mais bonita e até tem um lacinho”.

 

Durante muitos anos o “povão” tinha a crença de que os Comunistas comiam criancinhas ao pequeno-almoço. Um disparate alimentado pelas forças da Direita num Mundo outrora bipartido em duas ideologias em confronto constante. Hoje a realidade é outra dado que os Comunistas não comem criancinhas ao pequeno-almoço. Comem antes o seu próprio eleitorado por razões meramente mesquinhas e sem sentido.

 

Artigo publicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07

Imagem Crónica Repórter Sombra.jpg 

1 - Após o imbróglio legítimo que Cavaco Silva criou ao ter nomeado Pedro Passos Coelho como Primeiro-ministro leva agora a que o nosso País tenha de passar por um escusado e dispendioso processo burocrático (as tomadas de posse não são de graça) que culminará com a queda de um Governo que durará 10 dias. Tal conclusão é fácil de se retirar e não tem absolutament6e nada de filosófico dado que se trata da realidade nua e crua. Só não a vê quem, maldosamente, não o quiser tal como faz Passos Coelho, Paulo Portas e restante membros/apoiantes da PàF.

 

Para mais não sei porquê razão alguns elementos da PàF, do novo Governo e Comunicação Social apregoam a mentira descarada de que o 20.º Governo Constitucional vai ver o seu programa aprovado pela Assembleia da República. E uma mentira repetida muitas vezes não se torna verdade. E mais uma vez não estamos aqui a falar de filosofia pois a realidade é a de que já existe, há muito tempo, um acordo assinado entre Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Coligação Democrática Unitária para a rejeição do 20.º Governo Constitucional e formação do 21.º Governo Constitucional formado e liderado pelo Partido Socialista de António Costa. O facto de o dito acordo ainda não ter sido tronado público não é sinónimo, nem nunca será, de que este não exista.

 

Agora algo que a PàF tem dito e que é mesmo verdade é que um Governo de gestão será a ruína do nosso País. Mas este será um não problema se Cavaco Silva assim o entender. Isto a não ser que este queira ser teimoso e manter o seu pensamento de que existem Portugueses de 1.º, 2.º e 3.º. Mas não creio que Aníbal vá filosofar. Acredito antes que este “vai meter a viola ao saco” (como já fez muitas vezes no passado) dar o dito por não dito e indigitar António Costa como Primeiro-ministro de Portugal.

 

2 - Mas já que temos um Governo aproveitemos a ocasião para dar uma vista de olhos aos novos Ministros.

 

Temos então que o Ministro da Modernização Administrativa admitiu Costa como Primeiro-Ministro se a Direita não tivesse maioria na AR, a nova Ministra da Igualdade é contra casamento homossexual e co-adopção, o novo Ministro dos Assuntos Parlamentares foi um dos responsáveis pelo “caso Portucale” no Governo de Santana Lopes e, por último, o novo Ministro da Administração Interna atestou a idoneidade de Ricardo Salgado.

 

Uma fantástica equipa esta que se junta aos restantes 12 Ministros que se mantêm á frente dos Mini9stériso que lideraram nos últimos 4 anos. Portugal está, sem sombra de qualquer dúvida, bem servido com esta fabulosa equipa. Não existe por aí sinal algum de desespero e de má vontade da parte de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas que dizem ter sempre os interesses do País á frente de tudo e de todos.

 

E tudo isto em menos de uma semana. Um recorde diz a Comunicação Social. E diz tal coisa escondendo (ou ignorando) o facto de Passos Coelho ter sido obrigado a recorrer aos amigos, compadres e compadrios para poder apresentar uma equipa governativa. O facto de a maioria dos Ministros ser do aparelho do Partido Social Democrata é somente um pormenor puramente filosófico.

 

3 - Outro ponto que tem sido vagamente noticiado e analisado prende-se com as recentes nomeações relâmpago na Administração Pública.

 

Mariana Mortàgua já colocou o dedo na ferida neste seu artigo publicado no Jornal de Notícias e que passou desapercebido a muita gente, mas vou aqui colocar alguns excertos da forma como o Jornal Expresso expos a temática no seu site:

 

As nomeações foram realizadas pelo Executivo de Passos Coelho, o mesmo que decidiu alterar o Estatuto do Pessoal Dirigente com o intuito de proibir nomeações para cargos de topo da Função Pública depois de convocadas eleições. Esta alteração, no entanto, nada diz em relação aos cargos intermédios, que não passam pelo escrutínio da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP).

 

O Ministério da Defesa Nacional é o que mais nomeações tem publicadas em “Diário de República”, preenchendo 36 vagas que incluem cargos criados na semana anterior às legislativas.

 

Previstas para cargos como diretor de serviço, chefe de divisão ou unidade, secretário-geral, entre outras, estas foram realizadas em regime de substituição ou comissão de serviço, normalmente por um período de três anos.

 

A não ser que tudo isto seja filosofia no seu estado mais puro temos aqui a verdadeira essência de uma equipa liderada por Passos Coelho e Paulo Portas. Equipa que diz colocar sempre, mas sempre, o interesse do País à frente de tudo.

 

É este o tipo de gente que Cavaco Silva acha que deve governar Portugal por mais 4 anos. Isto porque Cavaco Silva não filosofa. Age antes segundo a realidade.

 

4 - Para encerrar (espero eu) o capítulo das mentiras descaradas da Direita, eis que venho aqui tentar desmistificar o “papão” da Europa. É que quem ouve Nuno Melo (Eurodeputado do CDS-PP) e Paulo Rangel (Eurodeputado do PSD) antes de este começarem aos berros com toda a gente fica com a ideia de que o futuro Governo de Esquerda liderado pelo Partido Socialista vai travar uma batalha imensa com a Europa e rasgar todos os Tratados. Maior mentira do que está é impossível e é muito por isto que os Eurodeputados que aqui citei começam aos berros na televisão.

 

Primeiro que tudo há que dizer que o tal Governo de Esquerda vai ser elaborado e liderado pelo Partido Socialista, Partido este que é pró Europa e que se integra na família Socialista que tem assento parlamentar no Parlamento Europeu.

 

Segundo em momento algum o PS assinaria um acordo com o BE e a CDU se este impusesse um corte cego a tudo o que é Europeu. Se fosse para tal nunca António Costa conseguiria ter o consenso total de todo o aparelho Socialista no que ao acordo de Esquerda diz respeito. Agora tal não invalida que os Socialistas possam ter as suas reservas sobre O Tratado Orçamental. E quando falo aqui em Socialistas não me refiro somente ao PS dado que no Parlamento Europeu a ala Socialista já manifestou, e por mais do que uma vez, a extrema necessidade de se rever o dito Tratado só que como a Direita está em maioria estes apelos acabam por ser convenientemente “abafados.

 

E realmente faz todo o sentido uma revisão profunda do Tratado Orçamental. Isto porque o dito Tratado foi criado num contexto que não previu a possibilidade de os Países signatários poderem ser afectados por crises gravíssimas como a de 2011 (crise das Dívidas Soberanas). Neste momento entre os signatários do Tratado Orçamental temos Países que não tem meios que possibilitem combater a crise que a Europa está a enfrentar há 4 longos anos e ao mesmo tempo cumprir com o défice estabelecido pelo Tratado.

 

Países como Portugal. Grécia, Espanha e até mesmo França e Itália tem cumprido com o dito Tratado recorrendo invariavelmente a receitas extraordinárias que resultam, quase todas, das privatizações e de impostos extraordinários. Isto porque a sua economia, por questão de estratégia europeia, está muito dependente dos Mercados de Dívida Pública. E quando se acabarem as fontes de receita extraordinária como irão estes Países cumprir com a meta orçamental que o Tratado estabelece? Desmantelando por completo o seu Estado Social? Desmantelando o próprio Estado até este deixar de existir por completo?

 

E já agora, esta denúncia sobre a forma como os mercados funcionam faz com que eu dê graças por Portugal ser ainda uma Democracia e não a Mercadocracia que Cavaco Silva diz ser.

 

5 - Uma última nota sobre a recente eleição de Ewa Kopacz como Primeira-ministra da Polónia. O Partido da Sra. Kopacz é assumidamente anti europa, anti Rússia e está totalmente contra a política de acolhimento dos refugiados. Basicamente tudo indicia que Ewa Kopacz irá ter uma actuação muito parecida com a do Primeiro-ministro Húngaro Viktor Orbán.

 

Agora pergunto: Recentemente Joseph Daul, Presidente do Partido Popular Europeu (PPE) criticou fortemente o que se está a passar no nosso País alertando para o perigo de os extremistas de Esquerda poderem chegar ao Poder. Ora qual vai ser a posição deste mesmo Sr. relativamente ao que se está a passar na Polónia? Vai assobiar para o lado como fez e faz com Viktor Orbán porque o Partido da Sra. Kopacz faz parte do PPE? Não a vai apelidar de extremista embora o programa do Governo aponte para o extremismo?

 

Artigo publicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30


Normalidade na anormalidade

por Pedro Silva, em 26.10.15

Imagem Crónica Repórter Sombra.jpg 

1 - Tal como tinha aqui dito, por mais do que uma vez, a Esquerda Portuguesa entendeu-se na perfeição e temos agora um Partido Socialista (PS) pronto para governar com o apoio parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) e Coligação Democrática Unitária CDU - entenda-se aqui PCP e Verdes - restando somente saber os termos do acordo que será assinado muito em breve por PS, BE e CDU.

 

É, portanto, facto consumado que a Esquerda Portuguesa apresentou a Cavaco Silva, Presidente da República Portuguesa (PR) uma solução de Governo que oferece mais garantias de estabilidade a médio e longo prazo do que a solução de Governo que a Coligação de Direita Portugal à Frente (PàF) - entenda-se aqui PSD e CDS -, dito de outra forma temos que uma Coligação de Esquerda (PS/BE/CDU) apresentou ao Sr. Presidente da República planos de um Governo para os 4 anos de uma Legislatura e a Coligação de Direita apresentou à mesma entidades uma solução de Governo para durar 1 ano, 1 ano e meio no máximo.

 

2 - Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República Portuguesa, tinha perfeita consciência do que acabei de descrever no ponto anterior pois ouviu todos os Partidos com assento parlamentar antes de nomear Pedro Passos Coelho, Líder da PàF, Primeiro-ministro de Portugal (PM). E neste ponto estamos todos de acordo em como não ocorreu nenhuma anormalidade pois é perfeitamente legítimo ao PR indigitar para PM o Líder do Partido mais votado nas últimas eleições. Para mais tal possibilidade está prevista na Constituição da República Portuguesa (CRP).

 

Agora o que o PR não pode é dar a entender aos Portugueses que só irá aceitar nomear o Primeiro-ministro que seja do seu agrado. Por muito que Cavaco Silva não goste este não tem o direito e legitimidade legal para apelar à revolta dentro do PS e muitos menos este tem poderes para proibir o BE e a CDU de participarem num Governo de Esquerda. Cavaco tem a obrigação de defender, respeitar e aplicar todos os preceitos constitucionais da nossa CRP.

 

Ora isto para reiterar mais uma vez aquilo que já tenho aqui dito: a solução mais lógica para a actual crise política reside na criação de um Governo de Esquerda liderado pelo PS apoiado pelo BE e CDU. Não há grande volta a dar até porque o “raspanete” que Cavaco Silva deu aos Partidos de Esquerda (PS, BE e CDU) no seu último discurso vai ter o efeito contrário do pretendido por este. Ou seja; se no PS existiam vozes contra uma Coligação com o BE e CDU estas vão deixar de existir e o mesmo irá suceder no BE e CDU que tudo irão fazer para que o já aqui falado acordo seja firmado o mais rapidamente possível.

 

Para os mais distraídos fica aqui uma pequena ressalva; a PàF será Governo por 10 dias porque este é o prazo legal que esta tem para apresentar o seu Governo e Programa à Assembleia da República (AR) após o seu Líder ter sido indigitado como Primeiro-ministro pelo Presidente da República. E é certo e sabido que a Coligação de Esquerda vai apresentar várias moções de rejeição do Governo PàF, moções que serão aprovadas dado que a Coligação de Esquerda tem a maioria absoluta na AR (a título de exemplo veja-se “tareia” que a Coligação de Direita levou na eleição de Ferros Rodrigues como Presidente da Assembleia da República).

 

E já que falamos aqui da eleição de Ferro Rodrigues gostaria somente de dizer que não sou grande apoiante de Ferro, nunca vi neste um político com grandes capacidades mas sim mais um produto do aparelho do Partido, contudo acho que é extremamente difícil alguém fazer pior do que o que fez Assunção Esteves. E digo isto sem rodeios pois Assunção esteves nunca esteve à altura do cargo que desempenhou ao longo dos últimos 4 anos e inclusive foram demasiadas as polémicas que esta protagonizou na AR.

 

3 - Chegados aqui há que perceber porquê razão isto está como está.

 

O argumento que tem sido veiculado e repetido até à exaustão pela Direita e Comunicação Social a ela afecta é de que a Esquerda é irresponsável e que não estão a ser respeitadas as expectativas dos eleitores que participaram no último acto eleitoral. Duas enormes falácias que não se tornarão verdade mesmo que repetidas muitas vezes.

 

Isto porque irresponsável foi a Direita que nos últimos 4 anos de governação desrespeitou, insultou e tentou (e tenta) instrumentalizar a Oposição. Não houve um único Diploma Legislativo da Oposição que não tivesse sido chumbado por toda a Direita que estava em maioria absoluta na última legislatura. Não houve nunca diálogo com as forças da Oposição e quando havia algo de parecido com isto era para a Direita se apoiar no PS em questões sensíveis onde esta não queria ficar “mal na fotografia”. E já diz o Povo que “quem semeia ventos, colhe tempestades”…

 

E já que falamos de irresponsáveis, irresponsável tem sido também o Partido Popular Europeu (PPE), Partido que congrega todos os Partidos Europeus de Direita porque Portugal está longe de se parecer em momento algum com a Grécia. Isto porque Portugal não está sob um terceiro resgaste imposto pelo PPE e patrocinado pela Nova Democracia, Partido da Direita Grega que enquanto esteve no Poder em Atenas agravou, e de que maneira, a débil situação económico-financeira da Grécia. O medo da mudança e de que lhe retirem o cadeirão não dá o direito aos elementos do PPE de dizer disparates e barbaridades sem nexo e sentido algum. E já agora no que à questão do “extremismo” diz respeito eu gostava que o Sr. Presidente do PPE me expliquem como é que tolera a presença do “Ditador” Viktor Orbán (palavras de Jean-Claude Juncker) no seu Partido.

 

Já relativamente à questão das expectativas do eleitorado há que dizer que a Direita Portuguesa pensa que somos todos burros. Em parte até que tem a sua razão porque, como já aqui o disse, em Portugal há muita falta de cultura democrática dado que muita gente vota não nos programas dos Partidos mas sim no seu Clube e depois vêm para a Redes Sociais dizer os mesmos disparates que a Direita tem dito nos últimos tempos.

 

Podem dar as piruetas que quiserem dar mas durante a Campanha Eleitoral António Costa (Líder do PS), Catarina Martins (Líder do BE) e Jerónimo de Sousa (Líder da CDU) sempre disseram, e por mais do que uma vez, que não apoiariam de forma alguma um Governo PàF e que tudo fariam para que este não conseguisse formar Governo. Inclusive Catarina Martins disse publicamente, e também por mais do que uma vez, que o BE estava disponível para criar uma Coligação com o PS. Ora mesmo sabendo de tudo isto o Povo Português foi às urnas e não deu maioria absoluta à PàF.

 

Agora expliquem-me como é que perante tal cenário houve, até à data, algum desrespeito das expectativas do eleitorado por parte de PS, BE e CDU.

 

4 - Por último gostaria de deixar aqui uma breve nota sobre o que se está passar em Angola com o activista  Luaty Beirão.

 

Não vou, nem quero, comentar processos judiciais em curso porque neste tipo de situações só sabemos uma parte da história e não a versão completa da mesma, contudo sei muito bem como funciona a oligarquia Angolana e a forma como esta trata quem está contra ela pelo que entendo, embora não apoie, quem se encontra do lado da luta de Luaty.

 

Agora não posso deixar de fazer notar que todo a pressão que anónimos, Amnistia Internacional e BE têm estado a fazer sobre Portugal para que se faça algo a nível diplomático é um esforço inglório. Isto porque é bom recordar que Rui Machete, Ministro dos Negócios Estrangeiros, já cometeu a proeza de dirigir um pedido de desculpas público a Angola na altura em que altos dirigentes Angolanos estavam a ser investigados por suposta lavagem de dinheiro. E acho que nem vale a pena relembrar a figura ridícula que Portugal fez aquando da entrada da Guine Equatorial na CPLP, entrada esta patrocinada e imposta por Angola e Brasil.

 

Artigo publicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


Cultura Democrática (da falta dela)

por Pedro Silva, em 19.10.15

Crónica Repórter Sombra.jpg 

1 - A semana passada foi marcada por uma batalha política intensa. Nesta dura batalha chegou-se ao ponto do sempre lamentável “vale tudo” para defender a posição de cada um.

 

Volto a reiterar aquilo que já disse na Crónica anterior: perante o actual quadro em que se encontram distribuídos o n.º de Deputados na Assembleia da República mais facilmente PS, BE, CDU e PAN chegam a entendimento para a criação de um Governo de Esquerda. Ora este facto veio a verificar-se dado que a Coligação PSD/CDS (PàF) não conseguiu, até á data, celebrar qualquer acordo que lhe permita governar com uma das forças políticas aqui evidenciadas. Sendo assim, segundo a nossa Constituição da República, só existem três possibilidades:

 

- A Coligação PàF é convidada a formar Governo mas a Assembleia da República rejeita esta possibilidade deixando desta forma de existir condições para se governar e Cavaco Silva terá de convidar o PS, segundo Partido mais votado, a formar Governo;

 

- Pedro Passos Coelho, líder do PSD que fora indigitado pelo Presidente da República para tentar formar Governo, faz saber a Cavaco Silva que não conseguiu celebrar um acordo que permita à sua Coligação governar e Cavaco senão convida António Costa a formar Governo;

 

- Nenhum dos Partidos com assento parlamentar se entende, a Assembleia da Republica rejeita todo e qualquer tipo de Governo a que o Presidente da República tenha dado posse, Portugal terá um Governo de gestão até meados de Abril, altura em que o novo Presidente da República poderá, se não conseguir resolver a questão até lá, convocar novas eleições dado terem passado 6 meses após o último acto eleitoral.

 

Na minha opinião o melhor cenário é o segundo dos três que aqui elenquei. E não estou com isto a dizer que tenha obrigatoriamente de ser este o cenário ideal. Aceito plenamente que no quadro actual possam existir opiniões e soluções distintas para o problema.

 

Isto ao contrário de uma grossa fatia da nossa Comunicação Social que tem feito o possível e o impossível (recorrendo, sem vergonha alguma, ao terrorismo comunicacional, baixeza de discurso, parcialidade óbvia e intoxicação comunicacional) para que o primeiro e o segundo cenário venham a ser uma realidade.

 

2- Tem corrido por aí um argumento que se baseia essencialmente no passado. Mais concretamente nos tempos pós 25 de Abril em que o Partido Comunista Português era mais um dos variados partidos satélites da União Soviética que tentou após o 25 de Abril instaurar um Regime Soviético em Portugal. Nesta altura o Partido Socialista era, juntamente com outras forças políticas, um dos maiores inimigos do PCP de Álvaro Cunhal que combateu esta iniciativa dos Comunistas. À colação surgiu também o sucedido em Abril de 1987, quando PS, PRD e PCP se juntaram para derrubar o executivo minoritário de Cavaco Silva (derrube que conduziu a eleições antecipadas, seguidas de oito anos de maioria absoluta do PSD).

 

Contudo há que dizer aqui uma coisa que os autores de tais argumentos não colocam em cima da mesa quando recorrem aos ditos.

 

É que tais situações aconteceram num determinado momento e contexto histórico que não existe nos dias de hoje. Podemos e devemos olhar para a nossa história para aprender com algo com ela. Agora não devemos é fazer copy paste do passado e usar tal como fórmula infalível para se determinar o futuro. É perigoso, demasiado perigoso, seguir esta demagogia porque o passado não é igual ao presente e o futuro é construído a partir do presente e o pressente de hoje é muito diferente do presente pós 25 de Abril e do presente de 1987.

 

Dito de outra forma, não me parece que seja uma atitude racional, saudável e crível ir buscar factos do passado para amedrontar toda a gente fazendo-nos crer que o futuro vai ser tão negro como foi em certos momentos do passado. É mau que se siga este caminho porque tudo evolui e se modifica e à Política não foge a esta regra pois os Partidos e demais agentes políticos não são seres imutáveis completamente imunes ao tempo e indiferentes ao que se passa na sociedade onde estão inseridos.

 

Isto para deixar bem claro que o facto de em certos momentos da história do nosso Portugal Democrático Socialistas e Comunistas terem medido forças e de terem estado de costas voltadas não os impede de hoje em dia se entenderem e trabalharem em prol de um bem comum. Aliás, lembro-me bem de ver Paulo Portas e o seu CDS-PP a gritar palavras de ordem contra a Europa e hoje em dia é aquilo tanto um como o outro são aquilo que todos sabemos e vemos. Ou seja; a história não tem irremediavelmente de se repetir.

 

3 - É extremamente importante que os Portugueses percebam de uma vez por todas que o que está neste momento “a ser cozinhado no caldeirão político” é totalmente novo e como tal é de todo impossível adivinhar qual vai ser o seu desfecho não obstante cada um de nós ter cabal direito ao seu palpite.

 

O meu palpite diz-me que António Costa e o Partido Socialista correm um enorme risco político ao querer aliar-se com os Partidos de Catarina Martins e Jerónimo de Sousa (acabando desta forma com o famoso PREC) porque esta aproximação Socialista mais à Esquerda pode derrubar o Governo de Passos/Portas e dar uma “nova aragem” a uma Europa onde a Direita é Soberana, mas este Governo de Esquerda vai ter de “caminhar sobre brasas” pois bastará perder o apoio de um dos seus aliados e cairá, criando desta forma uma nova crise política que poderá ser aproveitada pelo PSD e CDS para regressarem ao Poder mais reforçados do que nunca.

 

Mas haverá alguma garantia credível de que este meu palpite esteja certo? Não há! E tenho a certeza absoluta de que ninguém no Mundo tem uma resposta segura para esta questão que surgiu pela primeira vez no nosso Mundo Político.

 

4 - Se vamos jogar o “jogo da Culpa” então vamos faze-lo dentro das regras do mesmo e não através da batotice ou da prostituição intelectual.

Primeiro, há que ser honesto e dizer sem medo que todas as Forças Políticas com assento parlamentar, e não só, tem o cabal direito de se coligar e/ou de celebrar entre si acordos sectoriais de entendimento. Tal não é, não pode, nem nunca será do uso exclusivo da Direita Portuguesa. Haja vergonha na cara de quem não aceita este facto.

 

Segundo, formar uma coligação e/ou celebrar acordos sectoriais com vista a governar e7ou ganhar eleições implica sempre uma negociação prévia e nesta negociação terão de ser feitas cedências de parte a parte e muitas destas cedências relacionam-se com linhas programáticas e ideológicas dos Partidos. Tal sucedeu em 2011 e 2015 quando PSD e CDS decidiram coligar-se para governar. Não percebo porquê carga de água a Esquerda em Portugal não pode agora fazer o mesmo que fez a Direita em 2011 e agora em 2015.

 

E isto que aqui descrevi, meus amigos e amigas, é política. Aquela “coisa” que muitas vezes obriga a que se tenha de se dar o dito por não dito em prol de um bem comum. Algo que está muito em uso na Europa do Norte Europa esta que tanta gente admira e idolatra. Por isto guardem lá o “moralismo á moda da claque de futebol”.

 

Terceiro, não existe nem nunca existirá um tempo ideal para se formar uma coligação ou para que os Partidos celebrem entre si acordos sectoriais. A título de exemplo diga-se que em 2011 PSD e CDS acordaram entre si a criação de uma Coligação após as eleições. Que eu saiba o tempo de se coligar e de se entenderem entre si antes ou após o acto eleitoral, repito, não é um exclusivo da Direita Portuguesa.

 

Ora tudo isto para dizer que, quer se goste ou não, António Costa e o Partido Socialista têm estado a fazer algo que Passos Coelho e Paulo Portas já fizeram num passado não muito distante. E digo, sem receio algum, que caso o cenário político colocasse Passos Coelho e7ou Paulo Portas no lugar de António Costa que este faria exactamente a mesma coisa só que não teria mais de metade da Comunicação Social a critica-lo e a minar-lhe o caminho.

 

Temos então que tudo o que está a suceder é o normal numa Sociedade Democrática.

 

Podemos é afirmar que isto poderia ter seguido outro rumo, mas para tal seria preciso que em Belém morasse um Presidente da República e não um militante do PSD. Se há alguém que deu uma segunda oportunidade a António Costa foi o Sr. Professor Aníbal Cavaco Silva, digníssimo Presidente da República Portuguesa que está ainda em funções. Este sim, é o principal e único culpado de tudo o que está a acontecer. E não percebo como é que tanto Jornalista e Comentador/Analista Político ainda não teve a sagacidade e honestidade de expor este facto preferindo antes “cascar” no Costa e criticar a nossa Lei fundamental (entenda-se Constituição da República Portuguesa).

 

5 - Tudo isto para se chegar a uma triste conclusão: mau demais para ser verdade e desta vez não podem acusar somente os Políticos de serem os culpados de tudo isto. Pelo contrário! Se a Sociedade Portuguesa procurasse informar-se em vez de olhar para o actual problema da formação do novo Governo Constitucional como se de um dérbi de futebol se trate muito do que temos assistido até à data não teria nunca acontecido.

 

Artigo de opinião poublicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:19


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D