Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hipocrisia ocidental

por Pedro Silva, em 26.02.18

imagem repórter sombra.jpg 

O assunto Síria está de novo nas bocas do Mundo. E mais uma vez pelos piores motivos. A guerra síria, altamente patrocinada por um ocidente que perdeu, por completo, o controlo da situação está a chegar aquilo que se pode chamar de fase final pois os chamados “rebeldes” estão a perder terreno e poder num conflito que já dura há anos. E é muito pelo facto de os ditos “rebeldes” estarem a perder força e terreno que o ocidente nos “inunda” a nós, cidadãos, com notícias e imagens aterradoras do conflito.

 

Atentem que escrevi “rebeldes” e não rebeldes. Isto porque a dita oposição a Bashar al-Assad não se distingue, de forma alguma, das forças terroristas que actuam na região com o apoio directo e indirecto da Arábia Saudita (e não só). A comprovar tal está o facto de estes mesmos “rebeldes” utilizarem os centros urbanos como escudos. Para vermos algo tão macabro temos de recuar ao século XX e recordar a forma tenebrosa como os nazis saíram das cidades que ocuparam durante a 2.ª Guerra Mundial.

 

Ora face a tudo o que tem vindo a público sobre o conflito caberia à Comunidade Internacional tomar medidas para colocar um ponto final no dito. Uma medida que me parece razoável, e que -muito provavelmente - acabará com a questão síria passa, tão simplesmente, por condenar e sancionar fortemente quem venda armas aos ditos “rebeldes”. Tal condenação deve ser aplicada a todos sem execpção. Seja este um aliado ou não do ocidente. Mas não é este o caminho seguido pelo mundo ocidental. Este prefere antes dar uma de hipócrita e “ordena” a António Guterres, actual Secretário-geral das Nações Unidas, que faça um forte apelo à Paz condenado quem tem interesse em terminar com o conflito e combater o terrorismo.

 

Efectivamente assim nunca mais lá vamos. E de nada serve colocar-se toda uma Comunicação Social ocidental a fazer eco da guerra síria sempre que os terroristas… Perdão “rebeldes” perdem força e território.

 

E como um mal nunca vem só, eis que a Turquia resolveu tomar parte no conflito tendo, inclusive, feito avançar as suas divisões militares sobre território sírio para (pasme-se) combater o avanço das forças curdas. A coisa até que poderia ter um impacto minimalista dado que ordem territorial naquela zona do planeta é algo de complicado, mas o problema é que os turcos são membros da NATO. Organização da qual fazem parte os Estados Unidos da América e um vasto conjunto de países europeus que apoiam, armaram e armam os curdos sob o pretexto de que estes se serviriam do material bélico para se defenderem dos ataques dos terroristas (como se os curdos fossem devolver as armas após a sua vitória).

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Momento Mafalda (151)

por Pedro Silva, em 08.08.17

151.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00


Momento Mafalda (124)

por Pedro Silva, em 31.01.17

124.jpg 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37


A ONU é isto

por Pedro Silva, em 09.01.17

PS_aonueisto_destaque.jpg 

Quando António Guterres venceu a eleição para Secretário-geral das Nações Unidas (ONU) achei por bem não fazer eco de tal façanha. Isto apesar de a eleição de Guterres ter sido justa e um sinal claro de que na política internacional a chico espertice da direita europeia não consegue (felizmente) meter o nariz. E tudo isto porque - bem vistas as coisas - a ONU não é mais do que uma instituição altamente complexa, inquinada, desigual, descontextualizada e completamente obsoleta que ao longo dos tempos tem servido mais para alimentar egos, manter/criar interesses e conflitos locais do que em promover a paz no Mundo.

 

A última grande demonstração em como António Guterres vai conduzir os destinos de uma instituição completamente obsoleta e parada no tempo é a resolução da ONU sobre os colonatos de Israel.

 

Eu não discordo da necessidade de se recriminar Israel pelos actos criminosos que este Estado vem cometendo ao longo dos anos na Palestina (muitos deles com a passividade da ONU), mas a forma como a dita Resolução foi aprovada é – mais um - sinal de que a ONU, tal como está, não serve os interesses da paz no Mundo. E não vejo um qualquer milagre made in Guterres que consiga dar a volta a isto.

 

Não se tenha a mais pequena dúvida de que esta última reprimenda internacional a Israel não é mais do que uma simples jogada política que tem como objectivo dificultar o trabalho de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos da América. Ou melhor, já não basta à América ter como próximo Presidente um maníaco e temos agora a administração Obama em final de funções a fazer o impossível para que a loucura xenofónica de Trump seja ainda maior.

 

Fica mal a Obama utilizar a ONU para a sua guerrilha privada. Assim como fica muito mal aos Estados Unidos da América utilizar a ONU e uma zona tão problemática como o Médio Oriente para um vergonhoso trocadilho político. Já chega e basta a Síria e a tremenda barafunda que a administração Obama patrocinou e armou em todo o mundo árabe.

 

Já se a ideia de Obama foi a de se prejudicar a já de si muito parca imagem da ONU então o sucesso foi total. Hoje em dia a ONU é isto. Um local onde - ainda - se contam espingardas, se cerram fileiras, se montam e desmontam esquemas quando o que realmente deveria ser feito era o impossível para se promover a paz e o diálogo entre os Povos.

 

Uma nota final para aqui dizer o que me vai na Alma sobre a morte de Mário Soares.

 

Obviamente que Mário Soares merece o respeito de todo e qualquer português republicano e defensor da Democracia (tal não se aplica aos famosos “retornados” que queriam que a guerra colonial perdurasse ab eternum. Assim como suspiram pelo regime bolorento de Salazar), mas há que ser justo na vida e na morte.

 

Mário Soares foi o pai da nossa Democracia. Soares foi um lutador que permitiu que Portugal seja hoje um país respeitado e reconhecido internacionalmente. Foi Soares quem permitiu que hoje tenhamos uma Democracia pluralista ao contrário daquilo que Álvaro Cunhal pretendia.

 

Mas na década a seguir a Abril Mário Soares deixou de ser um revolucionário pluralista para passar a ser – mais - um político contraditório. Soares perdeu imensas qualidades ao longo dos tempos, acabando por ter um final de carreira política embaraçoso.

 

Que Mário Soares descanse em paz, mas que acima de tudo seja feita a devida justiça para que Soares o Revolucionário não prevaleça a todo o custo sobre Soares o Político.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (09/01/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00


O “furacão”

por Pedro Silva, em 03.10.16

PS_ofuracao_destaque.jpg 

Kristalina Georgieva é hoje em dia o olho de um “furacão” de corrupção, compadrio, aldrabice e outras coisas tais que fazem da política a pior coisa que o Mundo já viu.

 

Este dito “Furacão” nos últimos anos tem estado a destruir – de forma lenta e progressiva – o projecto europeu. E pelos vistos não faz intenções de se ficar por aí dado que o tal “Furacão” - criado pelo Partido Popular Europeu (PPE), liderado por Angela Merkel e seus irredutíveis apoiantes – se prepara agora para fragilizar (ainda mais) uma instituição internacional que cada vez tem menos credibilidade junto de Estados e Cidadãos. Falo, com toda a certeza, da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Passo a explicar.

 

Desde a sua formação que a ONU tem sido vista mais como uma instituição de boas intenções do que uma instituição de acção. Isto porque não obstante todos os Países do Mundo terem assento na sua Assembleia-Geral, quem realmente comanda os destinos da dita instituição é o Conselho de Segurança. Este Conselho é composto por 15 membros, sendo que 5 dos seus membros são permanentes e tem poder de veto. São eles; Estados Unidos, França, Reino Unido, a Rússia e a República Popular da China. Os demais dez membros são eleitos pela Assembleia Geral para mandatos de dois anos. Acrescente-se que uma resolução do Conselho de Segurança só é aprovada se tiver a maioria de 9 dos quinze membros, inclusive os cinco membros permanentes. Um voto negativo de um membro permanente configura um veto à resolução. O Conselho de Segurança e esta sua forma de funcionar foram de uma importância vital durante o período da Guerra Fria. Período onde foi fundamental manter um certo equilíbrio de forças entre as duas super potências da altura (USA e URSS).

 

Com o final da Guerra Fria não faz sentido algum manter-se o panorama funcional que perdura na ONU onde a transparência é algo de raro (muito raro mesmo). A organização é hoje vista como uma tremenda anedota onde os mais poderosos ditam a sua Lei. A injustificada invasão do Iraque à revelia do Direito Internacional foi a cereja no topo do bolo do ridículo em que caiu a ONU.

 

O actual processo de eleição do novo Secretário-Geral das Nações Unidas está, na minha opinião, a ser mediatizado porque os membros da aqui referida organização perceberam que há que mudar algo para que a ONU não se torne numa réplica da falhada Sociedade das Nações. E a verdade seja dita que – embora não sendo perfeito – o processo eleitoral do novo Secretário-Geral da ONU até que estava a decorrer dentro daquilo que se denomina de “normalidade democrática”.

 

Estava. Pelos vistos a Direita Europeia, não satisfeita com a destruição que tem feito num projecto europeu que demorou décadas a evoluir, eis que esta se serve do pior que existe no Mundo da Política para se chegar à frente com uma sua “Candidata”. E este “chegar-se à frente” não teria mal nenhum se tivesse sido feito em igualdade de armas e circunstâncias. Dito de outra forma; Kristalina Georgieva deve passar pelo mesmo escrutínio a que todas as outras candidaturas foram submetidas até ao momento.

 

Fica mal – muito mal - ao PPE e a Angela Merkel (mais uma vez) darem uma de “eu quero, posso e mando”. Mas a verdade seja dita que não seria de esperar outro tipo de postura da parte de gente que esta semana vai fazer o impossível para que a sua política seja sancionada por uma Europa dominada por eles próprios.

 

Um aparte; há por aí uma certa ala dita “feminista” que defende a eleição de Kristalina Georgieva porque entende que é chegada a hora de uma mulher ocupar o cargo de Secretário-Geral da ONU. Confesso que nada tenho contra a ideia de uma mulher poder ocupar o dito cargo. Agora a mulher que venha a ocupar o dito cargo deve demonstrar que tem capacidade para o fazer e, até prova em contrário, Kristalina Georgieva mão demonstrou ter capacidade para outra coisa senão ser uma marioneta na mão de Angela Merkel e seus apoiantes.

 

Artigo publicado no Repórter Sombra (03/10/2016)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:44



Mais sobre mim

foto do autor


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Frase do Ano


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

CR7 (Bola de Ouro 2017)


Publicidade



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D