Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Festejemos Irmãos

por Pedro Silva, em 18.01.16

Imagem Crónica RS.JPG 

1 –  A 14 de Janeiro de 2011, uma multidão protestava pelas ruas de Túnis, capital da Tunísia, contra o Regime do Presidente Zine El Abidine Ben Ali, o que levou à queda do primeiro líder de um País Árabe por força da pressão popular. Esse movimento seria o epicentro de um terremoto geopolítico que mudou o Mundo Árabe, a chamada Primavera Árabe.

 

No passado dia 14 alguma da nossa Imprensa fez referência ao facto aproveitando para colocar imagens de regozijo pelo sucedido há 6 anos atrás. Mas será que existem mesmo motivos para olharmos para a Primavera Árabe com orgulho e satisfação? Ora vejamos.

 

A Tunísia é hoje em dia uma Democracia. Existem vários Partidos em Tunes, há liberdade de voto e liberdade de expressão. O País continua a ser moderado no que à Religião diz respeito (tal como era durante o Regime de Zine El Abidine) e as Mulheres são respeitas e tem um estilo de vida “à ocidental”. Mas nem tudo são rosas.

 

A corrupção continua em níveis bastante elevados. A Economia Tinosona depende única, exclusivamente, do Turismo o que reduz, e muito, o leque de opções de uma População que tem de lutar todos os dias para poder trabalhar. A taxa de analfabetismo é elevada e, tirando Tunes, o País tem infra estruturas débeis e a assistência social é uma miragem. Para além disto o asno de 2015 mostrou-nos que não é seguro passar férias nas belíssimas praias Tunisinas dado que nunca se sabe quando um maluco de metralhadora em riste se lembra de praticar tiro ao alvo com os Turistas Ocidentais.

 

Temos, então, que os Tunisinos não têm assim tantas razões para festejar a Primavera que criaram. E o resto do Mundo Árabe também não (já lá vamos). O facto de a Comunicação Social Europeia - e não só - não “andarem em cima” do que sucede na Tunísia (como fizeram em 2011) não altera, em nada, a realidade das coisas.

 

2 – À pacífica revolução de Tunes seguiu-se a queda de Muammar al-Gaddafi na Líbia. Gaddafi tinha chegado ao Poder em 1969, sem derramar sangue, através de um Golpe de Estado e acabou deposto pela força das armas após a clara ingerência da NATO num assunto interno Líbio.

 

Após a morte de Muammar al-Gaddafi a Líbia entrou num “pequeno” ciclo de conflitos internos disputados pelas várias trinos que tentaram reclamar para si o controle dos Poços de Petróleo. Contudo estes já tinham caído nas mãos da “Comunidade Internacional” que os receberá como moeda de troca devido à cooperação da NATO no derrube do Regime de Gaddafi.

 

A corrupção continua a ser uma enorme realidade na Líbia, o Povo é, na sua grande maioria, analfabeto e assistência social é também uma enorme miragem do vasto de4serrto que rodeia o Pais. O mais caricato é que a gasolina escasseia num País que é, somente, um dos maiores produtores de petróleo do Mundo inteiro.

 

Mas a Primavera Árabe não se ficou pela “libertada” Líbia…

 

3 – Após o sucedido na Líbia foi a vez da dita cuja passar pelo Egipto onde Hosni Mubarak se perpetuava no Poder como os antigos Faraós. Aqui o cenário foi muito parecido com o Líbio. A única grande diferença foi que a Comunidade Internacional resolveu manter-se à margem de tudo o que ia sucedendo.

 

A Revolução Egipcia “levou tudo à sua frente”. Mataram-se inocentes nas ruas do Cairo, fez-se o possível e impossível para afastar os Jornalistas Internacionais da Capital Egípcia (inclusive os Revoltosos até violaram uma jornalista Norte-americana). Hosni Mubarak acabou por ser deposto e preso. A Democracia entrou em cena e a Irmandade Muçulmana de Mohamed Morsi (um grupo de Radicais Islâmicos) alcança o Poder pela via do voto livre.

 

Eleito Presidente de todo o Egipto Morsi teve como principal preocupação a abolição de toda e qualquer liberdade religiosa no Egipto, apontou armas ao eterno inimigo Israelita e preparou a sua eternização no Poder. Foi neste clima de tensão crescente que mais tarde as Forças Armadas Egipcias entraram em campo para colocar fim ao Regime de Mortsi e instalar algo de muito parecido com o que existiu durante décadas com Hosni Mubarak.

 

Não obstante o Egipto ser hoje uma espécie de Ditadura Militar disfarçada a tolerância voltou a marcar presença nas ruas do Cairo, a liberdade religiosa é, novamente, uma realidade e o Turismo (principal fonte de receita do País) vai de “vento em popa”.

 

4 –  A caminhada da Primavera Árabe culminou na Síria e Iémen. De fora ficaram Estados como o Irão e Turquia onde se faz de conta que existe uma Democracia, mas este “ficar de fora” não estranha a ninguém.

 

O que sucedeu na Síria e Iémen é por demais conhecido. Duas guerras e nascimento do Daesh que reclamou para si parte do Iraque e Síria. No Iémen a Arábia Saudita é “forçada” a entrar no conflito para evitar o avanço territorial do Daesh.

 

Em suma a Primavera Árabe, uma “invenção” do Ocidente, trouxe ao Mundo Guerras, Estados Fascistas, Violações constantes dos Direitos Humanos, Crise de Refugiados, Conflitos Religiosos, terrorismo e por aí adiante.

 

Temos, efectivamente, múltiplas razões para relembrar a dita Primavera com satisfação e um enorme sorriso. Festejemos irmãos. Festejemos por termos feito do Mundo um lugar pior do que quando em certos Países existiam Ditaduras que mantinham a serenidade e compreensão entre os Povos numa Região tão complexa como o Médio Oriente.

 

Artigo publicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03


Uma questão de hipocrisia (mais uma vez)

por Pedro Silva, em 17.08.15

Imagem Crónica Repórter Sombra.jpg 

Vou, com toda a certeza, ser acusado de ser chato mas é-me de todo impossível ficar impávido e sereno perante as tropelias que a nossa Europa, ou melhor, que a actual Europa vai cometendo sem que surja um qualquer Líder Europeu que coloque de vez este TGV nos carris antes do desastre

 

Ora bem, e tudo isto porque acho ridícula a forma como a Europa está a tratar a questão dos refugiados que diariamente são tratados como “escumalha” em Calais e Lampedusa. A “praga” de Cameron tem, a meu ver, uma solução mais humana que a que está a ser seguida pelas autoridades europeias. O problema é que, tal como na situação Grega, não se quer seguir por esta via porque isto como está dá um certo jeito. Ora vejamos.

 

Excerto de texto publicado no Repórter Sombra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:47


Nunca falo por falar

por Pedro Silva, em 08.08.14

In: Público

 

Posso não ter a melhor forma de expor o que penso, mas poucas são as vezes em que falo por falar.

 

O caso da Líbia que vemos no recorte em cima é somente um dos temas onde eu sempre disse que o Ocidente nunca deveria “ter mexido uma palha” contra o regime de  Khadaffi porque o Homem podia controlar aquilo com punho de ferro, mas era possível viver-se na Líbia ao contrário daquilo que vemos hoje em dia.

 

O Mundo Ocidental tem de perceber de uma vez por todas que o seu modo de Vida e de Governação não serve para todos os Povos. Principalmente para aqueles onde a Europa teve Colónias.

 

Para além disto as Intervenções militares do Ocidente devem ter como pano de fundo boas intenções humanitárias e nunca o saque dos poços de petróleo.

 

Para concluir, acho uma piada mórbida ao facto de os nossos Jornais e Televisões quase não darem destaque aos disparates que o Ocidente faz. Não fosse a euronews e um ou outro Jornalista lúcido e viveríamos todos numa feliz e conveniente ignorância…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11


Isto vai acabar mal

por Pedro Silva, em 04.09.13

Volto novamente a tocar na questão Síria para ressalvar a pressa que os Estados Unidos e França estão a demonstrar no que a uma intervenção militar diz respeito.

 

Isto de entrar pelos Países adentro sem mandato internacional (baseando-se somente num conjunto de ilações que foram retirados pelos Serviços Secretos do País A ou B) já demonstrou que não leva a lado nenhum e tem sempre consequências catastróficas para a Política Interna do País(es) invasor(es).

 

Obama cavou o seu próprio buraco quando afirmou que os Norte-americanos interviriam no conflito Sírio caso fossem usadas armas químicas. Coincidência ou não estas foram usadas. Resta agora saber quem foi o autor de tão diabólica proeza.

 

O Mundo está de olhos postos na missão das Nações Unidas que estão no terreno a estudar o sucedido até porque é preciso ter-se em linha de conta que o regime de Bashar al assad não é bom mas os Rebeldes também não são melhores.

 

O Presidente dos Estados Unidos da América bem que tenta justificar a sua péssima posição dizendo que "A Síria não é o Iraque nem o Afeganistão". Mas a Síria também não é a Líbia e não está isolada como esta última.

 

A cautela e o bom senso recomendam-se porque o Médio Oriente é como um individuo stressado que toma 10 cafés ao dia.

 

Damasco situa-se numa zona estratégica do Globo e como tal não é de estranhar que Obama, Hollande e Cameron estejam aflitos por tomar, directa ou indirectamente, posse do território Sírio mas o risco de se gerar ali um conflito a larga escala é muito grande dado que Israel, Turquia, Irão, Rússia e China não ficarão impávidos e serenos a ver uma eventual chuva de mísseis ocidentais 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D