Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Omagem crónica RS.jpg 

in·de·pen·den·te 

  1. Que ou o que goza de independência.
  2. [Política]  Que ou quem não está filiado num partido político (ex.: deputados independentes; foram eleitos vários independentes).
  3. Que revela independência ou amor pela independência. = LIVRE ≠ DEPENDENTE
  4. Que tem autonomia. = AUTÓNOMO ≠ DEPENDENTE, SUBORDINADO
  5. Que não depende de um poder ou de uma autoridade exterior.
  6. Que exerce uma profissão por conta própria (ex.: trabalhador independente). ≠ DEPENDENT
  7. Que não tem um vínculo a uma grande editora ou produtora e tem geralmente características menos comerciais (ex.: editora independente; músico independente; realizador independente).

 

in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa 

 

Rui Moreira - actual Presidente da Câmara Municipal do Porto e candidato anunciado às próximas eleições autárquicas - tem-se escudado no termo “independente” na sua recente querela política. Não é uma estratégia nova dado que o autarca sempre que pretende firmar uma sua posição política perante a oposição e sociedade portuense recorre, inúmeras vezes, ao dito “independente”.

 

Mas será que podemos considerar Rui Moreira um independente no verdadeiro sentido do termo? Ou melhor; será que em política podemos ser verdadeiramente independentes? A meu ver não. Passo a explicar.

 

Em política é praticamente impossível ser-se independente no verdadeiro sentido do termo. Isto porque fazer política obriga a ter que angariar consensos para se obter o apoio de que se necessita para se candidatar e ser eleito para um determinado cargo.

 

Ora para se angariar estes consensos temos de negociar e tomar posições comuns em determinadas matérias que podem dizer mais ou menos respeito às organizações partidárias. Dito de uma outra forma; ninguém consegue estar no mundo da política de uma forma completamente isolada. Bem vistas as coisas, os chamados “independentes” da política tem sempre o apoio do partido político A, B ou C. Rui Moreira não foi - e pelos vistos não será – uma execpção à regra.

 

Não se percebe, portanto, que Rui Moreira utilize o termo “independente” como se de uma espada sagrada – estilo Excalibur - se trate para atacar os partidos políticos quando na verdade este é obrigado a fazer de conta (para o bem e para o mal) que é independente.

 

Nada me convence de que o actual autarca da sempre leal e mui nobre invicta cidade do Porto não tenha obtido da parte do CDS-PP e do PS os apoios de que necessita para se candidatar e governar a cidade sem que para tal tenha dado algumas garantias e contrapartidas a estes dois partidos políticos.

 

Repito, a política resume-se, tão simplesmente, à necessidade de se gerar consensos e tal impossibilita a que os políticos possam ser independentes ao ponto de não terem de prestar contas a ninguém. Rui Moreira não é, nem será nunca, a execpção à regra.

 

Artigo publicado a 24/10/2017 no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:21


Das alternativas e da falta delas

por Pedro Silva, em 09.06.14
Li o texto de JJ do Blog CLUBE PENSADORES JOAQUIM JORGE que esteve em destaque no Portal SAPO e fiquei na retina com esta frase que resolvi recortar e destacar:
Podia ter comentado a dita no Blog em questão, mas iria contra o que o tema em análise e para mais no geral estou de acordo com o que o JJ escreveu.

 

O que pretendo trazer a lume é a questão das alternativas.

 

È certo e sabido que já estamos todos fartos dos actuais Políticos e dos seus Partidos. A saturação prende-se principalmente com os Partidos do dito “arco de governação” (PS e PSD e eventuais Coligações de Direita). O Povo está cansado mas que alternativas têm este à sua disposição? Ora vejamos:

 

O Partido Comunista Português não foi feito para alguma vez formar Governo numa Democracia. Na sua génese impera o tem de ser e o tens de fazer e ponto. Para mais a ideologia Comunista sofreu de tal forma tantas alterações e abalos que já nada tem a ver com aquilo que Marx idealizou. O PCP (aka CDU, Coligação PCP e Partido Os Verdes) apenas sobrevive em Portugal devido ao seu nobre e grandioso contributo na luta contra a Ditadura Salazarista. Não é portanto, a meu ver, uma alternativa séria, sólida e credível.

 

Temos depois o Bloco de Esquerda. Nascido da fusão de vários Partidos “pequenos” de Esquerda. O Bloco emergiu na cena política nacional como um Partido revolucionário, contestatário e com uma visão renovada do Socialismo. Esteve em crescendo até ter sido tomado de assalto por uma facção que eu chamo de “Esquerda Caviar” misturada com Anarquistas e outros utópicos fanáticos que atiraram com o Partido para um buraco de onde dificilmente sairá.

 

Restam os pequenos Partidos e os Independentes.

 

Para um Partido pequeno como o MPT (Movimento Partido da Terra) por exemplo ter uma pequena hipótese de vencer uma eleição tem de recorrer a um aram a muito perigosa que é o populismo. A eleição de Marinho Pinto para o Parlamento Europeu através deste Partido é um bom exemplo disto mesmo. De outra forma o MPT nunca teria conseguido que os Portugueses soubessem que existe.

 

Tempor por último os Independentes. Contudo estes de independentes têm muito pouco por força das circunstâncias. Senão vejamos; para se participar numa campanha eleitoral é preciso, entre muitas outras coisas, muito dinheiro e este por norma este é doado ao independente na expectativa de poder obter uma vantagem no futuro. Mas a recolha de fundos por norma não é suficiente pois é sempre necessária uma enorme máquina de propaganda para se vencer uma qualquer eleição e como tal o candidato independente tem de se apoiar num Partido qualquer como foi o caso de Rui Moreira. E se os resultados da eleição não redundarem numa Maioria Absoluta, eis que o independente tem de se coligar para poder governar.

 

Ora isto tudo para dizer que não existem claras e sérias alternativas a PS e PSD.

 

E tal irá ser fatalmente assim até que um dia o Zé Povinho deixe de olhar para o Partido A,B ou C como se fosse o seu Clube de Futebol, mas isto é tema para outras conversas…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:25


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D