Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Maze Runner: A Cura Mortal

por Pedro Silva, em 25.05.18

5070907.jpg-c_215_290_x-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

"Maze Runner: The Death Cure"

AcçãoFicção CientíficaThriller - (2018)

Realizador: Wes Ball

Elenco: Dylan O'Brien, Thomas Brodie-Sangster, Ki Hong Lee

 

Sinopse:  Por trás de uma perspectiva cura para o Fulgor, Thomas (Dylan O' Brien) descobrirá um grande plano, executado por Cruel, que poderá trazer decorrências catastróficas para a humanidade. O protagonista, então, decide entregar-se para o Experimento final.

 

Critica: As trilogias têm, quase, sempre um pequeno pecado capital que as enfraquece_ a longa extensão da sua história. Isto salvo nos casos em que estas têm a capacidade de se renovar á medida que a história avança. Ora, este capítulo final de Maze Runner padece deste mesmo mal, o que faz com que o se desfecho, por muito bem trabalhado que esteja, seja previsível e, inclusive, algo aborrecido. Não estou com isto a dizer que a saga no seu todo seja má. Pelo contrário! Esta até que é apetecível embora eu arrisque dizer que a versão em livro seja melhor, mas esta bem que merecia um desfecho final um tudo ou nada diferente. Especialmente se tivermos em linha de conta o “clímax” que Maze Runner consegue alcançar no seu segundo capítulo.

 

O argumento de “Maze Runner: A Cura Mortal” é algo “fraquito” e muito previsível. Acção e emoção têm q-b-, mas a forma como a trama termina deixa muito a desejar. Tudo isto por causa da tal previsibilidade do enredo. Mas a culpa não é exclusiva desta terceira parte da saga. É antes da forma como a história se desenvolveu na sua segunda parte. E é uma pena que assim seja, pois trata-se de uma produção cinematográfica que tem de tudo um pouco para ser muito boa.

 

O elenco é, também ele, muito mediano. Fazem o seu trabalho, é um facto, mas estão longe de ter aquele brilho muito próprio das grandes produções de Hollywood. Em suma; não destoam e não é por culpa do elenco que esta terceira fase de “Maze Runner” é muito satisfatória (a roçar o bom).

 

Já os efeitos especiais, embora um tudo ou nada limitados, são a parte deste filme de Wes Ball que mais gostei. Especialmente os cenários que são pouco variados mas muito bem filmados e devidamente enquadrados á história que se quer contar.

 

Em jeito de conclusão; longe de estar tão bom como o primeiro episódio, “Maze Runner: A Cura Mortal” tem aminha recomendação. Quanto mais não seja pela satisfação de se ter visto a história até ao fim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22


Tron

por Pedro Silva, em 08.05.18

MV5BMzZhNjYyZDYtZmE4MC00M2RlLTlhOGItZDVkYTVlZTYxOW 

"Tron"

AcçãoAventuraFicção Científica - (1982)

Realizador: Steven Lisberger

Elenco: Jeff Bridges, Bruce Boxleitner, David Warner

 

Sinopse: Flynn invade o computador de seu ex-chefe para provar que foi trapaceado por outro executivo. Acaba entrando na máquina e tornando-se um gladiador computadorizado em um jogo mortal.

 

Critica: Ora quem disse que o que é antigo não é bom? “Tron” do Realizador Steven Lisberger é um bom exemplo disto mesmo. Efectivamente “velhos são os trapos”, um ditado popular que pode muito bem aplicar-se a este “Tron” que não obstante a sua idade é uma produção cinematográfica de excelência que consegue ficar bem á frente de muita da porcaria da era moderna do cinema.

 

O que mais gostei em “Tron” foi do seu argumento. Simples mas muito (mesmo muito!) interessante e cativante. É muito difícil haver um filme que consiga prender a minha atenção do princípio ao fim e quando tal sucede é porque o argumento dito é de excelência. O argumento de “Tron” é tudo menos complexo, facto que o torna deveras apetecível para o comum dos cinéfilos. Claro que aqui e acolá o argumento deste “Tron” poderá ser acusado de previsível, mas a quantidade bem doseada de emoção que Steven Lisberger colocou nesta sua produção torna-o num dos melhores filmes do género tendo em consideração as óbvias limitações tecnológicas da altura.

 

Já o elenco deixou-me um tudo ou nada desiludido. Quer dizer, a equipa escolhida pelo Realizador de “Tron” podia, na altura, até ser do melhor que havia no mercado mas mesmo tendo este importante pormenor em consideração tenho de ser honesto e dizer que não gostei do trabalho de nenhum dos actores e actrizes. Talvez tal seja assim pelo facto de eu estar estar um tudo ou nada mal habituado ao desempenho dos elencos dos nossos tempos, e se for este o caso ficam, desde já, as minhas desculpas a Jeff Bridges, Bruce Boxleitner e David Warner. E já agora, uma última nota para aqui dizer que um filme de qualidade não tem de ter um elenco muito grande. “Tron” é um bom exemplo disto mesmo.

 

E desta vez vou abster-me de opinar sobre os cenários, efeitos especiais e banda sonora. Qual o motivo de tal? Simples, “Tron” é uma produção cinematográfica de 1982 e estamos em 2018. É um tudo ou nada complicado tecer uma opinião séria e justa sobre tais aspectos quando já se passaram 38 anos desde a produção de “Tron”.

 

Em suma; “Tron” de Steven Lisberger tem a minha recomendação. Vale mesmo a pena recordar este filma da “velha guarda”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41


Cantinho Calvin & Hobbes (12)

por Pedro Silva, em 21.03.18

calvin&harodotira12.gif

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04


AVP2: Aliens vs. Predador 2

por Pedro Silva, em 25.06.17

sad.jpg 

AcçãoTerrorFicção Científica - (2007) "Aliens vs Predator: Requiem"

Realizador: Colin Strause, Greg Strause

Elenco: Reiko Aylesworth, Steven Pasquale, Shareeka Epps

 

Sinopse: Gunnison, uma pequena cidade localizada nas montanhas da área central do Colorado. Uma nave dos predatores aterrisa no local, mas os aliens que estavam escondidos nela conseguem matar a todos, com exceção de um. Para sobreviver ele precisará destruir todos os aliens remanescentes. Mas em meio a esta guerra há os humanos, residentes da pequena Gunnison, que assistem a esta batalha como vítimas e espectadores.

 

Critica: Há filmes que tem um argumento fantástico e que embora sendo uma sequela, tem tudo para serem excelentes pois não desvirtuam em nada a história que lhes deu origem. Contudo por uma razão meramente economicista (presumo), pecam num importante aspecto: filmagem. Por causa disto perdem todo e qualquer tipo de interesse sendo, inclusive, um suplicio vê-los até ao fim.

 

AVP2: Aliens vs. Predador 2 de Colin Strause e Greg Strause tem um bom argumento. Não está excelente porque a sua história é algo de previsível e não foge muito ao estilo apocalíptico norte-americano de baixa qualidade, mas o facto de os realizadores terem procurado dar seguimento ao filme que deu origem a este AVP2: Aliens vs. Predador 2 faz com que o argumento tenha de ser considerado como, repito, bom. Podia era estar algo melhorado dado que a partir de determinada altura já todos percebemos como vai acabar. A apresentação das personagens também deixa muito a desejar, dado que se fica desde logo a saber qual vais ser o seu destino. O habitual nos filmes apocalípticos norte-americanos de baixa qualidade.

 

O elenco é muito fraquinho. Segue o guião típico dos filmes apocalípticos norte-americanos de baixa qualidade. Neste AVP2: Aliens vs. Predador 2 temos uma série de caras bonitas a contracenar com alguns “mastodontes” alienígenas. Um tremendo retrocesso quando comparado com o primeiro desta saga que (felizmente) é curta.

 

E agora entramos na parte que fere de morte esta produção cinematográfica. Eu bem que gostaria de dizer alguma coisa sobre os cenários e efeitos especiais, mas é-me de todo impossível fazer tal coisa dado que a dupla de Realizadores se esqueceu - presumo - de pagar a conta da luz. O filme começa escuro, mais tarde clareia um pouco para depois entrar numa espécie de noite ab eternum onde vamos tendo a sorte de só conseguir ver (e mal) as caras dos protagonistas. Tudo o resto são sombras e banda sonora. Mai demais…

 

Em suma, AVP2: Aliens vs. Predador 2 tem a minha recomendação para os fãs da curta saga. Para quem não o for aconselho a que veja o primeiro e fique por aí dado que não vale a pena o esforço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24


Capsule

por Pedro Silva, em 01.01.17

capsule.jpg 

DramaHistóriaFicção Científica - (2015) "Capsule"

Realizador: Andrew Martin

Elenco: Edmund Kingsley, Lisa Greenwood, David Wayman, Nigel Barber

 

Sinopse: Guy é um piloto de caça britânico experiente, que está no comando da primeira missão tripulada da Grã-Bretanha para o espaço. Ele tem treinado para isso há três anos, no auge da Guerra Fria e agora ele está sozinho no espaço com uma cápsula com defeito. Ele tem contacto limitado com o Reino Unido, alguma comunicação incomum com os EUA e alguma comunicação pouco ortodoxa com a Rússia. Quem vai ajudá-lo? Será que ele vai fazer a escolha certa?

 

Critica: Ora quem disse que um filme para ser bom tem de ser dispendioso? Capsule do Realizador Andrew Martin é mais um bom exemplo de que filmes de baixo custo conseguem bons e, muitas vezes, bem melhores do que muitas das grandes produções de Hollywood. Para mais o facto de ser baseado em factos reais torna este Capsule muito (mesmo muito) interessante.

 

Tenho para mim que o argumento é a pedra chave deste filme. Bem pensado e muito bem estruturado o argumento de Capsule consegue cativar a nossa atenção desde o princípio até ao fum do filme. Felizmente neste argumento não aparecem as ditas “americanices”, o que o torna ainda mais rico. Isto para além de que o filme se baseia em factos reais, factos estes que foram muito bem estudados e devidamente adaptados à história que o seu Realizador nos pretende contar. Uma lição para certos Realizadores que outrora foram grandes estrelas de cinema que ainda tem muito que aprender sobre como fazer uma produção cinematográfica baseada em factos reais.

 

Relativamente ao elenco não posso dizer que tenha ficado particularmente encantado com o trabalho de Edmund Kingsley. Não que o actor não tenha cumprido o seu papel, mas este teve longe de ter tido uma perfomance fora de serie. Cumpriu e é o que se exigia. Já o restante elenco não “aquece, nem arrefece” mas é deveras complicado fazer uma análise mais a fundo dado que o filme é basicamente Edmund Kingsley “ mais dez” no que a este aspecto diz respeito.

 

Muito boa está a banda sonora que complementa um cenário simplista mas que se adequa na perfeição ao filme e a tudo o que se vai desenrolando no dito. Dois pormenores que juntamente com o argumento fazem deste Capsule um filme bastante agradável de ser ver.

 

Em suma, Capsule de Andrew Martin tem a minha recomendação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D