Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Missão (quase) cumprida

por Pedro Silva, em 25.11.20

os-oitavos-ao-virar-da-esquina.jpg

imagem retrirada de zerozero

Em dia triste para a Nação Azul e Branca dado o falecimento de Reinaldo Teles, histórico dirigente do Futebol Clube do Porto que juntamente com Jorge Nuno Pinto da Costa criou esse mesmo FC Porto que é, tão-somente, a 3.ª equipa com mais participações na Liga dos Campeões e a única equipa portuguesa que conta no palmarés com todos os troféus internacionais de clubes, não se podia ter feito melhor homenagem a tão grande portista senão vencer (outra vez) um adversário de valor e muito – muito! – difícil como é o caso deste Marselha de André Villas-Boas.

Até o fabuloso “Deus do futebol”, Diego Armando Maradona, foi devidamente homenageado pelos Dragões com uma série bem interessante de jogadas criadas por Diaz e Nakajhima. O golo é o sal do futebol de facto, mas a finta/desmarcação é o açúcar que tanto nos delicia. Especialmente quando essa finta e a desmarcação resultam em lances de golo e/ou de perigo para a equipa adversária.

Já deu para perceber que gostei deste jogo. Claro que haverá quem tenha uma opinião diferente. Está no seu direito, mas eu gosto muito mais quando o Futebol Clube do Porto percebe qual o seu lugar e pratica um futebol que o ajude a vencer e alcançar os seus objectivos. O futebol pode até ser feio, desinteressante, recuado e perigoso mas a verdade é que somente em Manchester esta forma de estar não deu frutos porque o nome City pesa muito mais do que o nome Porto quando chegou a hora de o Homem do apito decidir.

Futebol de transições rápidas, muito corrido, defesa aguerrida e aproveitar ao máximo todo e qualquer lance de bola parada na área adversária para se colocar em vantagem não podem, a meu ver, ser considerados defeitos. Quem não tem cão, caça com gato e tem sido isto que Sérgio Conceição tem feito esta temporada na Liga dos Campeões. Resultado? 4 jogos, 3 vitórias, 9 pontos, 8 golos marcados, 3 sofridos e o apuramento para a fase a eliminar da UEFA Champions League quase garantido. Melhjor? Com o actual plantel, impossível! Digo eu.

Agora acho muita graça a quem comenta o futebol na rádio e televisão e fala em dois tipos de FC Porto. Um melhor na Europa do futebol e outro mais irregular na Liga NOS. Qual a grande diferença? Simples. Só não vê quem (maldosamente, talvez) não quer pois o Futebol Clube do Porto no nosso campeonato periférico joga contra “equipas pequenas”, já na Europa do futebol a equipa pequena é o próprio FC Porto não obstante o seu rico e vasto palmarés. Se olharmos bem, por exemplo, para o jogo de hoje rapidamente constatamos que em termos de plantel André Villas-Boas tem – de longe! – muito mais e melhor qualidade futebolística aos eu dispor do que Sérgio Conceição que para além de ter de comandar os Dragões tem ainda de aprimorar e fazer crescer jogadores como Zaidu (por exemplo) que há não muitas épocas atrás jogava no Mirandela.

Apesar de tudo essa vitória portista em França não me descansa na totalidade. É verdade que gostei do jogo praticado pelos azuis e brancos e que acho correcta a forma realista como Sérgio Conceição tem procurado abordar esses confrontos europeus, mas ainda vejo muitas lacunas nesta equipa. Especialmente nas laterais dado que a dupla Sarr e Mbemba é daquelas coisas que se mexer, estraga. Manafá continua a ser um trapalhão quer a atacar e a defender. Zaidu, não obstante a sua evolução, ainda tem muitas dificuldades na hora de defender e são ainda algumas as ingenuidades que podem vir custar caro ao FC Porto. Não foi por acaso que o Marselha hoje insistiu tanto no futebol ofensivo pelas faixas. E quase que marcou golo.

E já que falo aqui em trapalhões e trapalhadas, eu até que adoro Marega mas esse já vem há uns jogos a mostrar que luta muito, mas que faz pouco… E pelos vistos os ares do sul de França fizeram muito mal a Jesús Corona que realizou uma exibição desastrosa. Melhores dias virão. Ou se calhar melhores opções. Não sei bem dado que é Sérgio Conceição quem trabalha todos os dias com o seu plantel.

Em suma. Missão quase cumprida, homenagens prestadas e agora siga para os Açores onde à espera dos portistas vai estar um Santa Clara bem motivado que aposto que vai estar o jogo todo a defender o zero a zero.

Melhor em Campo: Sérgio Oliveira. Ao contrário da maioria que fez de Zaidu o MVP desta partida, eu escolho o internacional português como o melhor deste jogo. Sérgio Oliveira está a atravessar um momento de forma estupendo e se já ninguém dá pela falta de Danilo é por culpa dele. Excelente a recuperar bolas, a distribuir jogo e a comandar todo o meio campo pprtista. Vamos a ver esta boa forma do Sérgio se mantêm para lá do Natal.

Pior em Campo: Jesús Corona. Mau, mau, mau, mau, muito mau e péssimo. Desconcentrado. Muito desconcentrado! Especialmente na hora de defender. Por um triz o internacional mexicano não fez um passe de morte que poderia ter dado o golo à equipa francesa que iria, com toda a certeza lutar pelo empate a 2 até ao fim. A atacar ninguém o viu. Corona (vulgo Tecacito) hoje não fez nada de jeito em campo. Há dias assim.

Arbitragem: Nada a apontar ao Sr. Andreas Ekberg e seus assistentes. Decisões correctas e acertadas tanto nas expulsões como na marcação da grande penalidade a favor do FC Porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58


Lei do mais forte

por Pedro Silva, em 21.10.20

este-pais-nao-e-para-dragoes.jpg

imagem retirada de zerozero

Não sou adepto de vitórias morais. Não gosto de olhar para uma partida de futebol e depois vir com o discurso derrotista por muito óbvio que as diferenças de capacidade, talento, organização e outras coisas tais sejam por demais evidentes. E aplico essa minha forma de estar a tudo na Vida.

Contudo depois de ver essa partida do Futebol Clube do Porto em Manchester diante do Manchester City de Pep Guardiola a primeira coisa que se me apetece dizer é que vingou a Lei do mais forte. E não penso tal somente porque a equipa inglesa tem melhor plantel e maior capacidade orçamental. Penso e digo tal porque o que resolveu hoje a partida a favor dos Citizens foi o simples facto de que a qualidade individual deste Manchester abunda e sobrepõe-se, quando é preciso, à falta de preparação de pré temporada provocada pela pandemia da Covid-19.

Creio ser ponto assente. Falta trabalho nesse Futebol Clube do Porto. Não estou com isso a dizer que os atletas dos azuis e brancos e Sérgio Conceição não trabalham. Pelo contrário. Esses trabalham muito. E fazem-no de tal forma que por vezes até “deixam a pele em campo”. Mas falta entrosamento e, mais importante do que tudo, falta um plano a, b e até mesmo c. Para mais, ainda não é visível no actual plantel dos Dragões alguém que tenha capacidade de “resolver” o jogo num lance individual.

Não estou com isso a afirmar que com o tempo não poderão aparecer os tais planos alternativos ao desenho inicial de Sérgio Conceição para os jogos, mas isso leva o seu tempo. O mesmo digo relativamente ao surgimento do tal “mago” que num lance consegue resolver uma partida. Mas até lá sempre que pelo caminho aparecer um Manchester City somente a capacidade de luta e vontade de dar tudo não chegam.

Tudo isso para aqui dizer que em momento algum o Futebol Clube do Porto foi inferior ao milionário e poderoso Manchester City. Pelo contrário! Os azuis e brancos momentos tiveram em que praticamente “empanaram a máquina inglesa” de Guardiola. Os Dragões chegaram, inclusive, a estar em vantagem até um erro grosseiro da equipa de arbitragem ter imposto um injustificado empate a uma bola.  O mesmo sucedeu no lance do segundo golo dos britânicos que surge da execução de um livre que não foi falta.

Contudo o problema do FC Porto nesta partida não esteve, somente, na fraquinha prestação da equipa de arbitragem. Esteve no facto, isso sim, de faltar um plano b, c e d ao inicialmente pensado por Sérgio Conceição para esse desafio. A prova de tal é que o terceiro golo inglês é fruto de um desnorte e falta de concentração dos portistas que só se explicam pelo facto de a equipa estar ainda longe de estar pronta para jogar tudo aquilo que sabe.

Agora há que seguir em frente. Não vou aqui apontar o dedo a jogadores e muito menos criticar ou culpabilizar Sérgio Conceição pela derrota. Embora me apeteça perguntar a Conceição o que o levou a tirar de campo Luís Diaz quando esse até que estava jogar bem e a “prender” a defesa do Manchester City com as suas “arrancadas” em posse. E diga-se, desde já, que nem sou grande adepto do 3x4x3 (o esquema táctico da moda), mas a verdade seja dita que a jogar assim esse Futebol Clube do Porto até que esteve muito bem até ter sofrido o segundo golo.

Vá, siga para outra. Sábado há que voltar à luta pela renovação do título de campeão nacional e para isto há que derrotar o Gil Vicente no Dragão. Já a Champions, para a semana há mais.

Melhor em Campo: Luís Diaz. Grande jogo fez hoje o internacional colombiano! Muito veloz e sempre muito bem posicionado no terreno de jogo. Espalhou o pânico na linha defensiva dos ingleses e tivesse num momento ou noutro sido menos egoísta e teria realizado uma exibição perfeita.

Pior em Campo: Jesús Corona. Especialmente na segunda parte depois de o FC Porto estar a perder por 3 a 1. Enquanto esteve na posição de lateral direito, o internacional mexicano até que cumpriu, mas com a saída de Diaz e o adiantamento no terreno de jogo de Corona esse perdeu qualidade e em certos momentos parecia que estava desaparecido do jogo.

Arbitragem: Transcrevo a opinião do site de onde retirei a imagem desta publicação pois parece-me que essa reflecte na perfeição o péssimo trabalho do Sr. Andris Treimanis e Assistentes.

Nota negativa para a equipa de arbitragem, por uma série de razões, a maioria das quais prejudiciais aos portistas. Não nos parece haver razão para penálti tendo em conta o pisão a Marchesín logo antes e o critério disciplinar nem sempre fez sentido, como quando uma falta propositada a travar uma transição portista não deu em cartão.

E já agora, ainda sobre a arbitragem O Vídeo-árbitro (VAR) serve para quê concretamente?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

cronica-nao-ha-cristiano-ha-diogo-jota-.jpg

imagem reetirada de zerozero

Cada vez mais fico com a ideia de que a nossa selecção está a transformar-se numa das melhores da Europa e, quem sabe, numa das melhores do Mundo. Aquele Portugal que até que jogava bonito mas no final sofria sempre uma derrota amarga parece estar a desaparecer. Esta partida diante da Suécia foi mais uma demonstração dessa “transformação” de uma equipa nacional que aprendeu a sofrer quando tem de sofrer e a fazer sofrer quando tem, de o fazer.

Boa partida de futebol essa que vi entre a nossa equipa e a equipa do norte da Europa. Nórdicos esses que podem continuar a ser altos e loiros mas de “toscos” já não tem nada. Os gajos até que sabem jogar bem à bola e tratam-na muito bem quando é preciso! A verdade seja dita, tivesse a equipa da Suécia a pontaria mais afinada na hora de rematar à nossa baliza e não fosse Rui Patrício um dos melhores Guarda-redes do Mundo e não sei se estaria agora a deixar aqui uns “bitaites” sobre uma vitória bem robusta de Portugal.

Essa Suécia luta muito. Muito mesmo! Durante os 90 e poucos minutos os jogadores suecos não deixaram nunca de tentar marcar, pelo menos, um golo. Inclusive, momentos houveram em que a defesa portuguesa teve muita sorte na hora de impedir o remate certeiro da Suécia à baliza lusitana. Quem sabe essa mesma Suécia ainda nos vai ajudar a vencer o Grupo e a passar à Final Four da Liga das Nações pois na última jornada ainda vai ter de medir forças com a França enquanto Portugal terá pela frente, em teoria, um jogo bem mais acessível diante de uma Croácia que está necessitada de se renovar.

Voltando à partida de hoje que se realizou no Estádio José de Alvalade com 5.000 pessoas na bancada (justiça para o futebol, aleluia!), tenho de dizer que gostei muito do que vi. Já aqui o disse e repito, gostei mesmo muito da postura que a equipa de Fernando Santos apresentou durante todo esse jogo. Soube defender e sofrer quando foi preciso e soube dominar e impor o seu futebol quando foi necessário. Se isso continuar assim nos próximos tempos, acredito que teremos todos razões para sorrir e festejar até porque, recorde-se, a nossa selecção está numa espécie de “Grupo da Morte” no que ao EURO 2020 diz respeito (competição adiada para o próximo Verão).

Mais um “jogão” para a dupla do meio campo William/Danilo. Bruno Fernandes esteve divinal e Diogo Jota… Minha nossa Senhora! Ou como dizem os espanhóis, “partidazo”! Quem viu Diogo Jota aquando da sua passagem pelo Atlético de Madrid e Futebol Clube do Porto e quem o vê agora. Realmente Nuno Espírito Santo é um treinador fenomenal e com Kloop esse Jota tem tudo para ser um dos nomes sonantes da Liga inglesa. Espero que quando o EURO começar Diogo Jota esteja a jogar a esse nível pois Cristiano Ronaldo pode não chegar para a encomenda.

E pronto. Lá se encerra mais um capítulo. Em Novembro Portugal vai decidir com a França e, creio eu, com a ajuda da Suécia a passagem à fase seguinte da prova. Se jogar tão bem como jogou em Paros e hoje em Lisboa acredito plenamente que vamso estar na Final Four da Uefa Nations League.

Melhor em Campo: Bruno Fernandes. Podia ter colocado aqui Diogo Jota, mas não me parece justo face ao trabalho extraordinário e capacidade de passe genial que o atleta do Manchester United mostrou hoje. Muito bem Bruno. Agora é só controlar um pouco esse teu mai feitio para não veres cartões amarelos de uma forma estúpida.

Pior em Campo: João Félix. Admito que nunca gostei muito do rapaz e que sempre o achei sobrevalorizado por vir de onde veio, mas hoje esse voltou a não me impressionar e, inclusive, até falhou um golo relativamente fácil (isolado diante da baliza). O Atlético de Madrid não é – nem nunca foi – o local ideal para um jovem atleta crescer. O rapaz tem técnica e até que sabe posicionar-se bem no campo, mas tem pouca força e na hora de rematar à baliza ou a dita está à sua mercê e bem perto ou então o remate sai fraquinho ou vai para fora.

Arbitragem: Arbitragem tranquila da equipa liderada pelo Sr. Srdjan Jovanovic. Esteve bem nas decisões que tomou e na analise dos lances mais polémicos. A verdade seja dita que os jogadores também não deram muito que fazer à equipa de arbitragem sérvia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44


16!

por Pedro Silva, em 30.12.18

2018-o-ano-do-dragao.jpg

imagem retirada de zerozero

 

Antes de ais quero dar os parabéns a Sérgio Conceição, equipa técnica, plantel e a todo actual staff do Futebol Clube do Porto. 16 vitórias seguidas, para além de ser um novo recorde, é um feito que merece todo o cabal desataque porque tal não está ao alcance de uma qualquer equipa. E mais especial tal feito é pelo simples, mas não menos importante, facto de o Dragão não poder gozar de um grande poder de escolha no que à formação do seu plantel diz respeito graças ao “aperto” financeiro a que foi submetido nos últimos tempos. Por tudo isto – e muito mais – parabéns Sérgio.

 

Quanto ao jogo em si, embora de interesse quase que residual, este revestia-se de alguma importância. Não pela competição em si que não tem interesse algum, mas sim porque poderia esta partida do Jamor poderia servir para nos dar uma ideia sobre que FC Porto vamos ter daqui para a frente. Convêm não esquecer que as famosas paragens do Natal não costumam ser muito benéficas para os azuis e brancos, pelo que hoje havia uma certa curiosidade (pelo menos da minha parte) sobre o que seriam os azuis e brancos capazes de fazer em campo.

 

Apesar de ser ter sofrido – mais uma vez – um golo madrugador e de somente ao minuto 20 se ter rematado à baliza da equipa adversária,  confesso que até que gostei do que vi. Isto porque vi um Futebol Clube do Porto “mandão” que quis – quase – sempre tomar as rédeas de uma partida em que foi claramente superior ao tal de ”Belenenses SAD”. Claro que pelo meio tivemos direito ao habitual “chutão para a frente” de que Sérgio Conceição tanto gosta (com Herrera a comandar o meio campo não seria de esperar outra coisa) e ao habitual desacerto defensivo dos portistas sempre que do outro lado do campo está uma equipa minimamente organizada, contudo a vontade de vencer que Sérgio Conceição demonstrou com as - acertadas - substituições face ao recuo da equipa de Silas e o bom futebol praticado pelos azuis e brancos a partir do minuto 20 fizeram com que acabasse por gostar do que vi em campo. Lamento é que o resultado final tenha sido tão escasso a favor de um FC Porto que não soube aproveitar a 100% o enorme caudal ofensivo que “apagou por completo” os “donos da casa”.

 

Agora só espero é que este treino mais competitivo tenha servido de alerta para o que aí vem na próxima Quinta na Vila das Aves. Já todos sabemos que o Desportivo local vai querer “agradar ao dono” pelo que vai dar tudo por tudo para que a Liga NOS “seja mais competitiva”. Um alerta para Sérgio Conceição que deve tentar acabar de vez com esta treta de se começar os jogos a perder.

 

MVP (Most Valuable Player): Alex Telles. Este é o Alex que gosto de ver jogar. Exímio na marcação dos livres e um mestre na hora de assistir os companheiros para o golo. Foi dos melhores jogos que o vi fazer esta época. Em boa hora Alex Telles recuperou a sua boa forma. A ver vamos se a mantêm até aos momentos decisivos da temporada.

 

Chave do Jogo: As entradas de Tiquinho Soares e Hernâni. As entradas do brasileiro e do internacional português foram, claramente, os factores que fizeram com que a equipa do FC Porto tomasse conta em definitivo da partida que acabou por vencer.

 

Arbitragem: Manuel Oliveira teve uma arbitragem tranquila e geriu bem a partida.  Análise e opinião de  Hugo Filipe Martins (jornalista do site zerozero).

 

Positivo: As substituições de Sérgio. Já aqui o disse e volto a repetir que o factor positivo deste jogo foi a capacidade do treinador do FC Porto em perceber o que tinha de fazer e quando fazer para que hoje os Dragões vencessem um esforçado “Belenenses SAD”.

 

Negativo: Maxi Pereira. Confesso que não sei bem o que se passa com o internacional uruguaio. A idade pode explicar muita da sua falta de capacidade de estar a um bom nível, mas não explica tudo. Exige-se mais de Maxi.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23


A moral e – muita, muita – sorte

por Pedro Silva, em 11.12.18

um-comboio-embalado-para-as-vitorias.jpg

imagem retirada de zerozero

 

Hoje é dia de festa no Dragão. Primeiro lugar na Fase de Grupos da Champions, 0 derrotas e um empate e um recorde pontual igualado. Nada mau se bem que podemos, e devemos, dizer que o Futebol Clube do Porto não fez mais do que a sua obrigação num grupo onde o equilíbrio em termos de qualidade foi – quase sempre – a nota dominante. Contudo esta deslocação à Turquia fez soar alguns alarmes”. Especialmente se tivermos em linha de conta que o Galatasaray SK é uma equipa mediana (muito mediana) que só não venceu hoje por manifesta falta de sorte. E também porque do outro lado do campo esteve um FC Porto altamente moralizado.

 

Convenhamos, tenho de ser curto e directo. Felicito Sérgio Conceição (e a equipa) quando este está bem, na minha opinião, no jogo sobre o qual opino, mas não posso, de forma alguma, “embarcar” na actual onda de euforia que parece ter toldado certas mentes portistas. Não estivesse o Futebol Clube do Porto num momento de forma execpecional e com a moral nos píncaros, e tenho sérias dúvidas de que este teria regressado das terras de Recep Tayyip Erdoğan com os três pontos e um recorde igualado.

 

A juntar ao exposto no parágrafo anterior há que dizer que o Galatasaray de Fatih Terim teve um azar tremendo na hora de rematar à baliza. Aliás, se quiser ser mesmo sincero (por muito que me custe) tenho de dizer que os Dragões não mereceram, de todo, vencer hoje. Nem empatar mereciam! A equipa da casa foi - de longe – a melhor equipa em campo. O meio campo turco “engolia” sempre o meio campo português. Não fosse a eficácia, a moral em alta e uma sorte tremenda e, repito, isto teria corrido muito mal.

 

Espero que Sérgio Conceição tenha retirado muitas ilações desta partida. Especialmente sabendo que daqui para a frente irá ter de enfrentar equipas de maior qualidade que pressionam como este Galatasaray. E não, o facto de este ter sido obrigado a mudar algumas das suas habituais “peças” não justifica metade do que aconteceu hoje em campo. Até porque se assim fosse, esse teria intervindo muito mais cedo no onze. Especialmente quando todos percebíamos que o FC Porto já não podia mais com a tremenda avalanche ofensiva da equipa da capital turca.

 

MVP (Most Valuable Player): Moussa Marega. Efectivamente o internacional maliano é “aquela máquina” na UEFA Champions League. Hoje Marega foi uma “locomotiva” que colocou, quase sempre, em “xeque” a linha defensiva da equipa da casa. Um golo e uma assistência são um parco pecúlio para tão excelente exibição.

 

Chave do Jogo67´ Sofiane Féghouli (Galatasaray) falha a grande penalidade! Atira à barra!. E deita por terra toda e qualquer vontade do Galatasaray SK lutar pelo resultado final. Após tal Sérgio Conceição “acordou de vez” para o jogo e fez as alterações tácticas de que a equipa precisava para trazer os três pontos para a Invicta. Como tal penso ser manifestamente impossível não se classificar este lance como a “chave do jogo” que ditou – em definitivo - a vitória portista.

 

Arbitragem: Jogo fica marcado por uma decisão logos nos minutos iniciais. É marcado um fora de jogo num lance que daria grande penalidade e provável expulsão para Diogo Leite. A interpretação deixa muitas dúvidas. Depois não existe falta sobre Hernâni e parece estar em fora de jogo Garry Rodrigues no lance da grande penalidade do Galatasaray. Análise e opinião de  Igor Gonçalves (jornalista do site zerozero)

 

Positivo: Vitórias que moralizam. São vitórias em jogos como este que fazem equipas campeãs. Quando as coisas não correm bem mas a equipa luta até ao fim, acredita em si e vence é algo que tem de ser visto como positivo.

 

Negativo: Diogo Leite. Se calhar sou eu qu estou a ficar mal habituado dadas as boas exibições de Militão, mas hoje Diogo Leite esteve mal. Muito mal em todos os aspectso do jogo. Que tanha sido somente um dia mau do jovem central.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:25


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D