Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pontos perdidos ou ponto ganho?

por Pedro Silva, em 17.10.20

cronica-ninguem-se-quis-largar.jpg

imagem retirada de zerozero

Resultado final justo. Acima de tudo. É isto que me vêm à cabeça quando reflicto sobre esse Sporting CP 2 x FC Porto 2 da Liga NOS. Nenhuma das equipas mereceu verdadeiramente vencer embora em muitos momentos a equipa de Sérgio Conceição tenha estado bem por cima do Sporting pachorrento e de jogo previsível de Rúben Amorim.

É por aí mesmo que vou começar. Essa ideia de jogo de Rúben Amorim é interessante. Dá gosto ver uma equipa que gosta de ter a bola no pé e no momento certo fazer a desmarcação para o golo. É uma ideia interessante, bem trabalhada e com bons jogadores para tal que funciona. O problema do actual Sporting é mesmo este: não tem jogadores para jogar dessa forma. E é por isto que, em parte, me pareceu que o clube azule branco perdeu hoje 2 pontos na corrida pelo título.

O FC Porto tinha a obrigação de ter vencido esse Sporting Clube de Portugal se tivesse feito por isto. Bastava ter continuado a dominar o jogo não obstante a necessária, e nada criticável, gestão de esforço do plantel por parte de Sérgio Conceição. E não necessitava de continuar a atacar e a manter a posse da bola até porque na segunda parte muitos foram os lances de perigo que o FC Porto criou à baliza de Adán em várias transições rápidas.

Contudo a verdade seja dita. Os Dragões conseguiram impor o seu futebol e, em muitos momentos, foram bem superiores aos Leões de Alvalade e controlaram a partida. Ofensivamente a equipa da Invicta foi muito superior à da capital portuguesa e em muitos momentos conseguiu quase colocar um ponto final na partida. Mas o recuo da equipa portista no terreno do jogo, mesmo que intencional e procurando manter a vantagem no marcador através de lances de transição rápida, a verdade é que ou tudo corre pelo melhor ou então um asneira/desconcentração deita tudo por terá… Foi o que aconteceu com Zaidu a perder uma bola que acabou na baliza de Marchesin…

O problema de se gerir o esforço de um plantel (algo que é necessário, diga-se desde já), de se recuar propositadamente e se expor ao risco de querer gerir uma vantagem de um golo pode correr muito bem e o treinador é elogiado pela sua capacidade táctica, ou acontece a Zaidu, dá-se força e coragem à equipa adversária e depois no final empata-se porque sim. Face a tal, posso dizer que o Futebol Clube do Porto ganhou um ponto em Alvalade.

Em suma, o empate era o resultado que me tinha passado pela cabeça. Os jogos entre os ditos “grandes” do nosso futebol não costumam decidir campeonatos. Por norma é nos jogos com as equipas ditas mais acessíveis que se ganham ou se perdem campeonatos. O problema maior do Futebol Clube do Porto foi o de ter perdido na última jornada diante do CS Marítimo… Por isso, siga para a frente porque não há outro caminho.

Melhor em campo: Pepe hoje esteve simplesmente imperial em campo. Bom posicionamento, muita garra tanto a defender como a atacar e capacidade de liderança fantástica. Quem diria que Pepe é um veterano do nosso futebol?

Pior em campo: Manafá. Depois de alguns jogos a um nível muito razoável, eis que o lateral direito do FC Porto volta a ser aquilo que sempre foi. Mau atacar e péssimo a defender. Foi pelo seu flanco que o Sporting criou muitos lances de perigo.

Arbitragem: Luís Godinho teve uma prestação que é muito habitual no nosso campeonato. Muitas faltas, “faltinhas” e “faltonas” acompanhado de uma pantufada de cartões amarelos como se fosse essa a postura normal de um árbitro internacional. Quanto ao lance da Granfde Penalidade por suposta falta de Zaidu sobre Pedro Gonçalves, na minha opinião esse foi bem anulado pelo VAR. Em suma, arbitragem mediana. Ao nível do “normal” do nosso campeonato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40

cronica-nao-ha-cristiano-ha-diogo-jota-.jpg

imagem reetirada de zerozero

Cada vez mais fico com a ideia de que a nossa selecção está a transformar-se numa das melhores da Europa e, quem sabe, numa das melhores do Mundo. Aquele Portugal que até que jogava bonito mas no final sofria sempre uma derrota amarga parece estar a desaparecer. Esta partida diante da Suécia foi mais uma demonstração dessa “transformação” de uma equipa nacional que aprendeu a sofrer quando tem de sofrer e a fazer sofrer quando tem, de o fazer.

Boa partida de futebol essa que vi entre a nossa equipa e a equipa do norte da Europa. Nórdicos esses que podem continuar a ser altos e loiros mas de “toscos” já não tem nada. Os gajos até que sabem jogar bem à bola e tratam-na muito bem quando é preciso! A verdade seja dita, tivesse a equipa da Suécia a pontaria mais afinada na hora de rematar à nossa baliza e não fosse Rui Patrício um dos melhores Guarda-redes do Mundo e não sei se estaria agora a deixar aqui uns “bitaites” sobre uma vitória bem robusta de Portugal.

Essa Suécia luta muito. Muito mesmo! Durante os 90 e poucos minutos os jogadores suecos não deixaram nunca de tentar marcar, pelo menos, um golo. Inclusive, momentos houveram em que a defesa portuguesa teve muita sorte na hora de impedir o remate certeiro da Suécia à baliza lusitana. Quem sabe essa mesma Suécia ainda nos vai ajudar a vencer o Grupo e a passar à Final Four da Liga das Nações pois na última jornada ainda vai ter de medir forças com a França enquanto Portugal terá pela frente, em teoria, um jogo bem mais acessível diante de uma Croácia que está necessitada de se renovar.

Voltando à partida de hoje que se realizou no Estádio José de Alvalade com 5.000 pessoas na bancada (justiça para o futebol, aleluia!), tenho de dizer que gostei muito do que vi. Já aqui o disse e repito, gostei mesmo muito da postura que a equipa de Fernando Santos apresentou durante todo esse jogo. Soube defender e sofrer quando foi preciso e soube dominar e impor o seu futebol quando foi necessário. Se isso continuar assim nos próximos tempos, acredito que teremos todos razões para sorrir e festejar até porque, recorde-se, a nossa selecção está numa espécie de “Grupo da Morte” no que ao EURO 2020 diz respeito (competição adiada para o próximo Verão).

Mais um “jogão” para a dupla do meio campo William/Danilo. Bruno Fernandes esteve divinal e Diogo Jota… Minha nossa Senhora! Ou como dizem os espanhóis, “partidazo”! Quem viu Diogo Jota aquando da sua passagem pelo Atlético de Madrid e Futebol Clube do Porto e quem o vê agora. Realmente Nuno Espírito Santo é um treinador fenomenal e com Kloop esse Jota tem tudo para ser um dos nomes sonantes da Liga inglesa. Espero que quando o EURO começar Diogo Jota esteja a jogar a esse nível pois Cristiano Ronaldo pode não chegar para a encomenda.

E pronto. Lá se encerra mais um capítulo. Em Novembro Portugal vai decidir com a França e, creio eu, com a ajuda da Suécia a passagem à fase seguinte da prova. Se jogar tão bem como jogou em Paros e hoje em Lisboa acredito plenamente que vamso estar na Final Four da Uefa Nations League.

Melhor em Campo: Bruno Fernandes. Podia ter colocado aqui Diogo Jota, mas não me parece justo face ao trabalho extraordinário e capacidade de passe genial que o atleta do Manchester United mostrou hoje. Muito bem Bruno. Agora é só controlar um pouco esse teu mai feitio para não veres cartões amarelos de uma forma estúpida.

Pior em Campo: João Félix. Admito que nunca gostei muito do rapaz e que sempre o achei sobrevalorizado por vir de onde veio, mas hoje esse voltou a não me impressionar e, inclusive, até falhou um golo relativamente fácil (isolado diante da baliza). O Atlético de Madrid não é – nem nunca foi – o local ideal para um jovem atleta crescer. O rapaz tem técnica e até que sabe posicionar-se bem no campo, mas tem pouca força e na hora de rematar à baliza ou a dita está à sua mercê e bem perto ou então o remate sai fraquinho ou vai para fora.

Arbitragem: Arbitragem tranquila da equipa liderada pelo Sr. Srdjan Jovanovic. Esteve bem nas decisões que tomou e na analise dos lances mais polémicos. A verdade seja dita que os jogadores também não deram muito que fazer à equipa de arbitragem sérvia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44


Vale o que vale...

por Pedro Silva, em 07.10.20

709954_ori_.jpg

imagem retirada de zerozero

Os jogos particulares (ou de preparação como muitos gostam de denominar), valem o que valem mas tem o condão de deixar uma ideia – mesmo que minimalista – do que poderá acontecer no jogo seguinte. E o jogo seguinte da nossa selecção não é contra uma equipa qualquer É com a França e em Paris! E recorde-se que na Liga das Nações somente os primeiros classificados passam à fase seguinte.

Dito de outra forma, a Espanha foi a Espanha desde que o jogo começou até terminar. Nada a dizer sobre o futebol bonito e organizado que a equipa de Nuestros Hermanos. Pecou somente no físico Estivessem bem fisicamente e não sei se os espanhóis teriam vencido com justiça e, quem sabe, até que com números bem “gordinhos”.

Já o nosso Portugal... Na primeira parte só não sofreu golo porque Rui Patrício não deixou e porque Rúben Semedo mostrou-nos a todos nõs porque razão Jorge Jesus insistiu tanto na sua contratação. Na segunda parte Fernando Santos “mexeu” na equipa, equilibrou o meio campo luso e as oportunidades começaram a aparecer. Isso somado ao baixar de ritmo da Espanha fruto da fase da época em que nos encontramos e ao facto de se tratar de um jogo de preparação, só não vencemos porque a “mira” de Cristiano e Renato Sanches estavam de tal forma afinadas que só viram a barra e trave da baliza de Kepa.

Esses jogos valem o que valem, mas tivesse Fernando Santos apostado num onze mais equilibrado a meio campo na primeira parte e não tivessse dado tanto tempo de jogo a um “nulíssimo” João Moutinho e se calhar as "arrancadas" vertiginosas de Renato Sanches teriam sido bem mais eficazes e Rúben Neves poderia ter feito bem mais no que à organização do nosso jogo ofensivo dizia respeito.

Vamos a ver o que vai acontecer no próximo Domingo. A França joga de uma forma completamente diferente da Espanha. Os franceses apostam muito mais no futebol directo e no físico, pelo que espero bem que o seleccionador nacional tenha tirado muitas e boas ilações sobre a forma como não deve iniciar o jogo do próximo fim de semana.

Melhor em Campo: Rúben Semedo

Pior em Campo: João Moutinho

Arbitragem: Positiva. Nada a apontar ao trabalho da equipa liderada pelo Sr. Paolo Valeri.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:46


No fim fazemos contas

por Pedro Silva, em 12.01.19

e-ficou-tudo-na-mesma-algo-bem-negativo-para-um-.j

imagem retirada de zerozero

 

Confesso que durante a semana que está prestes a terminar que sempre que pensava no Clássico de hoje me vinha ao pensamento que, das duas, uma; ou o Futebol Clube do Porto empatava ou iria sair do Estádio José de Alvalade com uma derrota pela margem mínima. E para o bem e para o mal hoje o empate (mais um, para não variar) acabou por ser uma realidade. Se tal foi bom ou mau nas contas dos portistas para a reconquista do título só o tempo o dirá, mas tal espelhou perfeitamente o que sucedeu em campo. Tivesse Sérgio Conceição sido mais esperto e menos impetuoso na escolha do onze inicial e acredito que, muito provavelmente, o já habitual “enguiço” de Alvalade teria tido um fim

 

Após ter seguido a boa participação do FC Porto na UEFA Champions League e após a derrota na Luz, acreditava eu que Sérgio Conceição tinha aprendido, de uma vez, que os jogos não se ganham com o “tudo para a frente e Fé em Deus”. Bem sei que o jogo era do nosso “campeonatozinho”, mas do outro lado do campo não estava o Sporting da Covilhã. Estava, isto sim, o Sporting Clube de Portugal que é – somente – um dos “três grandes” que luta, ab eternum, pela conquista do título de campeão nacional. Para mais falamos de um Sporting que não tem um plantel por aí além em termos de qualidade e que joga muito subido no terreno de jogo. Tão subido que um Futebol Clube do Porto modo Champions o poderia ter derrotado com a maior das facilidades.

 

Obviamente que, voltando à ideia inicial desta análise, se pode afirmar com clareza e justiça que os Dragões até ganharam um ponto em Alvalade e que continuam a depender de si e só de si para o tão desejado bicampeonato, mas a ideia que eu tenho é que hoje se desperdiçaram pontos. Pontos que podem, ou não, vir a ser preciosos mais para a frente na época que está a decorrer. Isto porque está visto que Sérgio Conceição vai continuar a apostar no tal futebol de vertigem que faz com que a equipa portista não seja sequer capaz de elaborar uma jogada com cabeça, tronco e membros. Hoje fiquei deveras arrepiado com tanto disparate na fase de construção de jogo por parte do meio campo portista… Fosse o Sporting CP de Keizer um adversário com opções de jeito no seu plantel e não sei se hoje teríamos um empate a zero bolas.

 

Contudo as contas só se fazem no final. Foi-se (finalmente!) o tal recorde das vitórias seguidas e com ele desapareceu também aquela pressão que incomoda jogadores, técnicos e adeptos. Que tal tenha servido de “despertador” para que o Mister Conceição consiga ser mais sensato na hora de escolher o onze que vai defrontar um adversário que é, tão-somente, um dos melhores da Liga NOS.

 

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. O internacional espanhol foi aquilo que no Mundo do futebol é apelidado de “Monstro das balizas”. Contabilizei três defesas impossíveis que somente um guarda-redes de top conseguia efectuar com sucesso. “Velhos são os trapos”. Casillas é um exemplo vivo de tal e o principal responsável pelo Futebol Clube do porto ter saído de Avalade com um justo empate a zero.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Em momento algum alguma das equipas foi capaz de criar um lance que fizesse com que a vitória pendesse, em definitivo, para o seu lado.

 

Arbitragem:  Hugo Miguel teve dois erros. Perdoou a expulsão a Bruno Fernandes no final da primeira parte e a Herrera por volta dos 70 minutos. Os dois  jogadores tinham amarelo e fizeram faltas para segundo cartão.  Análise e opinião de Igor Gonçalves (jornalista do site zerozero).

 

Positivo: Linha defensiva portista. O único sector da equipa azul e branca que esteve sempre no seu melhor mesmo quando perdeu o seu lateral direito de raiz (Maxi Pereira) por lesão.

 

Negativo: Desastre no meio campo portista. Quem não consegue manter a posse da bola e criar jogadas que possibilitem ao ataque marcar golos não merece outra coisa senão um vasto rol de críticas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05


A arrogância é um pecado caro

por Pedro Silva, em 18.04.18

imgS620I219265T20180418225645.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Pois é Sérgio. Isto de se ser arrogante bem que poderia ser um exclusivo de Jorge Jesus. Mas tu hoje tinhas que lhe seguir os ensinamentos e fazer por perder um jogo que esteve equilibrado até ao momento em que mandaste o Futebol clube do Porto defender um perigoso zero a zero… Será que eu posso saber o que te passou pela cabeça quando retiras de campo os dois únicos médios que, umas vezes bem e outras menos bem, faziam a ligação entre a defesa e o ataque azul e branco?

 

A arrogância é um pecado que se paga caro. Muito caro Sérgio! Esta tua “artimanha” de fazer entrar em campo Diego Reyes, entregando, desta forma, o meio campo ao Sporting CP foi de génio. A ideia e gesto de um génio arrogante que só porque no passado domingo venceu na Luz no minuto 90. É verdade que esta vitória foi muito saborosa para toda a nação portista, mas daí até poderes dar uma de “Mestre da Táctica” vai uma enorme distância. A distância de se perder a possibilidade de marcar presença na Final da segunda prova mais importante do nosso calendário competitivo!

 

Claro que agora quem te bajula «ad nauseam» mesmo sem ainda teres vencido seja o que for ao serviço do FC Porto, teres sido o autor da maior derrota caseira da história do clube nas competições europeias e de já teres sido eliminado por este mesmo Sporting Clube de Portugal na Taça da Liga e na Taça de Portugal irão dizer que no passa nada. Que está tudo bem pois o que interessa é o campeonato. Volta a meter a “argolada” que meteste hoje no Estádio José de Alvalade numa das quatro jornadas que restam para terminar o nosso campeonato e vais – mesmo - ver e sentir o quanto custa ser-se arrogante!

 

E mais não digo porque não vale a pena. A única coisa de positiva que se retira desta derrota é que a ridícula euforia que tomou conta de muitos portistas após a vitória do passado domingo vai diminuir de intensidade. Isto ainda não acabou. Quer-se queira ou não, “eles andam aí” pelo que se dispensa a arrogância de um certo “Sérgio” armado em “Mestre da Táctica”.

 

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. Pode até ter sido impressão minha, mas o Guarda-redes do Futebol Clube do Porto foi o único que tudo tentou fazer para tentar dar a volta à “arrogância sergiana” que em determinada altura tomou conta de toda a equipa portista. Por tudo isto, e muito mais, San Iker merecia muito mais do que ter sido “humilhado” na “lotaria das Grandes Penalidades”.

  

Chave do Jogo: Esta apareceu com a entrada de Diego Reyes em campo. Com a entrada do internacional mexicano a equipa portista perdeu toda e qualquer capacidade de organizar o seu jogo por forma a fazer frente ao previsível pressing final da equipa de Jorge Jesus.

 

Arbitragem:  Muito sereno. Jorge Sousa esteve muito bem do ponto de vista técnico e disciplinar. Houve alguns lances de dúvida, tanto na área leonina como na área portista, mas o árbitro da AF Porto esteve na análise. Nota positiva para o trabalho de Jorge Sousa.

 

Positivo: Bruno Fernandes. Cada vez mais admiro as enormes capacidades deste médio internacional português que se assemelha, cada vez mais, com o saudoso João Moutinho.

 

Negativo: Sérgio Conceição. E nem vale a pena repetir a razão de tal. Ou será que vale?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D