Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fazer mais e ralhar ,menos

por Pedro Silva, em 23.01.21

2021_comunicacao_vote_pr_1000x500.jpg

Ao contrário de muito "boa gente" que anda pelas Redes Sociais a incentivar a que amanhã (Domingo, 24 de Janeiro de 2021) não participemos no acto eleitoral que vai eleger o próxim@ Presidente da República de Portugal, eu digo - clara e taxativamente - para que votem!

Vamos tod@s votar! Seguindo e respeitando, ora pois, as normas de segurança que a crise pandémica nos impõe. E isso sem taras, maluqueiras, "policia dos bons costumes", julgamentos sem saber e respeito (sempre!) pelo próximo.

Fazer mais e ralhar menos...

Votando passamos a ter legitimidade para expor o nosso descontentamento ao contrário dos "tribalistas" das Redes Sociais que falam muito, mas não fazem absolutamente nada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Bisnagas e canalhada

por Pedro Silva, em 13.01.21

Imagem Crónica RS.jpg

Se há ilação que a Vida me ensinou é que o passado é para se recordar (não viver). E é para se recordar porque é com este que aprendemos com os erros e disparates que fazemos. Tal forma de estar aplica-se tanto a pessoas, empresas e países. Agora se as citadas personagens resolvem fazer de conta que o passado não existe e “embarcam”, porque dá jeito e é bem mais fácil ouvir o que queremos para não “massacramos” a massa cinzenta, e voltam a repetir os disparates que fizeram antes, das duas, uma; ou são estúpidos por natureza ou acham-se de tal forma seres acima da média que não aceitam lições de ninguém (mesmo deles próprios).

Isto tudo para aqui dizer que o ano de 2020 não é para se esquecer como muitos dizem e tomam como ponto assente. É, isto sim, para se recordar. Ou pelos menos deveria ser só que ninguém se quer dar a este trabalho dado que a balbúrdia e o planeamento em cima do joelho continuam a ser ponto assente do Executivo de Costa e quem bate palmas é a Covid-19 e a nossa Comunicação Social que já percebeu, na sua globalidade, que o que vende é o pânico generalizado e não a informação/crítica construtiva.

O mesmo tipo de lógica se aplica lá fora…

O pais “mais democrático do Mundo e arredores” viu o Capitólio invadido por uma espécie de “manada racista/xenófoba” porque Donald Trump e “sus muchachos” se recusam a sair da casa Branca sem antes “partir aquilo tudo”.

Na nossa Europa (será mesmo nossa?), lá se conseguiu à pressa um acordo para o famoso Brexit, iniciou-se uma feia e suja guerra comercial tendo sido a “inocente Europa” a atirar a primeira pedra e sobre a mais do que provável saída da Escócia do Reino Unido e adesão à União Europeia nem uma palavra quando antes era o “aqui D´El Rei nosso senhor” que isto de um Estado dentro de outro estado querer ser independente ia arrasar tudo e mais alguma coisa estilo a pandemia que estamos todos a gramar.

E que dizer da famosa “bazuca europeia”?

A tão propalada solução para a crise económica e financeira que a pandemia da Covid-19 provocou por esta Europa fora (me engana que eu gosto, ou não tivessem sido os cortes europeus à cega em nome sabe-se lá do quê a provocar tal coisa)? A dita cuja que até “obrigou” a super defensora da Democracia e do principio da separação de poderes que dá pelo nome de União Europeia a negociar e  aceitar sabe lá bem o quê de países homofóbicos e xenófobos que dão pelo nome de Polonia e Hungria (e outros que ainda se juntarão ao festim mais cedo ou mais tarde) para que a tal “bazuca” permaneça – ainda! – num paiol qualquer em sítio desconhecido?

Houve quem apelidasse 2021 do ano da esperança. Bastou para tal meia dúzia de lotes de uma vacina meio que experimental que quando aplicada em Portugal rapidamente se reduziu ao mínimo de doses (e só não acabou porque não terá calhado) fruto de uma “explosão” de interessados na sua toma porque nos Hospitais toda a gente lida com os doentes Covid… Basta para tal usar uma Bata branca e andar de estetoscópio ao pescoço ou então basta um deles ou então ser Director de uma ala hospitalar qualquer mesmo que ninguém jamais o/a tenha visto(a) mais gordo(a) ou magro(a).

Em suma, entre bisnagas e canalhada lá temos nós de ir vivendo a nossa Vida. Enquanto houver pão e capacidade para o comprar, o Povo lá seguirá o seu caminho e irá bater sempre palmas à peixeirada televisiva que alguém ousou apelidar de “debates presidenciais” ou não estivéssemos nós em tempo de telenovela pois há que escolher aquele ou aquela que irá utilizar com toda a sua sabedoria e eloquência o OMO para que a roupa suja fique bem branquinha. Quando tal não suceder, é fácil! A culpa é do Povo irresponsável que não cumpre os acordos e contratos de confiança.

Artigo publicado no site Repórter Sombra (12/01/2021)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17


SMS da semana

por Pedro Silva, em 04.11.20

A2C99608-CDFF-47BA-88E3-21C09C331DA5.JPG

O cartoon até que pode ter a sua piada, mas esse é o retrato mais fiel do Presidente de um país que hoje já mostrou (e por mais do que uma vez) que não percebe absolutamente nada do sistema eleitoral do país que supostamente governa.

E o mais engraçado é que com jeitinho vai ser reeleito pelos seus eleitores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:56


Os extremos que dão pelo nome de Brasil

por Pedro Silva, em 02.10.18

imagem crónica RS.jpg 

Há quem defenda a ideia de que a história não se repete. Tal teoria está muito em uso entre os historiadores. E, efectivamente, a história não se repete mas o Ser Humano comete erros (alguns por vontade própria outros por manifesta falta de tacto), daí que a meu ver se possa dizer que a História não se repete mas que faz cópias de má qualidade de si mesma. O que se está a passar actualmente no Brasil é um bom exemplo de tal.

 

O Brasil é actualmente um país cuja capacidade de produção de recursos próprios é extraordinariamente elevada. Tal é um facto que o maior país da América Latina não soube, nunca, aproveitar desde que se libertou das amarras da colonização portuguesa (e não só), contudo o Brasil, talvez por ser um país que tem ainda muitas cicatrizes e feridas bem abertas pelo processo de escravização que os portugueses (e não só) levaram a cabo durante décadas nas Terras de Vera Cruz a desigualdade em função do tom da cor da pele é ainda uma triste e enfadonha realidade…

 

Daí que se perceba muito daquilo que é hoje em dia o Brasil. Um país de extremos que tem de tudo para ser uma das maiores potências económicas mundiais. E está bem patente nas próximas eleições presidenciais cuja campanha eleitoral tem sido marcada pelo crasso extremismo entre as várias facções políticas. Aliás, bem vistas as coisas, hoje no Brasil desenrola-se uma luta titânica entre negros e brancos pela conquista do Poder. Já a histórica corrupção que é promovida tanto por negros como por brancos – e que impede este mesmo Brasil de seguir em frente e de se desenvolver - vai manter-se firme e será, sem sombra de dúvida, a grande vitoriosa desta luta dos extremos que dão pelo nome de Brasil.

 

Foi há um ano….

 

O tempo passa depressa. Depressa demais. Especialmente para quem ainda tinha a vã esperança de que Espanha se comportasse como o Estado democrático que diz ser.

 

Foi há um ano que a polícia espanhola, por ordens do entretanto demitido Governo de Mariano Rajoy, carregou violentamente sobre a população catalã que pacificamente procurou participar num referendo unilateral que determinaria uma simbólica separação da manta de retalhos que dá pelo nome de Espanha.

 

Foi há um ano que por Portugal e restante União Europeia se procurou passar a ideia de que os catalães são, na sua crassa maioria, um conjunto de terroristas que devem ser tratados da forma violenta e discriminatória como são tratados os políticos catalães presos e exilados no estrangeiro.

 

Foi há um ano que muitos políticos catalães, outrora membros da «Generalitat» que foram forçados a fazer o papel de Copérnico sob a ameaça da tirania da monarquia espanhola que patrocinou e apoiou a violência policial a que já aqui fiz referência.

 

Efectivamente o tempo passa depressa. Depressa demais. Especialmente para quem ainda tinha a vã esperança de que Espanha se comportasse como o Estado democrático que diz ser.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (02/10/2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Os donos disto tudo

por Pedro Silva, em 12.02.18

imagem crónica RS.jpg 

Quem tem por hábito acompanhar a minha opinião escrita semanal sabe muito bem que sou um crítico acérrimo do actual estado de coisas no espaço europeu. E aqui aproveito para fazer um esclarecimento, pois já não é a primeira vez que tenho de explicar por a+b que isto de ser um crítico acérrimo do actual estado de coisas no espaço europeu é completamente diferente de estar contra o projecto europeu. Eu defendo e percebo a necessidade da existência da União Europeia e que existem regras que os Estados-membros devem seguir.

 

Agora, não concordo é com a forma como tudo evoluiu nos últimos anos e discordo inteiramente com a aparente forma como se pretende dar continuidade a um projecto que é de todos e deve ser de todos e não somente de dois países. E não, o facto de França e Alemanha se terem apossado do poder decisório europeu por força de uma interpretação ad hoc do Tratado de Lisboa não justifica tudo. É muito por causa desta interpretação que isto esteve mal, está mal e, após um período de alguma tranquilidade, vai continuar a estar mal.

 

A base sob a qual assentou durante muitas décadas o projecto europeu era a de que somos todos diferentes, mas somos todos iguais. Tal foi assim até ao momento em que a Europa foi fustigada por uma tremenda crise. Crise que serviu para França e Alemanha, apoiadas pelos seus aliados económico-financeiros (Holanda, Luxemburgo, Polónia, Hungria, Bélgica, Finlândia, entre outros), implementarem a tese de quem manda aqui somos nós e o resto é letra. A partir deste momento deixou de haver uma União Europeia com Estados-membros para passar a haver uma espécie de colete-de-forças político cujas directrizes económicas foram determinadas partindo do pressuposto de que na Europa existem países de 1.ª, países de 2.º e países de 3.ª.

 

A ideia de igualdade europeia diluiu-se por completo na ideia da governação bicéfala franco-germânica. E qual foi o preço que a Europa pagou por ter seguido cegamente tamanha barbárie? Subida generalizada das forças extremistas, criação de Governos radicais, tremendas dificuldades na formação de alguns dos Governos europeus (como sucedeu recentemente na Alemanha, por exemplo) e o famoso Brexit (atribuir a responsabilidade de tal somente aos britânicos é negar o óbvio).

 

Contudo a Europa recentemente viveu um período de alguma acalmia e prosperidade. Isto apesar de a França já ter um Governo - aparentemente - estável liderado por um Presidente da República que tanto diz uma coisa, como diz outra. A somar a isto tivemos as alterações forçadas da política económica europeia provocadas, em parte, pelo sucesso do actual modelo económico-financeiro e governativo português e pela necessidade de o espaço europeu se precaver contra as maluqueiras comerciais da américa de Donald Trump.

 

Só que tudo isto pode muito bem vir a ser sol de pouca dura. E pode sê-lo porque tudo indicia que a Sra. Merkel vai, finalmente, poder formar governo na Alemanha. E vai fazer tal em conjunto com o partido do Sr. Schulz. Partido este cujo líder (Martin Schulz) afirmou em plena campanha eleitoral (salvo erro) Europa Federada ou rua. Ou seja; embora o Sr. em questão tenha optado por não dar seguimento à possibilidade de vir a ser p próximo Ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, a sua tese de que a Alemanha – com a conivência e participação activa da França - quer, pode e manda vai vingar porque o Ministério das Finanças vai estar na posse de alguém ligado ao seu partido.

 

Vamos a ver como vai tudo terminar, mas confesso que não tenho nenhuma perspectiva optimista sobre o que aí vêm. Acrescento tão-somente que é lamentável que na Europa as coisas tenham chegado ao ponto de isto mais parecer uma espécie de Império romano do ocidente. E todos sabemos como as coisas acabaram para este mesmo Império.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (12/02/2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D