Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bom senso

por Pedro Silva, em 25.10.20

transferir.png

Ponto prévio, não sou contra nem a favor do uso de máscaras na via pública quer seja possível, ou não, o distanciamento social a que essa pandemia nos obriga. Sou, isto sim, inteiramente a favor que em tempos de crise profunda, de falência das lideranças e de tremenda e preocupante descoordenação dos nossos governantes impere algo tão simples e precioso como o bom senso.

Isto para aqui dizer que na minha opinião não me parece razoável esse futuro e muito desejado obrigar à força o cidadão comum a ter de usar a máscara na via pública sempre que o distanciamento social não seja possível. Prefiro, de longe, a sensibilização, a fiscalização e prevenção. Isso porquê:

1 – Cidadãs e cidadãos existem que padecem de doenças ou problemas de saúde ou realizam trabalhos que os impedem de usar a máscara. A recente Lei aprovada na Assembleia da República permite a essas pessoas solicitar uma declaração médica que justifique o não uso da máscara nas circunstâncias já aqui referidas, mas ou essas mesmas pessoas tem capacidade financeira para poderem ser acompanhadas no privado ou então vão estar meses à espera que o seu médico as possa atender tal a balbúrdia que vai nos Hospitais e Centros de Saúde por causa da histeria patrocinada pela nossa Comunicação Social e Governo de António Costa em torno da problemática da Covid-19;

2 – Está demonstrado por a+b que a disseminação da doença se dá, essencialmente, em espaços onde existam multidões. Então porque razão se permitiu a entrada de público no Grande Prémio de Fórmula 1 que se realizou no Algarve esse Domingo? Público este que não respeitou o devido distanciamento social mas que se encontrava munido da máscara. O mesmo tipo de lógica aplico a eventos culturais, desportivos e religiosos;

3 – A obrigação da utilização da máscara vai criar na maior parte das pessoas uma falsa sensação de segurança. O facto de cumprir a Lei mas não fazer o resto (distanciamento social. higiene e etiqueta respiratória) vai redundar no mesmo e o problema da Covid em vez de diminuir, aumenta;

4 – Ausência total e fatal de liderança dos nossos governantes e Direcção Geral de Saúde (DGS). Porque razão António Costa e o seu Executivo não prepararam com tempo um plano estratégico nacional (de Norte a Sul) para que todos os Hospitais e Centros de Saúde estivessem preparados para o que estamos a passar reforçando, desde logo, pessoal qualificado/não qualificado, material e espaço para se poder responder, da melhor maneira possível, ás solicitações dos doentes Covid e não Covid? Esse ponto devia dar que pensar;

5 – Custa-me entender que depois do sucedido em vários Lares e que está a suceder em várias Escolas, Faculdades, demais estabelecimentos de ensino, locais de trabalho, transportes públicos, etc. ainda não surgiu ninguém no Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (e outros Ministérios) e, inclusive, Assembleia da República que tenha tido a capacidade de perceber que é fundamental fiscalizar, fiscalizar, fiscalizar e fiscalizar previamente mesmo que para tal se tenha de reforçar Recursos Humanos e meios e, por último;

6 – Custa-me a crer que o comum dos cidadãos saiba utilizar a máscara correctamente de forma a não prejudicar a sua saúde. As máscaras cirúrgicas (as mais solicitadas) têm um curto prazo de validade e não devem ser utilizadas das 9H às 19H sob pena de provocarem patologias como tonturas, alergias, complicações oculares, etc. Claro que quem for profissional de saúde sabe o que deve fazer para além de que sabe também que para se proteger eficazmente da Covid necessita de algo mais do que uma máscara no rosto.

Em suma. Não vou aqui alimentar discussões e muito menos entrar nas vulgares conversas que por norma acabam sempre no insulto gratuito.

Não sou, nem quero ser, o Dono da Razão.

Apenas quis deixar aqui a minha opinião e, sobretudo, apelar ao bom senso de todos nós e pedir a quem nos governa que assuma de vez as suas responsabilidades e procure, de facto, buscar soluções para o problema em vez de recorrer ao extremismo que nada mais transparece senão uma total descoordenação que assusta e abre caminho a aventureiros do estilo André Ventura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28


SMS da semana

por Pedro Silva, em 19.10.20

SMS da semana 20 de Outubro de 2020.png

Quem quiser pode ler a notícia na integra aqui.

Já há muitos anos que em Portugal se deveria ter colocado de lado o famoso "casa roubada, trancas à porta".

Mas isso do "mais vale prevenir do que remediar" é "coisa para inglês ver".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:50


SMS da semana

por Pedro Silva, em 09.10.20

SMS da semana 09-10-20.png

in: Notícias ao Minuto

Citando o falecido Fernando Pessa... E esta, hein?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11


Recauchutagem do sistema

por Pedro Silva, em 20.05.20

imagem crónica RS.gif

Tempos de crise aguda como a que vivemos exigem, sem sombra de qualquer dúvida, respostas agudas da parte de quem nos governa. Tal é válido internamente como externamente ou não fosse a economia Mundial um tremendo dominó que tanto pode ser um paraíso como um inferno dependendo da forma como cai – ou não – a primeira peça..

Contudo num Mundo com tantas diferenças as respostas à crise provocada pela Covid-19 tem sido, também elas, muito diferentes entre si.

Alguns líderes mundiais (felizmente poucos) optam pela teimosia latente, formas de enriquecimento à custa de placebos que as farmacêuticas tem ás paletes nos seus armazéns, apelos ao fregreso a ditaduras militares, actos de violência e desrespeito para com os órgão de comunicação social que se recusam a dar tempo de antena aos seus disparates públicos, e por aí adiante.

Outros líderes mundiais, mais concretamente os europeus, optaram numa primeira fase por um confinamento mais ou menos rigoroso (cada país teve o seu “inferno”, pelo que a resposta ao mesmo variou) e agora que a pandemia parece estar a estabilizar optam por uma espécie de recauchutagem do sistema. Países há que abrem a sua economia - uns mais lentamente e outros de forma mais célere - para que tudo volte não ao normal de antigamente mas sim ao novo normal.

E é, a meu ver, que na nossa Europa existe um problema. Sendo a União Europeia um espaço comum, de economia comum e. em certos e muitos pontos, de finanças comuns, creio que deveria existir uma estratégia comum de reabertura da economia europeia (mesmo que a Covid-19 tenha afectado mais ou menos certso Estados-membros). Não falo aqui numa reabertura unânime pois tal em Democracia é quase impossível… Recordo que a União Europeia tem 28 Estados-membros (o Reino Unido ainda não saiu oficialmente da União), pelo que é de todo impossível que haja uma concordância plena entre todos.

È que estou em crer que esta recauchutagem do sistema – forçada em muitos países – nosm primeiros tempos até que pode disfarçar e dar a sensação de que tudo está bem que vamos ficar bem, mas a economia é travessa tal como a sua “amiga” diplomacia. São muitos e variados os imprevistos que forçam uma viragem rápida do rumo dos acontecimentos. Tal já aconteceu no passado e não estou em crer que no presente e futuro tal não venha a suceder.

É neste cenário que olho com uma certa preocupação para o que está a acontecer na Europa.

França e Alemanha anunciaram publicamente um programa de apoios a fundo perdido a todos os Estados-membros.

Nada que já não tenha sido falado anteriormente com a Holanda a fazer finca pé com a sua tese de que este programa deverá ser de empréstimos com juros baixos e não a fundo perdido. Na altura os holandeses acabaram por ver metade ads saus pretensões atendidas pois nem França nem Alemanha tinham grande interesse num tal programa ou não estivessem ambos (especialmente a França) a braços com um crescente caso de cidadãos infectados com a Covid-19.

Mas agora que a temática está de novo em cima da mesa europeia, desta vez com o papel de mau da fita a ser interpretado pela Áustria,  quem me garante a mim e qualquer português (aka cidadão europeu) que alemães e franceses não acabarão por ver nas pretensões austríacas uma forma de fazer valer a sua posição de potências dominantes na Europa impondo, para tal, a austeridade que o nosso Primeiro-ministro diz repudiar veemente?

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


E agora não falam?

por Pedro Silva, em 05.05.20

imagem crónica rs.jpg

Enquanto que cá pelo nosso Portugal perdemos tempo a debater o que não tem interesse algum como é o caso de os peregrinos não poderem participar nas celebrações de Fátima, por este Mundo fora vão acontecendo coisas graves. Gravíssimas que tem por base a pandemia que devastou por completo o nosso modo de estar na Vida e que, em certos países, aumentou o crasso e problemático fosso social.

O maior exemplo de tal é o Brasil. Na República Federativa do Brasil a desigualdade social não é uma novidade. É algo que se tem vindo a agravar nas últimas décadas. A governação de Lula da Silva e Dilma Roussef, juntamente com um conjunto favorável de factores económicos, pode ter atenuado um pouco o problema, mas a verdade é que este nunca deixou de existir. A crise da Covid-19, aliada à forma caricata e – porque não dizê-lo? -apalermada como Jair Bolsonaro tem gerido a problemática para desta tirar proveito e (quem sabe?) arranjar forma de se eternizar no poder, apenas tem exposto ainda mais o quão desigual é o país das chuteiras.

Ainda esta semana o famoso jornal Folha de São Paulo publicava um estudo em que ficava bem patente o quão desigual é o Brasil. Segundo este matutino, a ordem de confinamento era acatada pelas classes mais abastadas enquanto que as que oferecem mais resistência são as mais pobres (entenda-se favelas). Tal tem sido bem patente na forma como a pandemia se tem espalhado pelos vários Estados brasileiros com Manaus, o parente mais pobre de todos, mergulhado num caos sem precedentes.

Como se não bastasse, no meio de tudo isto Jair Bolsonaro, Presidente eleito da República Federativa do Brasil apoia publicamente manifestações que pretendem impor uma ditadura militar, atenta contra os órgãos de soberania sempre que estes não acatam os seus desejos e ensejos, demite ministros que não pactuam com o seu tremendo desleixo perante a mortalidade provocada pelo coronavírus, apoia e incita actos de violência contra órgãos da comunicação social que o criticam e apela à violência física e verbal contra quem acha que a pandemia se deve combater da mesma forma que a maioria dos países (isolamento social, confinamento, paragem da actividade económica, etc).

Jair Bolsonaro acha que a Constituição lhe deve lealdade e respeito. Quando em democracia deveria ser o oposto. E, salvo prova em contrário, o Brasil é um país onde impera a democracia. Recorde-se que Bolsonaro foi eleito. Não tomou o poder de assalto pela força das armas.

Em suma, Jair Bolsonaro actua, pensa, age e participam e patrocina actos públicos que assentam no autoritarismo. Uma postura idêntica em muitos aspectos ao de Nicolás Maduro, conhecido líder da Venezuela.

Ê aqui que reside o cerne da questão… Maduro é – muito bem – fortemente criticado e isolado por algumas nações europeias, sul americanas e Estados Unidos da América. Já Jair Bolsonaro parece ser apontado como um maluquinho que tem piada porque no Brasil tudo se compra, tudo se tolera e tudo se faz porque tudo tem um certo e determinado preço.

Bem sei que estamos todos a passar por uma crise a todos os níveis sem precedentes e que vai deixar marcas profundas, para todo o sempre, nas nossas vidas, mas apetece-me perguntar que a história não nos ensina mada?

Bolsonaro não está a fazer nada de novo. Nada que anteriormente não tenha sido feito na américa latina com o alto patrocínio dos Estados Unidos e de muitas nações europeias que fizeram com que ditaduras sanguinárias prosperassem durante décadas.

É caso para se dizer, e agora não falam? Ou só falam quando o maluco que se apossa do poder é oriundo da esquerda radical?

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Outubro 2020

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D