Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Atomic Blonde - Agente Especial

por Pedro Silva, em 05.11.17

c597e70f-8f73-47e1-8904-d6d79e4b6341 

"Atomic Blonde"

AcçãoMistérioThriller - (2017)

Realizador: David Leitch

Elenco: Charlize Theron, James McAvoy, Sofia Boutella

 

Sinopse: O comunismo está em colapso e em breve o Muro de Berlim irá abaixo com ele. Duas semanas antes, um oficial MI6 disfarçado, foi morto em Berlim e estava carregado de informações de uma fonte no Oriente, uma lista que supostamente contém o nome de cada agente de espionagem que trabalha em Berlim. Agora uma espia experiente sem vínculos pré-existentes em Berlim, foi enviada para este barril de pólvora de agitação social, contra-espionagem, deserções e assassinatos secretos.

 

Critica: Este é daquele tipo de filme que tem tudo para ser muito bom mas que peca por faz da sua essência a violência, violência esta que em muitas cenas é levada ao extremo. Em certos momentos chega mesmo a roçar o ridículo. David Leitch tentou seguir o estilo do “The Departed” de Martin Scorsese, mas este falha redondamente nesta sua intenção. É uma pena pois este “Atomic Blonde - Agente Especial” tem tudo para ser um filme bastante agradável de se ver.

 

Dizer-se que este filme tem um argumento é uma pura anedota. Este tem um bom pano de fundo e um enredo fantástico, mas argumento é coisa que não tem de certeza. Só assim se percebe que Charlize Theron passe 95% do filme a levar ou á pancadaria com alguém. Em certos momentos isto até que aborrece. É isto e a tresloucada quantidade de tabaco que as personagens fumam como se nos anos 80 fosse tudo louco por nicotina.

 

No elenco o meu destaque vai inteirinho para o trabalho fantástico de James McAvoy. O actor faz algo de extraordinário neste filme que é colocar o espectador contra a sua personagem. E o objectivo até que é este. Já Charlize Theron mostrou ter um jeitinho bestial para andar à porrada. Isto se tiver sido Charlize Theron a protagonizar todas as cenas do “Atomic Blonde - Agente Especial”. Sofia Boutella até que se safou bem se bem que quase não apareceu a não ser em determinadas “cenas”.

 

Os cenários não estão grande coisa. Bem sei que a ideia é a de mostrar a Berlim do leste dos anos 80 completamente em ruínas, mas existem certos limites para o exagero. Nem tudo era a selva urbana que o filme nos quer fazer crer que era. Para além de que David Leitch poderia – e deveria – ter variado um pouco mais os cenários dado que a determinada altura ficamos com a sensação de que tudo se passa no mesmo local.

 

A única coisa que se pode apelidar de muito razoável é mesmo a Banda Sonora. E mesmo assim é preciso um certo esforço para darmos por ela.

 

Concluindo; “Atomic Blonde - Agente Especial” é um filme que tem potencial mas que está arruinado pelo excesso de violência. Contudo recomendo a que o vejam e façam o vosso próprio juízo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


O Caçador e a Rainha do Gelo

por Pedro Silva, em 16.07.16

532308.jpg 

AventuraAcçãoDrama - (2016) "The Huntsman: Winter's War"

Realizador: Cedric Nicolas-Troyan 

Elenco: Chris Hemsworth, Charlize Theron, Jessica Chastain, Emily Blunt

 

Sinopse: Freya é a irmã boa da toda poderosa Rainha Ravenna. Depois de passar por um trauma, no entanto, ela desperta para os poderes mágicos e se isola. Longe da irmã, ela constrói seu próprio reinado – se torna a Rainha do Gelo –, onde recruta crianças para compor seu exército, sob duas ordens: jurar obediência a ela e que os jovens abdiquem de qualquer forma de amor. Dois dos pequenos mais talentosos para o combate, Erik e Sara, crescem e se apaixonam.

 

Critica: Muito satisfatório. À primeira vista pode-se dizer que “O Caçador e a Rainha do Gelo” é uma produção interessante com bons protagonistas, mas uma série de pequenos erros fazem do filme algo de muito satisfatório. Para mais falamos de uma produção cinematográfica que necessitou de algum marketing para se afirmar perante o público no geral, facto que - por si só – não é nada bom.

 

Este é daqueles filmes que até que tem uma boa base de trabalho no que ao argumento diz respeito. Em vez de seguir a triste e enfadonha metodologia da Hollywood de hoje em dia, Cedric Nicolas-Troyan repensou uma história antiga e já muitas vezes explorada no mundo do cinema para daí extrair algo de bom – aplicando-lhe o estilo do “Senhor dos Anéis” - contudo a experiência não lhe correu bem. É verdade que “O Caçador e a Rainha do Gelo” “puxa” pelo nosso interesse mas depois sofre uma espécie de “corte” a meio da sua história e a partir daí tudo se torna previsível e demasiado enfadonho de se acompanhar. Uma pena dado que temos aí matéria-prima para algo bem melhor.

 

Relativamente ao elenco, destaco pela positiva os trabalhos de Charlize Theron e de Emily Blunt e pela negativa Chris Hemsworth e Jessica Chastain. E tudo isto por uma simples razão: ter-se um bom desempenho numa produção cinematográfica não se esgota em ser-se muito bom em andar à pancada e à espadeirada. É preciso transmitir carisma e sentimento ao espectador e tanto Charlize Theron como Emily Blunt fazem isto na pergeição. Já os outros dois… Tem muito que melhorar se quiserem ser levados a sério no mundo do cinema.

 

Quanto aos cenários e banda sonora… Uma pobreza franciscana no verdadeiro sentido do termo. É notória a tentativa de Cedric Nicolas-Troyan em fazer algo de semelhante ao “senhor dos Anéis” no que a estes dois aspectos diz respeito, mas o falhanço é muito grande e acaba por retirar muito do interesse que este  “O Caçador e a Rainha do Gelo” poderia (e deveria) ter.

 

Em suma, trata-se de um filme que tem a minha recomendação dado que estamos naquela altura do ano em que cinema de qualidade é coisa que escasseia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Homens de Honra

por Pedro Silva, em 19.11.15

5HRLLQRN9kxObb4jGUJDXWAE02t.jpg

BiografiaDrama (2000) – “Men of Honor”

Realizador: George Tillman Jr.

Elenco:  Cuba Gooding Jr., Robert De Niro, Charlize Theron

 

Sinopse: Carl Brashear, (Cuba Gooding Jr.), é um jovem negro determinado em não deixar que nada lhe impeça o caminho. Filho de um agricultor do Kentucky, Carl deixa a sua casa em busca de uma vida melhor. Quando se despediu o seu pai disse-lhe: "Nunca desistas... Sê o melhor", e Carl fez dessas palavras o lema da sua vida. Alista-se na Marinha e concorre ao lugar de mergulhador na nova divisão de elite criada para missões de salvamento e investigação. O oficial responsável pela formação de Carl, Billy Sunday (Robert de Niro) decide ignorar Carl e as suas ambições. E dedica-se a esforçá-lo fora dos limites normais de resistência com o objectivo de o levar a falhar e consequentemente desistir. No entanto, com o tempo, os dois homens constroem uma relação baseada no respeito que acabará por fazê-los lutar lado a lado pela sua honra e pelas suas vidas. Com os vencedores de Óscares da Academia, Cuba Gooding Jr. e Robert De Niro, Homens de Honra é uma história inspiradora sobre o espírito humano e determinação.

 

Critica: Este é daqueles filmes que entra na minha muito restrita galeria de excelência. Já o tinha visto na televisão há uns bons anos e foi um prazer voltar revê-lo. Um trabalho de excelência para o mundo do cinema este “Homens de Honra” de George Tillman Jr.

 

O argumento, pedra chave de qualquer filme (nunca me caso de “bater nesta tecla”), está muitro bom. Cativante, moralizador e sobretudo muito centrado numa história verídica que se aplica no nosso dia-a-dia. Peca somente pelo facto de em certos momentos ser algo romântico demais, mas convêm não esquecer de que estamos a falar de um filme e não de um documentário pelo que este pormenor não retira de forma alguma o meu excelente.

 

Quanto ao elenco, é um luxo poder ver e rever profissionais deste gabarito. Robert De Niro faz um “papelaço” (um dos seus melhores trabalhos) e Cuba Gooding Jr. Faz o mesmo. O elo mais fraco acaba por ser Charlize Theron mas tal não se deve á qualidade da Actriz mas sim ao facto de a sua personagem ter um papel um tudo ou nada residual. Mais uma vez digo: excelente trabalho de George Tillman Jr..

 

Por último o cenário e a banda sonora. Ambos ficaram um pouco aquém da qualidade dos restantes elementos do filme. Se calhar se o Realizador tivesse explorado um pouco mais a bnada sonora e alguns cenários “Homens de Honra” teria tido um impacto positivo ainda maior na história do cinema. Duas pequenas pedras no sapato de George Tillman Jr.

 

Em suma; trata-se de um filme que tem a minha mais do que óbvia recomendação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02


Mad Max: Estrada da Fúria

por Pedro Silva, em 28.06.15

MAD_MAX_BPO_RGB_2764x4096.jpg.300x441_q85_crop.jpg

Acção, Aventura (2015) - "Mad Max: Fury Road"

Realizador: George Miller 

Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Hugh Keays-Byrne

 

Sinopse: Perseguido pelo seu turbulento passado, Mad Max acredita que a melhor forma de sobreviver é não depender de mais ninguém para além de si próprio. Ainda assim, acaba por se juntar a um grupo de rebeldes que atravessa a Wasteland, numa máquina de guerra conduzida por uma Imperatriz de elite, Furiosa. Este bando está em fuga de uma Cidadela tiranizada por Immortan Joe, a quem algo insubstituível foi roubado. Exasperado com a sua perda, o Senhor da Guerra reúne o seu letal gang e inicia uma impiedosa perseguição aos rebeldes e a mais implacável Guerra na Estrada de sempre.

 

Crítica: Começo pela nota como de costume: satisfaz. Mad Max: Estrada da Fúria do Realizador George Miller  está bem melhor do que os anteriores da saga Mad Max (mau era se tal não fosse uma realidade), mas o filme continua a ser mais do mesmo. Não se crie a ilusão de que se vai ver algo de muito diferente e com algum conteúdo.

 

Já aqui o disse e repito, este novo Mad Max de novo tem apenas os actores e melhores efeitos especiais que tornam esta produção de George Miller  mais “apetecível”, de resto em termos de argumento este praticamente não existe. Basicamente é tudo mais do mesmo se bem que este “mais do mesmo” foi mais bem trabalhado o que me leva a dizer que a “reciclagem” que o seu realizador levou a cabo até que foi bem-sucedida.

 

Quanto ao elenco pouco ou mesmo nada há a dizer. Trata-se de um filme onde a nossa atenção é atraída quase que forçosamente para o que se vai passando pelo que não se dá pelo trabalho dos actores. Dentro do exigido até que estiveram bem, mas longe de terem estado brilhantes. Não haverá, de certeza, neste Mad Max um sucessor de Mel Gibson.

 

Por últimos os cenários são de uma pobreza franciscana. Bem sei que é preciso passar a mensagem de apocalispe, mas também não precisam de exagerar. É areia a mais para o meu gosto.

 

Em jeito de conclusão; recomendo este Mad Max: Estrada da Fúria aos fãs da saga e a quem não tiver nada mais interessante e com mais conteúdo para ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:55


Mil e Uma Maneiras de Bater as Botas

por Pedro Silva, em 18.09.14

Comédia, Western (2014) - A Million Ways to Die in the West

Realizador: Seth MacFarlane 

Elenco: Seth MacFarlane, Charlize Theron, Amanda Seyfried, Liam Neeson

 

Sinopse: Albert é um cobarde pastor de ovelhas, acabado de escapar de um tiroteio. A sua instável namorada deixa-o por outro homem. Quando uma misteriosa e bela mulher chega à cidade, ela ajuda-o a encontrar a sua coragem e começam a apaixonar-se. Mas, quando o marido, um famoso fora da lei, chega à procura de vingança, o pastor vai ter de pôr à prova a sua recém-descoberta coragem.

 

Critica: É muito difícil, mesmo muito difícil, eu gostar de uma comédia. Nunca me revi neste tipo de género cinematográfico porque muitos Realizadores criam palhaçadas em vez de comédias, mas eu não podai de forma alguma passar ao lado de um filme realizado pelo criador da grandiosa série Family Guy e do espectacular Ted.

 

Vi então o filme e foi aposta ganha. Adorei ter visto este filme. Sou um apaixonado por Westerns e como tal é natural que tenha gostado muito deste apesar de ter um desenrolar completamente diferente do habitual. Humor de qualidade, Actores e Actrizes que sabiam muito bem o que estavam a fazer, um Guião de excelência e a cereja no topo do bolo: o Brian de “carne e osso”!

 

Não é filme para ganhar Óscares porque a Academia tem sempre um certo padrão de pudor artístico, mas é sem sombra de dúvida um filme obrigatório que recomendo vivamente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D