Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Do mal o menos

por Pedro Silva, em 03.01.19

nada-melhor-do-que-entrar-em-2019-com-a-premissa-d

imagem retirada de zerozero

 

Bem sei que no nosso campeonato não se pode exigir muito das nossas equipas, mas pelo amor de deus. Hoje CD Aves e FC Porto protagonizaram aquele que terá sido – para já – um dos piores jogos desta temporada. A culpa maior de tão enfadonha coisinha é, sem sombra de dúvida e com a maior das naturalidades, dos Dragões dado que são, de longe, u8am equipa muito melhor em termos de qualidade do que o conjunto de mancos que José Mota diz treinar e orientar.

 

Efectivamante como portista apenas me apetece dizer que a única coisa que se aproveita da deslocação dos comandados de Sérgio Conceição à Vila das Aves é a vitória do Futebol Clube do Porto. É uma vitória que aumenta o tremendo recorde de vitórias seguidas da turma de Conceição é verdade, mas não passa de uma vitória fraca. Muito fraca! O golo que deu os três pontos aos portistas é o culminar de uma série de ressaltos e de um Militão na hora e lugar certos. Tudo o resto é uma história que contada, ninguém acredita. A meu ver exigia-se muito mais a este FC Porto. Especialmente perante uma equipa avense que mostrou que estar próximo da zona de descida é um tremendo privilégio. O CD Aves deveria antes ser o último classificado do nosso campeonato!

 

Claro que este tipo de vitórias faz parte do processo até porque o futebol não é ópera, mas fiquei com a nítida e clara sensação de que bastaria um bocadinho mais de empenho da parte dos onze eleitos por Sérgio Conceição e não se teria vivido o tremendo sofrimento que toda a Nação Azul e Branca viveu hoje no Estádio do Clube Desportivo das Aves. Espero que na próxima segunda a equipa azul e branca esteja bem mais preparada para poder fazer frente – como deve ser! – a um adversário bem melhor do que este triste e enfadonho Aves.

 

MVP (Most Valuable Player): Felipe. O “Xerife” foi hoje, na minha opinião, o melhor em campo. Não houve adversário que conseguisse passar pelo central brasileiro que esteve – sempre – exímio nas dobras a Maxi Pereira que está claramente a acusar a “idade da reforma”.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Em momento algum as equipas foram capazes de criar um lance que fizesse com que a vitória pendesse, em, definitivo, para o seu lado.

 

Arbitragem: Arbitragem exemplar de João Pinheiro. Decisões acertadas relativamente aos golos anulados e, em relação aos critérios disciplinares, nada a apontar.  Análise e opinião de  Ricardo Lestre (jornalista do site zerozero).

 

Positivo: As substituições de Sérgio. O treinador do FC Porto percebeu o que tinha de fazer e quando fazer para que o FC Porto dominasse um jogo que insistiu em complicar. Infelizmente não teve a devida resposta por parte dos seus comandados.

 

Negativo: Falta de empenho. Dizem que ganhar muitas vezes seguidas cansa. Nota-se! Os atletas do FC Porto hoje não quiseram “dar o litro” diante de um tão acessível adversário. A ver se tal não passou de um “mau estar passageiro”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


Contra tudo e contra todos!

por Pedro Silva, em 04.08.18

imgS620I227658T20180804225353.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Bem sei que muita gente não vai gostar do título, mas depois do que vi hoje impossível era não resgatar um velho lema portista. Tanta pancadaria deu este CD Aves com a complacência e incompetente conivência do Sr. que foi escolhido para apitar esta partida. Yacine Brahimi lesionado após entrada dura de um jogador do Aves. Tiquinho Soares lesionado após entrada dura de um jogador do Aves. Héctor Herrera com o sobrolho aberto após entrada dura de um jogador do Aves. E por aí adiante. Já deu para se perceber que esta época vai ser muito mais difícil do que a anterior. Adiante. Vamos ao jogo jogado.

 

Este não terá sido um jogo que me tenha agradado muito. Especialmente se tivermos em linha de conta a forma quase que “pachorrenta” como o Futebol Clube do Porto entrou em campo diante de uma equipa avense que deu tudo o que tinha até o físico “dar o berro”.

 

Equipa como a do FC Porto não pode – nem deve! – sofrer um golo da maneira que sofreu hoje. O meio campo tem o dever de fechar a entrada da sua área para que desta forma se evitem os sempre perigosos remates de fora da dita. É verdade que muitas vezes estes remates não entram, mas às vezes a sorte (e a qualidade) de um jogador pode mudar esta “regra”. Claro que se pode e deve elogiar o “despertar” da equipa de Sérgio Conceição após o golo sofrido, mas isto de se fiar na excelente qualidade de Diogo Leite, Iker Casillas e na Sra. D. Deusa da Fortuna não é a melhor das opções. Eu sei que estamos numa fase inicial da temporada, mas é assim que se perdem jogos… Espero que tal não se repita para a semana diante do Chaves na jornada inaugural do nosso campeonato.

 

A aposta de Otávio no centro do campo é interessante. O problema é que tal exige muito de Sérgio Oliveira que tem a dupla função de organizar jogo e de recuperar bolas. Isto porque hoje voltamos a ter aquele Héctor Miguel que nem um simples passe para o lado sabe fazer em condições. Realmente assim é complicado. A coisa só melhorou para os Dragões quando p Aves começou a perder alguma força e os golos portistas (enorme jogada entre Otávio e Maxi no segundo golo do FC Porto!) foram aparecendo. Claro que a entrada de Oliver Torres em campo “ajudou á Missa”. Aliás, este foi um jogo em que Sérgio Conceição me pareceu ter estado bem nas substituições.

 

Em suma; até que gosto da ideia de jogo deste Futebol Clube do Porto versão 2018/19. Este procura jogar um futebol mais pensado, com posse de bola em busca de transições rápidas quando estas são possíveis e procura – quase sempre – aproveitar o facto de Aboubakar ser um dos melhores na sua posição no que a jogar em tabela diz respeito, mas isto ainda está longe de estar bem. O facto de se ter vencido a Supertaça mão desvia a minha ideia de que é preciso algo mais. Sérgio Conceição não vai ter sempre pela frente equipas que acusem o desgaste físico ao longo dos 90 e poucos minutos da partida.

 

MVP (Most Valuable Player): Otávio. Maxi Pereira esteve bem e até que marcou um golo, mas a verdade é que para mim este esteve longe de ter sido o MVP desta partida, Este título para mim é de Otávio que hoje jogou muito bem. O brasileiro criou linhas de passe e foi muito por sua culpa que os portistas encontraram o caminho da vitória.

 

Chave do Jogo: Veio com a entrada de Oliver Torres em campo para decidir a partida, em definitivo, para os azuis e brancos. È verdade que por esta altura o CD Aves já não fazia mais senão bater a bem bater em tudo quanto era azul e branco, mas a entrada do internacional espanhol em campo trouxe ao meio campo portista uma melhor capacidade de controle do meio campo e, por conseguinte, da partida.

 

Arbitragem: Luís Godinho errou no lance que motivou a expulsão de Sérgio Conceição. Era falta de João Felipe sobre Herrera. Foi o principal erro de uma péssima arbitragem.

 

Positivo: Diogo Leite. Excelente no posicionamento em campo e sublime nos desarmes. Ainda é cedo para se ter certezas. Mas a continuar assim este “miúdo” poderá vir a ser um central de excelente qualidade.

 

Negativo: Héctor Miguel Herrera. Como diria um amigo meu, hoje o Herrera resolveu ser o Héctor Miguel de que ninguém gosta. Péssimo no passe e um desastre no posicionamento em campo. Há dias assim (espero!).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:46


O Porto venceu e o Aves perdeu

por Pedro Silva, em 08.04.18

imgS620I218463T20180408200453.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Aquando do final da partida no Estádio do Dragão, Luís Freitas Lobo (comentador da Sport Tv) disse isto sobre o jogo: o Porto venceu e o Aves perdeu. O jogo que vi hoje resume-se exactamente a isto. È que realmente não há nada mais para se dizer sobre tão paupérrima partida. Se o Futebol Clube do Porto vai à Luz na próxima semana jogar desta forma, o mais provável é a coisa correr- muito – mal diante de um Benfica que não tem jogado absolutamente nada nas últimas jornadas da Liga NOS.

 

Confesso que me preocupa, cada vez mais diga-se desde já, certas teimosias de Sérgio Conceição. Sérgio Oliveira é um médio que tem muitas qualidades. Visão de jogo e uma capacidade de remate fora de comum são dois dos seus melhores atributos, mas o Sérgio Oliveira está muito em baixo de forma e é notória a forma (quase) que penosa como este se “arrasta” em campo- Que faz o treinador do Futebol Clube do Porto? Insiste e volta a insistir no moço até um dia aparecer uma das tais “famosas” lesões musculares que o obrigarão a ter de parar por mais de um mês. E onde é que eu já vi este “filme”? Há uns meses atrás com Danilo Pereira. O resultado foi o que se viu.

 

Dizer-se que hoje os azuis e brancos apresentaram uma ideia de jogo é fazer-se pouco de quem trabalha todas as semanas. Viver da sorte de um defesa do Aves ter feito uma Grande Penalidade clara e de um ressalto que bateu em Otávio e que acabou por entrar na baliza da equipa avense é preocupante. Especialmente se tivermos em linha de conta que a equipa de José Mota conseguiu incomodar bastante o FC Porto desgastado fisicamente de Sérgio Conceição antes da chuva ter vindo em força… E mesmo durante o dilúvio a equipa avense ainda teve arte e engenho para atirar uma bola ao poste de Iker Casillas.

 

Vamos a ver o que vai acontecer. A próxima semana vai ditar muito do futuro deste Futebol Clube do Porto. E não, não me parece que um discurso agressivo e motivador vá ser suficiente para se recuperar o que Sérgio Conceição perdeu nas últimas jornadas da nossa Liga.

 

MVP (Most Valuable Player): Alex Telles. O defesa lateral esquerdo foi hoje o menos mau dos portistas. Converteu a Grande Penalidade (coisa rara no Dragão nos tempos que correm) e ainda teve tempo para fazer o seu corredor com uma eficácia impressionante para quem esteve tanto tempo lesionado.

  

Chave do Jogo: Inexistente. Não obstante o Futebol Clube do Porto ter chegado rapidamente a uma vantagem de duas bolas a zero, a verdade é que se a equipa visitante tivesse marcado um golo a vitória portista poderia ter ficado em causa.

 

Arbitragem:  Arbitragem tranquila e sem sobressaltos de Nuno Almeida, que conduziu sempre bem o jogo e que teve um desempenho muito bom. Indiscutível o penálti.

 

Positivo: Vitória do FC Porto. Num jogo de tão má qualidade em que os jogadores azuis e brancos pareciam “desligados”, a única coisa que de positivo que se pode retirar é, tão-somente, a vitória portista que mantém bem acesa a esperança de se conquistar o título.

 

Negativo: Exibição do FC Porto. Equipa que ser campeã nacional tem de jogar mais mesmo quando o adversário é teoricamente mais acessível. Muito mais e melhor, e não dar uma de “fazer o frete”. Os adeptos que estiveram hoje presentes no Estádio do Dragão merecem muito mais respeito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12


Quem anda à chuva molha-se

por Pedro Silva, em 25.11.17

imgS620I209517T20171125224203.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Já diz o povo que quem anda à chuva molha-se, e foi exactamente isto que aconteceu a este Futebol Clube do Porto de Sérgio Conceição na Vila das Aves. O empate dos Dragões diante da equipa de Lito Vidigal tem muito de culpa própria não obstante a arbitragem de Rui Costa ter sido – também ela – o seu enorme peso no resultado final da partida.

 

Acredito plenamente que Sérgio Conceição tenha optado pelo melhor onze possível para esta deslocação à Vila das Aves para defrontar o Desportivo local. Contudo o Mister cometeu o erro crasso de ter subestimado o seu adve4rsário. Durante esta semana que está mesmo a terminar muitos foram os sinais de que esta jornada da Liga NOS ia ser complicada para as aspirações azuis e brancas. O clássico esta aí à porta e havia que “esconder” a vergonha que foi a participação europeia do SL Benfica. Tal explica, e muito, o “fabuloso” empenho do Desportivo das Aves diante dos portistas. Convêm não esquecer que hoje o Aves é uma equipa composta por muitos atletas emprestados pelo Benfica. E existem, inclusive, antigas glórias do Benfica a jogar no tal Desportivo. Sérgio Conceição sabia muito bem de tudo isto. Assim como também sabia que o campo do Desportivo das Aves é pequeno, factor que Lito Vidigal iria utilizar para retirar muito da velocidade com que a equipa azul e branca costuma jogar nas competições nacionais.

 

Foram erros de atenção que a constante bajulação ao trabalho de Sérgio fizeram com que este se esquecesse de que o Vídeo Árbitro (VAR) só funciona a favor do Benfica e Sporting. Só assim se explica que a flagrante Grande Penalidade cometida na 2.ª parte sobre Danilo Pereira não tenha sido assinalada por Rui Costa e VAR. Mas apesar de tudo, tal é manifestamente pouco para justificar os disparates de Jesús Coriona que fizeram com que este fosse expulso. E também não explicam as substituições que Sérgio Conceição fez dado que o problema do FC Porto não esteve – nunca – na frente de ataque, mas sim na falta de um elemento no meio campo que fizesse a ligação entre a defesa e o ataque. Nem o golo portista marcado contra a corrente do jogo fez com que o Técnico dos Azuis e Brancos percebesse o óbvio.

 

Agora de nada serve “chorar sobre o leite derramado”. Há que frisar bem a “inclinada” arbitragem de Rui Costa e a estranha (ou não) ausência do VAR (terá avariado outra vez?), mas não se pode colocar de lado as asneiras que a equipa portista cometeu. Sérgio Conceição reconheceu isto mesmo no final do jogo e eu acredito que na próxima Sexta vamos todos festejar um bom resultado diante do Benfica.

 

MVP (Most Valuable Player): Yacine Brahimi. Este é o Brahimi que gosto de ver jogar. Deu sempre tudo o que tinha para dar em prol da equipa e colocou a sua técnica ao serviço do colectivo. Brahimi foi sempre uma dor de cabeça para a defesa avense. O argelino merecia outro resultado que não o empate.

 
Chave do Jogo: A expulsão de Jesús Corona. É verdade que o FC Porto estava a ter dificuldades em impor o seu futebol e que o Aves até que perdia injustamente, mas a expulsão de Corona terá impedido Sérgio Conceição de ter procedido às correcções que a sua equipa tanto necessitava. O empate a uma bola tem, aí, uma boa parte da sua justificação.

 

Arbitragem: A equipa liderada por Rui Costa esteve correcta durante grande parte do encontro, nomeadamente na expulsão de Jesús Corona. No entanto, ficou por assinalar um penálti sobre Danilo Pereira perto do final. Má arbitragem com influência no resultado final da partida. Fica por explicar a ausência do VAR no já aqui referido lance de Grande Penalidade sobre Danilo.

 

Positivo: José Sá. Hoje o guardião português mostrou – mais uma vez - a razão da inabalável confiança de Sérgio Conceição. Excelente em todos os momentos em que teve de se aplicar a fundo. Foi muito por causa de Sá que o empate se manteve até ao fim.

 

Negativo: Jesús Corona. O internacional mexicano já sabe o que a “casa gasta” pelo que escusava de se ter feito expulsar. Foi uma baixa neste jogo e será uma tremenda baixa para o jogo de Sexta-feira diante do Benfica. Inaceitável!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D