Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os donos disto tudo

por Pedro Silva, em 12.02.18

imagem crónica RS.jpg 

Quem tem por hábito acompanhar a minha opinião escrita semanal sabe muito bem que sou um crítico acérrimo do actual estado de coisas no espaço europeu. E aqui aproveito para fazer um esclarecimento, pois já não é a primeira vez que tenho de explicar por a+b que isto de ser um crítico acérrimo do actual estado de coisas no espaço europeu é completamente diferente de estar contra o projecto europeu. Eu defendo e percebo a necessidade da existência da União Europeia e que existem regras que os Estados-membros devem seguir.

 

Agora, não concordo é com a forma como tudo evoluiu nos últimos anos e discordo inteiramente com a aparente forma como se pretende dar continuidade a um projecto que é de todos e deve ser de todos e não somente de dois países. E não, o facto de França e Alemanha se terem apossado do poder decisório europeu por força de uma interpretação ad hoc do Tratado de Lisboa não justifica tudo. É muito por causa desta interpretação que isto esteve mal, está mal e, após um período de alguma tranquilidade, vai continuar a estar mal.

 

A base sob a qual assentou durante muitas décadas o projecto europeu era a de que somos todos diferentes, mas somos todos iguais. Tal foi assim até ao momento em que a Europa foi fustigada por uma tremenda crise. Crise que serviu para França e Alemanha, apoiadas pelos seus aliados económico-financeiros (Holanda, Luxemburgo, Polónia, Hungria, Bélgica, Finlândia, entre outros), implementarem a tese de quem manda aqui somos nós e o resto é letra. A partir deste momento deixou de haver uma União Europeia com Estados-membros para passar a haver uma espécie de colete-de-forças político cujas directrizes económicas foram determinadas partindo do pressuposto de que na Europa existem países de 1.ª, países de 2.º e países de 3.ª.

 

A ideia de igualdade europeia diluiu-se por completo na ideia da governação bicéfala franco-germânica. E qual foi o preço que a Europa pagou por ter seguido cegamente tamanha barbárie? Subida generalizada das forças extremistas, criação de Governos radicais, tremendas dificuldades na formação de alguns dos Governos europeus (como sucedeu recentemente na Alemanha, por exemplo) e o famoso Brexit (atribuir a responsabilidade de tal somente aos britânicos é negar o óbvio).

 

Contudo a Europa recentemente viveu um período de alguma acalmia e prosperidade. Isto apesar de a França já ter um Governo - aparentemente - estável liderado por um Presidente da República que tanto diz uma coisa, como diz outra. A somar a isto tivemos as alterações forçadas da política económica europeia provocadas, em parte, pelo sucesso do actual modelo económico-financeiro e governativo português e pela necessidade de o espaço europeu se precaver contra as maluqueiras comerciais da américa de Donald Trump.

 

Só que tudo isto pode muito bem vir a ser sol de pouca dura. E pode sê-lo porque tudo indicia que a Sra. Merkel vai, finalmente, poder formar governo na Alemanha. E vai fazer tal em conjunto com o partido do Sr. Schulz. Partido este cujo líder (Martin Schulz) afirmou em plena campanha eleitoral (salvo erro) Europa Federada ou rua. Ou seja; embora o Sr. em questão tenha optado por não dar seguimento à possibilidade de vir a ser p próximo Ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, a sua tese de que a Alemanha – com a conivência e participação activa da França - quer, pode e manda vai vingar porque o Ministério das Finanças vai estar na posse de alguém ligado ao seu partido.

 

Vamos a ver como vai tudo terminar, mas confesso que não tenho nenhuma perspectiva optimista sobre o que aí vêm. Acrescento tão-somente que é lamentável que na Europa as coisas tenham chegado ao ponto de isto mais parecer uma espécie de Império romano do ocidente. E todos sabemos como as coisas acabaram para este mesmo Império.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (12/02/2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


E na Alemanha?

por Pedro Silva, em 04.12.17

PS_enaalemanha_destaque.jpg 

Em Portugal parece haver uma espécie de trauma sempre que um determinado grupo de trabalhadores decide lutar por aquilo a que tem direito. Parece que cá pelo nosso pequeno burgo reina a ideia de que temos de ser todos um povo de brando costumes senão lá aparece o bicho papão e vamos todos desta para melhor.

 

E na Alemanha? O que acontece quando um determinado grupo de trabalhadores decide lutar pelos seus direitos? Por norma tem o apoio da população em geral e com maior ou menor esforço, estes trabalhadores acabam por conseguir fazer valer os seus direitos. Tal aplica-se a todos os sectores de actividade. Claro que podemos acusar os alemães de serem ultra protecionistas em certos sectores de actividade, mas a verdade seja dita que na Alemanha é rara a empresa privada ou pública que “atropele” os direitos dos trabalhadores em noma da “estabilidade económica”.

 

E vem isto a respeito do que está neste momento a suceder na Volkswagen Autoeuropa de Palmela. Existe um conflito laboral que tem horrorizado o actual Governo, “industriais” e demais “investidores” pertencentes ao mais “fino tecido” patronal português. Tudo isto porque os trabalhadores da Volkswagen Autoeuropa de Palmela não querem aceitar a imposição sem negociação de uma jornada contínua obrigatória para todos onde estes receberão de ordenado ao fim de semana tanto como recebem num dia normal de trabalho. E tudo isto por causa de uma modelo novo da Volkswagen que parece estar a ter uma forte saída no mercado automóvel. Para ser sincero ainda não dei pelo dito cujo nas estradas portuguesas, mas não fazendo eu parte do tal “fino tecido patronal português” é natural que tenha de desviar a minha atenção para outras coisas “banais” tais como pagar as contas ao fim do mês com a miséria que conseguir juntar durante um mês de trabalho (isto quando me é possível fazer o tal ajuntamento).

 

Agora vamos imaginar que a Volkswagen Autoeuropa na Alemanha se lembrava de fazer aos seus trabalhadores exactamente o mesmo que pretende fazer aos da sua filiar de Palmela. Sabem o que faziam os trabalhadores alemães? Exactamente o mesmo que os portugueses. E até metiam ao barulho mais estruturas sindicais do que as que temos cá no nosso país. E acreditem que tanto o Governo alemão como a população se colocaria do lado dos trabalhadores porque aquilo que a Volkswagen pretende impor na sua fábrica de Palmela é, simplesmente, ridículo e um manifesto abuso de poder em nome da “estabilidade económica”.

 

Mas lá está, cá por Portugal temos a mania de que temos mesmo de ser todos um povo de brandos costumes, mas rapidamente ficamos muito indignados quando um holandês de cabelos aos caracóis que dá pelo nome de Dijsselbloem passa a ideia de que os portugueses são todos uns bêbados preguiçosos que não sabem gerir as suas finanças.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (04/11/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


A morsa do marceneiro

por Pedro Silva, em 13.11.17

PS_amorsadomarceneiro_destaque.jpg 

Já há muito que venho criticando o actual estado de coisas na União Europeia. Não a União Europeia em si mesmo. Nada de confundir termos e de seguir frases feitas do estilo “ai e a tal és de esquerda e cospes no prato que te deu de comer”. Não sou de esquerda, nem de direita e muito menos do centro. Sou antes um cidadão como outro qualquer que viu todo um esplendoroso projecto europeu a desmoronar-se lentamente como um conjunto de dominós após a entrada em vigor – à força, pois claro - do famigerado Tratado de Lisboa.

 

A ideia de se ter aprovado, repito, à força a entrada em vigor do Tratado de Lisboa tinha em vista a criação de uma espécie de “Estados Unidos da Europa”. Só que esta ideia morreu à nascença por causa do “esfomeado” alargamento a leste que foi promovido, essencialmente, pela Alemanha e seus parceiros económicos e pela não adesão de Estados-membros da dita “elite do Norte” à zona euro.

 

Ora tendo-se falhado o forçado Tratado de Lisboa, o mais sensato seria a classe política europeia ter-se dado um passo atrás para dar dois em frente, mas falar-se em sensatez na actual Europa é o mesmo que falar de petróleo na costa alentejana. Isto porque o Tratado de Lisboa criou o eixo franco-germânico que não quer abdicar do poder que tem em prol da construção europeia. O resultado de tudo isto é aquilo que vemos hoje em dia: uma Europa partida em dois blocos (Norte e Sul) cujos Estados-membros, por força de uma tempestade perfeita (crise financeira, guerra na Síria e Brexit), são obrigados a extremar posições.

 

Obviamente que os países do bloco do Sul como Portugal sofrem com tal. Isto porque estes enveredaram – por vontade própria - por um projecto que lhe retirou soberania, capacidade industrial e agrícola em detrimento de algo que apenas tem servido os interesses do bloco do Norte. Para mais estes mesmos países do Sul são submetidos à morsa que o marceneiro do Norte “aperta” cada vez mais pois a manutenção do actual estado de coisas assim o exige.

 

Claro que podemos, e devemos, ser honestos com nós próprios e dizer que Portugal, Itália, Espanha, Grécia e outros tem muita culpa em todo este tremendo e triste cartório. Estes países tinham a obrigação de, no seu devido tempo e lugar, terem-se impedido de fazer parte de algo para o qual sabiam que não tinham capacidade, mas foram atrás de uma espécie de sonho que ao comum dos cidadãos custa entender.

 

Pelo menos a mim custa-me perceber que Portugal tenha entrado na zona euro sabendo não ter condições para cumprir à risca a inflexível doutrina ultra neo liberal do Norte. Isto porque é muito fácil mandar-se fazer quando se tem capacidade para tal. Já quando não se tem, inventa-se e é muito por causa disto que temos o nosso Estado a falhar cada vez mais em áreas tão vitais como a prevenção dos incêndios, saúde, etc. E isto é ainda o início…

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (13/11/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


Thank you David

por Pedro Silva, em 12.06.17

imagem crónica RS.jpg 

O Reino Unido é hoje uma tremenda barafunda política onde os extremos mandam e tentam impor, sem sucesso, o seu extremismo. O resultado das últimas eleições que Theresa May resolveu antecipar por pura e manifesta arrogância, são a clara evidência de que nas Terras de sua Majestade a barafunda política é soberana.

 

A barafunda no Reino Unido é já de tal ordem que poderá - no médio e longo prazo – isto poderá vir a acabar mal para os britânicos. Trocando isto por miúdos, a incerteza em que vive actualmente a Grã-Bretanha por culpa da sua classe política e do pensamento dominante que - ainda – assola a Europa, vai acabar por enfraquecer o ténue equilíbrio entre Povos que fazem parte do Reino Unido. Convêm não esquecer que os membros do Reino Unido não estão lá muito satisfeitos com tudo o que se tem passado em Londres nos últimos tempos. Os “ventos” separatistas podem muito bem voltar em força com as consequências gravosas de um passado não muito distante.

 

Mas tudo isto poderia, e deveria, ter sido evitado. E isto tanto a nível interno como externo porque David Cameron agiu como agiu porque teve o apoio incondicional de uma Europa que agora tem submetido o Reino Unido a um vergonhoso e deplorável bullying. Uma cena caricata mas verdadeira até porque hoje em dia só entra e sai da União Europeia quem a Alemanha quer e ponto.

 

Obviamente que podemos acusar May de ter sido arrogante nesta sua aposta nas eleições antecipadas. Não é desta forma que se derrota um adversário político. Especialmente se tivermos em linha de conta o estado em que David Cameron deixou o Reino Unido para se dedicar a tempo inteiro ao seu adorado mercado do peixe de Lisboa. Theresa May nunca deveria ter seguido este caminho mesmo sabendo que do outro lado está um Jeremy Corbyn sem uma ideia clara do futuro do Reino, mas também não se poderia esperar outar coisa de alguém que foi somente a Ministra da Administração Interna do governo liderado por David Cameron.

 

Em política a arrogância tem um preço muito elevado, contudo a forma como os apoiantes de May reagiram ao resultado das últimas eleições e a forma autoritária como Theresa May pretende continuar a governar faz-me crer que o velho ditame inglês “Keep Calm and Carry On” vai dar lugar ao “Thank you David”. E quando tal suceder não será pelos melhores motivos.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (12/06/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00


Burro velho não aprende línguas

por Pedro Silva, em 03.04.17

PS_burrovelhonaoaprendelinguas_destaque.jpg 

O Ditado “Burro velho não aprende línguas” transporta em si a ideia de que a inteligência e a aprendizagem não são possíveis de acontecer a partir de determinada idade, ou seja que as faculdades cognitivas do ser humano deixam de existir ou que o Homem vai perdendo capacidades. Partindo da ideia de que o ser humano está em constante evolução ( Darwin), e de acordo com a perspectiva construtivista e interaccionista de inteligência, conhecimento e aprendizagem (Piaget), ao Homem é possível a formação ao longo da vida, através de uma constante adaptação e na interacção com os outros. In ÁGORAEDUCACAO

 

Este ditado popular português descreve na perfeição o actual estado de coisas na União Europeia (UE). Com o Brexit a ser hoje uma clara realidade e o crescimento, aqui e acolá, da extrema-direita seria expectável que a Europa procurasse reflectir sobre o seu futuro para evitar um – mais do que - possível colapso, mas não é bem isto que está a acontecer.

 

De um lado temos a Alemanha e os seus aliados a desejar o pior possível para o Reino Unido para, desta forma, amedrontar e ameaçar os – possíveis - futuros dissidentes europeus. Não que a saída do Reino Unido implique cedência alguma da parte da UE à ideia de Theresa May de que se vão embora mas as relações económicas e financeiras entre ambos ficam na mesma. Pelo contrário. O Reino Unido optou pela saída da UE, e agora tem de se “sentar à mesa para se fazer contas”. Mas daí até se chegar ao que os alemães e aliados desejam vai uma longa distância… E no meio desta distância está a extrema-direita que ameaça, cada vez mais, os valores europeus.

 

Da Holanda vieram os primeiros sinais de perigo. Isto, colocando de parte a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos da América, pois claro. Felizmente o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, resolveu levar a cabo meia dúzia de acusações patéticos na altura das eleições holandesas e tal obrigou a que o reeleito Primeiro-ministro dos Países Baixos tivesse de tomar a postura rígida e radical que é do agrado os apoiantes da extrema-direita, mas em França vamos ter eleições para a Presidência da República, e na linha da frente está a Sra. Le Pen que já declarou publicamente que não descansará enquanto o projecto Europa Unida deixar de ser uma realidade. E não me parece que o maluquinho que preside à Turquia salve – mais uma vez - a europa de tão tenebrosa eleição.

 

Nuvens muito negras aproximam-se cada vez mais da Europa e o que fazem os líderes europeus? Uns a pretexto do Brexit estão - repito - muito mais interessados em aterrorizar os seus colegas europeus e outros (François Hollande) preferem uma Europa a duas velocidades que alargue o fosso Norte/Sul que está, aos poucos, a destruir por completo a União Europeia.

 

A solução de grande parte dos actuais problemas da Europa passa pela extinção da moeda única. Isto porque é muito por causa do euro que os cidadãos europeus são fustigados por uma austeridade bruta e cega, mas para tal era preciso que a Europa deixasse - de vez - de ser burra velha e aprendesse línguas.

 

Uma nota final. Sair do euro não é o mesmo que sair da União Europeia. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Para mais hoje em dia temos países europeus que não fazem parte do euro mas que são membros da UE. Este recado é dirigido aos “engraçadinhos” que resolveram comparar Catarina Martins a Marine Le Pen.

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (03/04/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00



Mais sobre mim

foto do autor


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Frase do Ano


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

CR7 (Bola de Ouro 2017)


Publicidade




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D