Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ao terceiro jogo, eis a vitória

por Pedro Silva, em 22.07.18

imgS620I226617T20180722213450.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Já começava a ser por demais evidente que Sérgio Conceição tinha de fazer alguma coisa. O factor comum nas duas partidas anteriores que os azuis e brancos perderam (2 a 1 com o Portimonense e 2 a 1 com o Lille) é que o tal sistema de “vamos para cima deles” agrada ao comum dos adeptos mas nem sempre é eficaz. Especialmente quando não se tem as “peças” necessárias para tal. Já o tinha dito e volto a repetir, isto de se ter uma equipa com laterais bem subidos nas faixas, a linha defensiva bem adiantada no terreno e os extremos e médios a apoiar os avançados resulta com Danilo Pereira em campo (e em forma). Sem Danilo a coisa é bem mais complicada… O Sérgio Oliveira “disfarça” um pouco o problema, é um facto, mas não é a solução do dito. Convêm que Sérgio perceba isto e – ao mesmo tempo, procure aperfeiçoar o seu sistema mais ofensivo pois este vai ser-lhe útil nos jogos do nosso campeonato

 

Ora como as coisas não estavam a correr bem e começava a surgir um certo burburinho na massa adepta do Futebol Clube do Porto, para esta partida diante do Everton FC de Marco Silva, Sérgio Conceição apostou naquele que, em princípio, será o sistema de jogo a adoptar nas competições europeias. É um sistema que passa, especialmente, por entregar o controlo de jogo ao adversário e a parte ofensiva fica a cargo do médio construtor de jogo, do médio «box to box» e aos extremos que procuram, sempre que possível, tabelar com o avançado para se criarem ocasiões de golo. Obviamente que os lances de bola parada revestem um papel fundamental nesta forma de estar em campo.

 

Esta “forma europeia” (vamos chamar-lhe assim) de estar do FC Porto terá baralhado as contas ao Everton de Marco Silva. A equipa inglesa teve sempre mais bola na primeira parte e chegou, inclusive, a criar alguns lances de perigo na baliza de Casillas. Mas o Everton nunca conseguiu ser verdadeiramente perigoso pois a “tripla” do meio campo portista colocava - quase sempre – em xeque a defesa inglesa. Muito por causa de Otávio que esteve excelente na construção de jogo ofensivo e de Oliver Torres que teve a dupla função de recuperador de bolas/construtor de jogo (contou com a preciosa ajuda de Sérgio Oliveira enquanto este teve “pernas”). Na frente de ataque Brahimi e Marega iam tabelando (cada vez mais perigosamente) com Aboubakar. Uma forma inteligente de estar em campo na minha opinião. Especialmente quando se tem a noção de que o adversário é mais forte. A vitória portista de hoje passou muito por aí.

 

Pessoalmente gosto mesmo muito desta forma de jogar. Gostei muito de ver este Porto mais racional e consciente das suas reais capacidades, contudo admito que para consumo interno esta forma de estar possa não vir a ser suficiente pelo que me parece imperioso que Sérgio Conceição aprimore a outra vertente táctica da equipa portista. O problema será ter um plantel que lhe permita ter esta dupla faceta dado que, insisto, para o lugar de Danilo Pereira só existe - efectivamente - Danilo Pereira.

 

No próximo sábado vamos ter um melhor esboço do Futebol Clube do Porto versão 2018/19. A apresentação aos sócios vai definir melhor qual será o plantel deste FC Porto, contudo ainda nada é definitivo dado que até 31 de Agosto muita coisa pode (e vai) acontecer. A partir de agora o mais importante é começar a época a vencer na Final da Supertaça e nas primeiras jornadas do campeonato. Algo que o Futebol Clube do Porto de Villas-Boas fez após uma péssima pré-época e que lhe terá entreaberto as portas do enorme sucesso desportivo da altura.

 

MVP (Most Valuable Player): Óliver Torres. Confesso que não gosto mesmo nada de ver o jovem internacional espanhol a ocupar a posição que, em princípio, será de Héctor Herrera, mas a verdade é que hoje Óliver esteve muitíssimo bem no desempenho das suas várias funções. Excelente a recuperar bola e a armar o jogo portista desde trás. A ver se o moço joga assim quando isto for a sério.

 

Chave do Jogo: Podemos dizer que tal terá aparecido com o golo de Marega. Tirando a fase inicial, raras foram as vezes em que vi a equipa de Marco Silva a criar verdadeiro perigo ao Futebol Clube do Porto, contudo sou da opinião que após o golo dos Dragões o Everton baixou em definitivo os braços e optou por deixar o tempo correr.

 

Arbitragem: Arbitragem típica de jogo de pré temporada. 

 

Positivo: Felipe/Diogo Leite. Até que pode vir a não ser uma realidade, mas as recentes prestações da dupla Felipe/Leite tem sido um dos melhores aspectos desta nova versão do FC Porto.

 

Negativo: Relvado do Estádio do Algarve. Estamos na pré temporada, bem sei, mas a organização do Torneio do Algarve bem que poderia exigir um Estádio com um relvado em condições e não um que mais parecia um “toupeiral”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55




Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D