Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tron

por Pedro Silva, em 08.05.18

MV5BMzZhNjYyZDYtZmE4MC00M2RlLTlhOGItZDVkYTVlZTYxOW 

"Tron"

AcçãoAventuraFicção Científica - (1982)

Realizador: Steven Lisberger

Elenco: Jeff Bridges, Bruce Boxleitner, David Warner

 

Sinopse: Flynn invade o computador de seu ex-chefe para provar que foi trapaceado por outro executivo. Acaba entrando na máquina e tornando-se um gladiador computadorizado em um jogo mortal.

 

Critica: Ora quem disse que o que é antigo não é bom? “Tron” do Realizador Steven Lisberger é um bom exemplo disto mesmo. Efectivamente “velhos são os trapos”, um ditado popular que pode muito bem aplicar-se a este “Tron” que não obstante a sua idade é uma produção cinematográfica de excelência que consegue ficar bem á frente de muita da porcaria da era moderna do cinema.

 

O que mais gostei em “Tron” foi do seu argumento. Simples mas muito (mesmo muito!) interessante e cativante. É muito difícil haver um filme que consiga prender a minha atenção do princípio ao fim e quando tal sucede é porque o argumento dito é de excelência. O argumento de “Tron” é tudo menos complexo, facto que o torna deveras apetecível para o comum dos cinéfilos. Claro que aqui e acolá o argumento deste “Tron” poderá ser acusado de previsível, mas a quantidade bem doseada de emoção que Steven Lisberger colocou nesta sua produção torna-o num dos melhores filmes do género tendo em consideração as óbvias limitações tecnológicas da altura.

 

Já o elenco deixou-me um tudo ou nada desiludido. Quer dizer, a equipa escolhida pelo Realizador de “Tron” podia, na altura, até ser do melhor que havia no mercado mas mesmo tendo este importante pormenor em consideração tenho de ser honesto e dizer que não gostei do trabalho de nenhum dos actores e actrizes. Talvez tal seja assim pelo facto de eu estar estar um tudo ou nada mal habituado ao desempenho dos elencos dos nossos tempos, e se for este o caso ficam, desde já, as minhas desculpas a Jeff Bridges, Bruce Boxleitner e David Warner. E já agora, uma última nota para aqui dizer que um filme de qualidade não tem de ter um elenco muito grande. “Tron” é um bom exemplo disto mesmo.

 

E desta vez vou abster-me de opinar sobre os cenários, efeitos especiais e banda sonora. Qual o motivo de tal? Simples, “Tron” é uma produção cinematográfica de 1982 e estamos em 2018. É um tudo ou nada complicado tecer uma opinião séria e justa sobre tais aspectos quando já se passaram 38 anos desde a produção de “Tron”.

 

Em suma; “Tron” de Steven Lisberger tem a minha recomendação. Vale mesmo a pena recordar este filma da “velha guarda”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41


Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora é Outro

por Pedro Silva, em 22.04.18

tropa_de_elite_two_o_inimigo_agora_e_outro_ver2.jp 

"Elite Squad: The Enemy Within"

BrasileiroCrimeAcção - (2010)

Realizador: José Padilha

Elenco: Wagner Moura, Irandhir Santos, André Ramiro, Milhem Cortaz

 

Sinopse: Nascimento (Wagner Moura), agora coronel, foi afastado do BOPE por conta de uma mal sucedida operação. Desta forma, ele vai parar na inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Contudo, ele descobre que o sistema que tanto combate é mais podre do que imagina e que o buraco é bem mais embaixo.

 

Critica: Longe de estar tão brilhante como seu antecessor, este “Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora é Outro” é uma produção que merece - e deve – ser vista dada a qualidade do seu elenco não obstante a sua história já não “prender” tanto a nossa atenção.

 

Confesso que gostei muito mais do argumento do primeiro Tropa de Elite. Neste “Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora é Outro” a mensagem é (muito) mais política e tal retira um pouco o interesse da história porque esta praticamente se dilui no tremendo emaranhado que é o “circo de feras” que governa e pretende governar o Brasil. Claro que a questão social do país está presente, mas o facto de ser ter colocado de parte uma boa parte da base do problema social que atormenta o Brasil retirou muito do interesse que um argumento altamente político não pode – nunca – ter. Para mais a forma como tudo termina deixa muito a desejar. Não admira, portanto, que não tenha sido feita mais uma sequela da saga.

 

Já o elenco volta a estar brilhante. Especialmente Wagner Moura que levou a cabo mais uma excelente interpretação. Irandhir Santos não lhe ficou nada atrás e fez, também ele, aquilo que se me apetece apelidar de “papelaço”. André Ramiro e Milhem Cortaz também não estiveram nada mal. Especialmente o André que soube manter a sua personagem. Alias, penso ser raro que um actor ou actriz brasileira trabalhe mal.

 

A Banda Sonora e os cenários também não são lá grande coisa. `*e o problema de se fazer um filme com uma forte mensagem política. Este “circuito fechado” que José Padilha resolveu “montar” neste seu “Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora é Outro” retira muito do potencial que este filme poderia ter. È uma pena que assim seja até porque os cenários estão muito bem filmados.

 

Em suma, “Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora é Outro” tem a minha recomendação embora este esteja longe de ser brilhante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:17


Tropa de Elite

por Pedro Silva, em 01.04.18

Tropa-de-elite-.jpg

 "Elite Squad"

CrimeAcção - (2008)

Realizador: José Padilha

Elenco: Wagner Moura, André Ramiro, Caio Junqueira, Milhem Cortaz

 

Sinopse: 1997. O dia-a-dia do grupo de policias e de um capitão do BOPE (Wagner Moura), que quer deixar a corporação e tenta encontrar um substituto para o seu posto. Paralelamente dois amigos de infância se tornam policias e destacam-se pela honestidade e honra ao realizar suas funções, indignando-se com a corrupção existente no batalhão em que atuam.

 

Critica: É verdade que este filme já tem uns “anitos”, mas é também verdade que gosto mesmo muito deste tipo de cinema. Por vezes faz bem ao meu espirito ver algo que é um traço, mesmo que obrigatoriamente exagerado em certos aspectos, da realidade e este “tropa de Elite” de José Padilha faz tal com uma perfeição que faz inveja a muito dos Realizadores norte-americanos.

 

Em termos de argumento, “Tropa de Elite” está excelente. Nesta produção brasileira somos brindados com um pouco de tudo sem nunca se perder o foco central da mensagem que o seu Realizador pretende passar. É praticamente im0posível não se +perder a atenção e interesse por tudo o que se vai passando. É verdade que aqui e acolá José Padilha “carrega com força” na ficção e dramatismo, mas este “carregar com força” acaba pro se revelar uma decisão acertadíssima dado que reforça ainda mais o interesse do espectador pelo que se vai passando.

 

O elenco está, também ele, recheado de uma qualidade fora de série. É difícil encontrar-se actor ou actriz no Brasil que trabalhe mal (não é por mero acaso que as suas novelas são das mais famosas do Mundo). Sou da opinião de que muito do sucesso deste “tropa de Elite” passa pelo seu maravilhoso elenco.

 

A banda sonora não desilude e até que “fica no ouvido”. Já os cenários deixam um tudo ou nada a desejar. Acredito que José Padilha não quis massacrar ainda mais um Brasil que já sofre imenso com o problema das favelas e da pobreza extrema, pelo que se compreende que o José tenha preferido optar por cenários mais ou menos bem filmados e escassos, mas se este tivesse sido um pouco mais ousado neste aspecto penso que não se teria perdido nada.

 

Em suma, “Tropa de Elite” tem a minha alta recomendação!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30


Liga da Justiça

por Pedro Silva, em 18.03.18

VMP-Justice-League.jpg

"Justice League"

AcçãoAventuraFantasia - (2017)

Realizador: Zack Snyder

Elenco: Ben Affleck, Gal Gadot, Jason Momoa

 

Sinopse: Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman , Bruce Wayne convoca sua nova aliada Diana Prince para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes - Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman, Cyborg e Flash -, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.

 

Critica: Interessante sem no entanto ser brilhante. Continuo a ter a opinião de que o filme da Mulher Maravilha é, sem sombra de dúvida, a melhor adaptação para cinema dos famosos comics. Este “Liga da Justiça” até que está bom, mas não consegue ter aquele brilho. A maior crítica que lhe faço é que em certos momentos exagera-se um tudo ou nada nas poses heroicas. Nos comics ter os heróis a posar para o leitor faz sentido, já nos filmes com pessoas tal chega a ser embaraçoso pois coloca o dito filme no patamar das séries infantis que se podem ver nos canais do cabo.

 

O facto de Zack Snyder não ter inventado no argumento é um ponto positivo. Adaptar o argumento de um comics ao mundo do cinema é algo que nem todos os Realizadores conseguem fazer com sucesso. Zack esteve muito bem neste aspecto e eu agradeço-lhe por isto. Assim vale a pena ver um filme de super heróis.

 

O elenco traz-nos, de novo, Gal Gadot ao Mundo da Sétima Arte. A actriz e modelo até que nem esteve nada mal no “Mulher Maravilha”, pelo que seria de es+pera4r que esta voltasse a ter o mesmo tipo de desempenho neste “Liga da Justiça” E de facto a Gadot não me desiludiu. Mas também não me impressionou. Fez o que lhe competia. Quem também não esteve nada mal foi Jason Momoa. Já Ben Affleck… Quem é que disse ao moço que ele tinha jeito para o cinema?

 

Relativamente aos cenários, confesso que fiquei com a nítida sensação de que a equipa que produziu este “Liga da Justiça” procurou sempre seguir o guião do comics. A ser assim, então o trabalho feito é muito bom. Já a banda sonora deixa um tudo ou nada a desejar.

 

Em suma; “A Liga da Justiça” de Zack Snyder tem a minha recomendação não obstante os seus “ses”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Lego Ninjago - O Filme

por Pedro Silva, em 04.02.18

The+Lego+Ninjago+Movie.jpg 

"The LEGO Ninjago Movie"

AnimaçãoAventuraAcção - (2017)

Realizador: Charlie Bean, Bob Logan e Paul Fisher

Elenco: Dave Franco, Justin Theroux, Fred Armise

 

Sinopse:  A batalha por NINJAGO City põe em ação o jovem Mestre-Construtor Lloyd, também conhecido como Ninja Verde, ao lado de seus amigos, que são todos guerreiros ninja secretos. Guiados pelo Mestre Wu, que é tão rabugento quanto sábio, eles precisam derrotar o vil senhor de guerra, Lorde Garmadon, O Pior Cara de Todos, que também é pai de Lloyd. Com duelos de habilidades e poderes, de pai e filho, o confronto épico vai colocar em jogo o futuro deste corajoso.

 

Critica: Confesso que por vezes sabe bem sair da rotina. E foi exactamente isto que aconteceu com este filme da Lego. Tal acabou por revelar ter sido uma aposta bem-sucedida dado que este “Lego Ninjago - O Filme” conseguiu fazer algo que é muito raro quando vejo um filme: fazer-me rir.

 

Já é certo e sabido que o estilo dos filmes Lego é sempre o mesmo. Também já não existe muito mais “por onde pegar”, pelo que quem produz este tipo de cinema tem de ter um trunfo na manga para que o seu trabalho venha a ser apreciado. Este trunfo chama-se argumento. O trio de realizadores de “Lego Ninjago - O Filme”, em conjunto com a sua equipa (obviamente), foi capaz de criar um argumento de tal forma tresloucado que acaba por ser um “fartote” ver o dito filme. È um estilo que os filmes da Lego parecem querer seguir e espero sinceramente que as produtoras não se desviem, nunca, deste rumo.

 

Sobre o elenco não há muito a dizer. Cumpre o seu papel. Este é um dos “males” dos filmes de animação. Não cometam é o erro crasso de ver o “Lego Ninjago - O Filme” em português…

 

Relativamente ao grafismo, só o facto de não se ter andado para trás neste aspecto já é bom. A verdade é que neste campo não encontrei nada de extraordinário em “Lego Ninjago - O Filme”, mas também não fiquei desagradado com o que vi. Acaba por ser o normal para um filme da Lego. Já a Banda Sonora está dentro daquilo que vou apelidar de razoável.

 

Concluindo; “Lego Ninjago - O Filme” tem a minha recomendação. Vejam e divirtam-se pois a Vida também precisa de um pouco de diversão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:49


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds