Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Crónica da normalidade

por Pedro Silva, em 25.03.17

imgS620I193233T20170325214349.jpg 

imagem de zerozero

 

Se me pedirem para descrever o Portugal 3 x Hungria 0 numa frase, eu diria de imediato “crónica da normalidade”. Não que a nossa selecção não tenha tido as suas dificuldades em levar de vencida uma equipa húngara que tanto deu que fazer no último Europeu de selecções, mas a verdade seja dita que hoje Portugal foi muito mais competente do que na altura e, desta forma, evitou os dissabores que já tinha sentido no já aqui citado passado recente.

 

Mas não se pense que a equipa de Todos Nós teve pela frente uma partida fácil. A Hungria veio a Portugal com um único objectivo: empatar! E para tal o seu seleccionador montou uma equipa que durante muito tempo pareceu a selecção da Bolívia.

 

A Hungria começou o jogo com uma linha defensiva de cinco defesas (3 centrais e dois laterais), um meio campo densamente povoado e na frente apresentou um ponta de lança que mais parecia um “tanque humano”. Era tremendamente difícil à linha avançada de Portugal criar perigo na baliza húngara. Para mais no meio campo luso coabitavam duas “moscas mortas” de nome William Carvalho e André Gomes que não sabem o que é velocidade de execução. Durante muito tempo o futebol ofensivo de Portugal era quase que exclusivamente lateralizado.

 

Felizmente nas zonas laterais estava um Ricardo Quaresma, um João Mário e um Raphael Guerreiro que, por força da insistência, ajudaram André Silva a abrir uma brecha no tremendo “muro” húngaro. Cristiano Ronaldo aproveitou esta mesma brecha para derrubar, de vez, o dito muro mas os problemas da nossa selecção continuavam a ser os mesmos por força da estratégia húngara e da insistência de Fernando Santos em manter as duas “moscas mortas” em campo.

 

Com a chegada da segunda parte e a perder por duas bolas a zero a Hungria mudou o seu sistema de jogo, procurou pressionar os defesas de Portugal e a partir daí as tais “moscas mortas” começaram a jogar melhor. Mas mesmo assim não se pode dizer que Portugal tenha tomado conta do jogo, não obstante a vantagem no marcador e a mediana qualidade do adversário assim o permitir. A tal tranquilidade só apareceu após Cristiano Ronaldo ter marcado um grande golo de livre.

 

Mas pronto, o importante é que Portugal ganhou e continua a perseguir uma Suíça que teima em não vacilar nesta longa corrida para o Mundial da Rússia.

 

MVP (Most Valuable Player): João Mário. O médio do Inter jogou e fez jogar. Foi muito por causa do excelente trabalho ofensivo de João Mário que a nossa selecção levou de vencida uma “chatinha” Hungria. Apenas faltou o golo para “coroar” a enorme exibição do médio.

 

Chave do Jogo: Veio tarde. E veio para resolver a contenda a nosso favor. Apareceu no minuto 65´, altura em que Cristiano Ronaldo marcou o terceiro golo de Portugal. Só neste momento é que acabou a resistência húngara.

 

Arbitragem: Não há nada a apontar ao trabalho da equipa de arbitragem. A partida foi tranquila e ambas as equipas procuraram - quase sempre - levar a cabo um jogo limpo não obstante aqui e acolá os húngaros terem abusado um pouco do físico. O Sr. Szymon Marciniak e restante equipa estiveram bem neste jogo de selecções que se realizou no Estádio da Luz.

 

Positivo: André Silva/Cristiano Ronaldo. Qualquer equipa do mundo daria tudo para ter uma frente de ataque composta por Cristiano Ronaldo e André Silva. O entendimento quase perfeito entre ambos permite a Portugal ter uma frente de ataque temível que tem sido o “abono de família” da equipa das Quinas neste apuramento.

 

Negativo: André Gomes. Agora percebo porquê razão este é tão criticado no FC Barcelona. Lento a executar, lento a ler o jogo e muito lento com a bola nos pés. Pior do que ele na sua posição só mesmo o Héctor Herrera do Futebol Clube do Porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


Não houvesse um Quaresma…

por Pedro Silva, em 13.11.16

imagem retirada de zerozero

imagem retirada de zerozero

 

É nestes tipos de jogos diante de adversários acessíveis que se comprometem as qualificações caso não se tenha a devida postura dentro e fora de campo. A nossa Selecção já deveria saber disto dado que já teve muitos – demais - dissabores com equipas do estilo desta Letónia, mas parece que os nossos jogadores e técnicos gostam de dar uma de “burros” sempre que jogam contra um adversário teoricamente acessível, Não se aprende de uma vez por todas o raio da lição e depois andamos todos de coração numa mão e máquina de calcular na outra… Para mais o Grupo B de Qualificação para o Mundial da Rússia está a ser deveras complicado porque nem Suíça nem Hungria parecem querer dar-nos sossego dado que não perdem um único ponto (ao contrário de Portugal que já perdeu 3 pontos diante da formação helvética).

 

Não percebi o que quis dizer Fernando Santos com “falta de dinâmica” para justificar uma primeira parte onde a Equipa de Todos Nós teve mais do que oportunidade de ter colocado um ponto final no jogo. A Letónia em certos momentos tinha não uma, mas sim duas linhas defensivas diante da sua baliza. Cabia a Portugal explorar ao máximo os flancos em vez de insistir nu futebol afunilado que esbarrava, invariavelmente, no muro letão. Não fosse a fraca qualidade técnica dos jogadores da Letónia e não teríamos Cristiano Ronaldo a marcar o golo inaugural (mas que grande penalidade tão mal marcada CR7!). Na primeira parte a única coisa que me pareceu positiva foram as antecipações dos jogadores portugueses que eram, quase sempre, feitas no timming certo, impedindo que os letões pudessem criar perigo junto da baliza de Patrício. Tudo o resto foi o insistir e insistir num modelo de jogo que não nos estava a levar a lado algum a não ser à moralização da equipa do leste europeu.

 

Foi preciso Cristiano Ronaldo ter falhado uma Grande penalidade e a Letónia ter marcado o seu golo para que Fernando Santos pusesse – finalmente! – de lado a tal de “falta de dinâmica” para retirar de campo um apagadíssimo Nani e feito entrar Ricardo Quaresma. E o jogo transformou-se de imediato. Foi como se tivesse havido um “clic” que acendeu a lâmpada fundida que se encontrava em cima da cabeça dos jogadores lusos. Quaresma entrou, o ataque passou a ter outro estilo, surgiram as variações de flanco e tal desconcertou por completo a defesa da letónia. Até Cristiano Ronaldo que es5tava algo em baixo em termo de rendimento passou a jogar de outra forma. Foi, portanto, com naturalidade que os golos surgiram e acabaram por se multiplicar com a ajuda do recém entrado Gélson Martins que com a sua velocidade e técnica (aliada à mestria de Quaresma) arrasou por completo o muro letão.

 

No final tudo acabou bem e Portugal goleou. A nossa Selecção tem o melhor ataque e defesa do seu Grupo. Tal poderá ser muito importante na hora de se fazerem as contas finais do apuramento, mas se Portugal tiver um desempenho igual ao da primeira parte do jogo de hoje diante da Hungria e/ou Suíça (e até mesmo diante desta Letónia) e não sei se vamos ter de fazer umas contas bem mais complicadas.

 

Chave do Jogo: Apareceu ao minuto 65' para resolver a contenda a favor da nossa Selecção. A entrada de Quaresma na partida revelou-se fundamental para que Portugal pudesse vencer o jogo.

 

Arbitragem: Não creio que haja muito a dizer sobre o desempenho do Sr. Bobby Madden e sua equipa de arbitragem. O escocês teve algum trabalho dado que os letões estiveram sempre muito mais interessados em “distribuir” pancadaria do que em jogar futebol, mas no cômputo geral o trabalho da equipa de arbitragem foi bom. O árbitro esteve bem ao ter assinalado as duas Grandes Penalidades a favor de Portugal.

 

Positivo: Ricardo Quaresma. Se há jogador que “mexeu” com o jogo a favor da equipa portuguesa foi, sem sombra de qualquer dúvida, Ricardo Quaresma.

 

Negativo: A tal de “falta de dinâmica”. Contra equipas que jogam fechadas na sua área não adianta insistir num estilo de jogo que faz com que o jogo ofensivo seja uma nulidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:30


Simplesmente André Silva!

por Pedro Silva, em 11.10.16

imgS620I182446T20161010210735.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Mais uma jornada no apuramento para o Mundial da Rússia e onde a história foi (felizmente) a mesma de sempre. Ou seja; Portugal venceu e goleou um adversário frágil. E tudo isto porque o conjunto luso não complicou nem deixou, em momento algum, que a complacência que todos vimos em Basileia entrasse em campo.

 

Contudo esta partida trouxe-nos uma novidade. E que novidade! André Silva marcou três golos e só por mero azar não conseguiu um poker! Graças a tal André Silva tem agora 4 internacionalizações pela equipa A de Portugal e…4 golos marcados! Nada mau para um atleta que foi fortemente banalizado - e até mesmo ridicularizado - pelo “mestre” António Tadeia e o seu amigo de comentário que só tinham olhos para Gélson Martins (um fabuloso “produto” de uma certa Academia).

 

E já que falo aqui no Gélson, tenho que dizer que não vi nada de especial no moço. Quer dizer ele correr até que corre. Agora fazer mais do que isto é que deve ser complicado. O mesmo digo de William Carvalho que parece nunca mais ter encontrado caminho das boas exibições. Felizmente Portugal defrontou um adversário relativamente frágil e a seriedade dos nossos jogadores foi mais do que muita.

 

Chave do Jogo: Subscrevo por completo aquilo que foi escrito pelo Jornalista do zerozero Duarte Monteiro que disse que “tal como frente a Andorra, o primeiro golo bem cedo desatou um tipo de jogo que pode complicar-se se com o passar do tempo. André Silva fez o 0x1 aos 12 minutos e a partir daí tudo se tornou mais fácil para Portugal.”

 

Arbitragem: Gediminas Mazeika teve um ou outro erro de juízo, mas no geral esteve bem. O jogo também não foi nada complicado de se dirigir no que à arbitragem diz respeito.

 

Positivo: André Silva. Três golos marcados e uma exibição fantástica. Ima aposta a manter mesmo nos jogos mais complicados.

 

Negativo: Dureza excessiva. Já se sabe que Portugal é - de longe – muito mais forte do que as Ilhas Faroé, mas era escusada tanta pancadaria da parte dos nórdicos.

 

Artigo publicado no Blog A Mística Azul e Branca

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


Missão cumprida (by CR7)

por Pedro Silva, em 07.10.16

imgS620I182318T20161007214220.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Não há muito para dizer sobre esta goleada de Portugal. Andorra é daquelas selecções “inventadas” pela FIFA e UEFA somente para fazer número nos grupos de qualificação para as competições internacionais de selecções, pelo que não seria de esperar outra coisa de Andorra senão o tentar retardar o mais possível a normal goleada que todos esperávamos que esta sofresse diante da nossa selecção.

 

O meu único receio para esta partida era somente que a habitual sobranceria lusa surgisse nesta partida dado que Portugal tem sempre a velha mania de facilitar sempre que do outro lado da barricada está uma equipa deveras acessível. A equipa de Todos Nós já teve alguns – demasiados - dissabores à custa desta sua forma de estar nos jogos, mas tal não aconteceu hoje em Aveiro. E ainda bem que assim foi porque Portugal vai ter de andar a correr atrás da Suíça (é nisto que dá ir passear a Taça de Campeão à Suíça) neste seu grupo de qualificação para o Mundial da Rússia.

Felizmente este tal de “facilitismo” não apareceu e Portugal goleou uma frágil e arruaceira selecção de Andorra. E já que falo nisto, acho que o seleccionador andorrenho tem uma certa lata para vir para vir para a praça pública falar em excesso de zelo por parte da equipa de arbitragem… Logo ele que orienta uma equipa cuja única virtude é a de dar canelada nas pernas dos adversários (dar pontapés na bola é algo de impossível).

 

Em suma; Portugal soube tornar fácil um jogo onde era teoricamente favorito e se pudesse Fernando Santos tinha “trocado” a equipa toda ao intervalo para poder dar mais alguns minutos ao menos utilizados e às novas “esperanças” Lusas. Destaque também para Cristiano Ronaldo que voltou, mais uma vez, a bater recordes. Que tenha servido para regressar em melhor forma o Real Madrid CF.

 

Venham as Ilhas Faroé! Trata-se de um adversário bem complicado sempre que joga em sua casa e que está muito moralizado, mas se Portugal na próxima segunda-feira tiver o mesmo tipo de atitude e vontade competitiva que mostrou hoje de certeza que saíra das ditas “ilhotas” com os 3 pontos no bolso.

 

Chave do Jogo: Apareceu na segunda parte para “resolver” a contenda em definitivo a favor de Portugal. A selecção de futebol de Andorra é composta por atletas semi profissionais/amadores que na segunda parte “deram o estouro” em termos físicos pelo que a partir deste momento Portugal dominou o jogo por completo.

 

Arbitragem: O austríaco Oliver Drachta e a sua equipa levaram a cabo um bom trabalho não tendo complicado um jogo que nunca teve nada de complicado.

 

Positivo: Cristiano Ronaldo mostrou, mais uma vez, porquê razão é o Melhor Jogador do Mundo. Cristiano marcou, assistiu e – mais importante do que tudo - comandou a equipa. A manter CR7!

 

Negativo: Comentadores da Rádio Televisão de Portugal (RTP). Eusébio, SL Benfica, Sporting CP, “endeusamento de Gélson” e rebaixamento de André Silva. É esta assim que a RTP comenta em directo um jogo da nossa selecção. Uma vergonha!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40


Surpresos? Não foi por falta de aviso!

por Pedro Silva, em 06.09.16

341858_ori_.jpg

imagem retirada de zerozero

 

Jogo de preparação tem um único objectivo: preparar a equipa para os jogos oficiais. Que fez Portugal diante de Gibraltar no seu último jogo de preparação? Andou a brincar ao futebol. Resultado? Derrota com a Suíça e uma exibição miserável após o primeiro golo helvético. Mas pior do que a exibição foi a incapacidade da equipa técnica lusa de encontrar soluções que lhe permitissem dar a volta a um resultado adverso. Tivessem feito o TPC no jogo anterior e “outro galo cantaria” em Basileia.

 

Quanto ao jogo que culminou com a derrota da nossa equipa, dizer que não chega entrar bem. É fundamental manter os níveis de concentração sempre em valores muito altos. Especialmente quando do outro lado da barricada estiver uma equipa que faz da sua defesa e dos lances de bola parada a sua maior arma. E não era preciso procurar muito para se encontrar tamanha evidência. Bastava ir ver os jogos que os suíços fizeram no último Europeu em França…

Outra coisa que não consegui perceber é a razão pela qual Fernando Santos insiste em fazer de Éder aquilo que ele não é. Éder é um jogador que cumpre na posição de avançado. Mas está longe - muito longe – de ser aquele ponta de lança possante que luta entre os defesas contrários em busca de espaço para finalizar. Ora esta solução não deu resultados positivos diante de Gibraltar e ia funcionar diante da Suíça? A dita “solução” não funcionou e nada se fez para se procurar uma alternativa que permitisse a Portugal empatar o jogo (no mínimo!). Uma coisa que se calhar teria feito muito mais por isto seria ter-se colocado André Silva a jogar em par com Éder no ataque. Éder é um atleta que joga bem em tabelas com os seus companheiros e André Silva aquele tipo de atleta que mais se aproxima do tal ponta de lança possante que luta na defesa contrária para ter espaço para finalizar. Não tivessem andado a brincar no jogo do Bessa e se calhar teriam esta, e outras soluções, que nos permitiriam não estar agora a pensar em calculadoras e play off.

 

Chave do Jogo: Apareceu no minuto 23´ para resolver o jogo a favor dos suíços. Após o golo de Breel Embolo a Equipa de Todos Nós nunca mais se encontrou e a derrota tornou-se uma inevitabilidade.

 

Arbitragem: O espanhol Mateu Lahoz e a sua equipa de arbitragem podem ser acusados de “caseirinhos” em um ou outro lance, mas não creio que se possa classificar a prestação do árbitro de má. A meu ver terá ficado uma grande penalidade a favor de Portugal por marcar, mas não foi por causa do árbitro que Portugal perdeu em Basileia.

 

Positivo: A claque de apoio da nossa selecção. Mesmo a perder os adeptos portugueses não deixaram nunca de apoiar Portugal.

 

Negativo: Portugal. O campeão europeu não jogou absolutamente nada. Equipa que é a melhor da europa não pode ter futebol que só dure alguns minutos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds