Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



SMS da semana

por Pedro Silva, em 19.10.20

SMS da semana 20 de Outubro de 2020.png

Quem quiser pode ler a notícia na integra aqui.

Já há muitos anos que em Portugal se deveria ter colocado de lado o famoso "casa roubada, trancas à porta".

Mas isso do "mais vale prevenir do que remediar" é "coisa para inglês ver".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:50


SMS da semana

por Pedro Silva, em 09.10.20

SMS da semana 09-10-20.png

in: Notícias ao Minuto

Citando o falecido Fernando Pessa... E esta, hein?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11


Recauchutagem do sistema

por Pedro Silva, em 20.05.20

imagem crónica RS.gif

Tempos de crise aguda como a que vivemos exigem, sem sombra de qualquer dúvida, respostas agudas da parte de quem nos governa. Tal é válido internamente como externamente ou não fosse a economia Mundial um tremendo dominó que tanto pode ser um paraíso como um inferno dependendo da forma como cai – ou não – a primeira peça..

Contudo num Mundo com tantas diferenças as respostas à crise provocada pela Covid-19 tem sido, também elas, muito diferentes entre si.

Alguns líderes mundiais (felizmente poucos) optam pela teimosia latente, formas de enriquecimento à custa de placebos que as farmacêuticas tem ás paletes nos seus armazéns, apelos ao fregreso a ditaduras militares, actos de violência e desrespeito para com os órgão de comunicação social que se recusam a dar tempo de antena aos seus disparates públicos, e por aí adiante.

Outros líderes mundiais, mais concretamente os europeus, optaram numa primeira fase por um confinamento mais ou menos rigoroso (cada país teve o seu “inferno”, pelo que a resposta ao mesmo variou) e agora que a pandemia parece estar a estabilizar optam por uma espécie de recauchutagem do sistema. Países há que abrem a sua economia - uns mais lentamente e outros de forma mais célere - para que tudo volte não ao normal de antigamente mas sim ao novo normal.

E é, a meu ver, que na nossa Europa existe um problema. Sendo a União Europeia um espaço comum, de economia comum e. em certos e muitos pontos, de finanças comuns, creio que deveria existir uma estratégia comum de reabertura da economia europeia (mesmo que a Covid-19 tenha afectado mais ou menos certso Estados-membros). Não falo aqui numa reabertura unânime pois tal em Democracia é quase impossível… Recordo que a União Europeia tem 28 Estados-membros (o Reino Unido ainda não saiu oficialmente da União), pelo que é de todo impossível que haja uma concordância plena entre todos.

È que estou em crer que esta recauchutagem do sistema – forçada em muitos países – nosm primeiros tempos até que pode disfarçar e dar a sensação de que tudo está bem que vamos ficar bem, mas a economia é travessa tal como a sua “amiga” diplomacia. São muitos e variados os imprevistos que forçam uma viragem rápida do rumo dos acontecimentos. Tal já aconteceu no passado e não estou em crer que no presente e futuro tal não venha a suceder.

É neste cenário que olho com uma certa preocupação para o que está a acontecer na Europa.

França e Alemanha anunciaram publicamente um programa de apoios a fundo perdido a todos os Estados-membros.

Nada que já não tenha sido falado anteriormente com a Holanda a fazer finca pé com a sua tese de que este programa deverá ser de empréstimos com juros baixos e não a fundo perdido. Na altura os holandeses acabaram por ver metade ads saus pretensões atendidas pois nem França nem Alemanha tinham grande interesse num tal programa ou não estivessem ambos (especialmente a França) a braços com um crescente caso de cidadãos infectados com a Covid-19.

Mas agora que a temática está de novo em cima da mesa europeia, desta vez com o papel de mau da fita a ser interpretado pela Áustria,  quem me garante a mim e qualquer português (aka cidadão europeu) que alemães e franceses não acabarão por ver nas pretensões austríacas uma forma de fazer valer a sua posição de potências dominantes na Europa impondo, para tal, a austeridade que o nosso Primeiro-ministro diz repudiar veemente?

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


E agora não falam?

por Pedro Silva, em 05.05.20

imagem crónica rs.jpg

Enquanto que cá pelo nosso Portugal perdemos tempo a debater o que não tem interesse algum como é o caso de os peregrinos não poderem participar nas celebrações de Fátima, por este Mundo fora vão acontecendo coisas graves. Gravíssimas que tem por base a pandemia que devastou por completo o nosso modo de estar na Vida e que, em certos países, aumentou o crasso e problemático fosso social.

O maior exemplo de tal é o Brasil. Na República Federativa do Brasil a desigualdade social não é uma novidade. É algo que se tem vindo a agravar nas últimas décadas. A governação de Lula da Silva e Dilma Roussef, juntamente com um conjunto favorável de factores económicos, pode ter atenuado um pouco o problema, mas a verdade é que este nunca deixou de existir. A crise da Covid-19, aliada à forma caricata e – porque não dizê-lo? -apalermada como Jair Bolsonaro tem gerido a problemática para desta tirar proveito e (quem sabe?) arranjar forma de se eternizar no poder, apenas tem exposto ainda mais o quão desigual é o país das chuteiras.

Ainda esta semana o famoso jornal Folha de São Paulo publicava um estudo em que ficava bem patente o quão desigual é o Brasil. Segundo este matutino, a ordem de confinamento era acatada pelas classes mais abastadas enquanto que as que oferecem mais resistência são as mais pobres (entenda-se favelas). Tal tem sido bem patente na forma como a pandemia se tem espalhado pelos vários Estados brasileiros com Manaus, o parente mais pobre de todos, mergulhado num caos sem precedentes.

Como se não bastasse, no meio de tudo isto Jair Bolsonaro, Presidente eleito da República Federativa do Brasil apoia publicamente manifestações que pretendem impor uma ditadura militar, atenta contra os órgãos de soberania sempre que estes não acatam os seus desejos e ensejos, demite ministros que não pactuam com o seu tremendo desleixo perante a mortalidade provocada pelo coronavírus, apoia e incita actos de violência contra órgãos da comunicação social que o criticam e apela à violência física e verbal contra quem acha que a pandemia se deve combater da mesma forma que a maioria dos países (isolamento social, confinamento, paragem da actividade económica, etc).

Jair Bolsonaro acha que a Constituição lhe deve lealdade e respeito. Quando em democracia deveria ser o oposto. E, salvo prova em contrário, o Brasil é um país onde impera a democracia. Recorde-se que Bolsonaro foi eleito. Não tomou o poder de assalto pela força das armas.

Em suma, Jair Bolsonaro actua, pensa, age e participam e patrocina actos públicos que assentam no autoritarismo. Uma postura idêntica em muitos aspectos ao de Nicolás Maduro, conhecido líder da Venezuela.

Ê aqui que reside o cerne da questão… Maduro é – muito bem – fortemente criticado e isolado por algumas nações europeias, sul americanas e Estados Unidos da América. Já Jair Bolsonaro parece ser apontado como um maluquinho que tem piada porque no Brasil tudo se compra, tudo se tolera e tudo se faz porque tudo tem um certo e determinado preço.

Bem sei que estamos todos a passar por uma crise a todos os níveis sem precedentes e que vai deixar marcas profundas, para todo o sempre, nas nossas vidas, mas apetece-me perguntar que a história não nos ensina mada?

Bolsonaro não está a fazer nada de novo. Nada que anteriormente não tenha sido feito na américa latina com o alto patrocínio dos Estados Unidos e de muitas nações europeias que fizeram com que ditaduras sanguinárias prosperassem durante décadas.

É caso para se dizer, e agora não falam? Ou só falam quando o maluco que se apossa do poder é oriundo da esquerda radical?

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Palermices & Companhia

por Pedro Silva, em 21.04.20

Imagem Crónica RS.jpg

Os tempos que correm são complicados. Inéditos não o são dado que a Humanidade já enfrentou várias pandemias no passado. Muitas delas com consequências bem mais nefastas do que a actual provocada pela SARS-cov2 (Covid-19) dado que o Mundo não possuía, nem um terço, do conhecimento e material científico e médico que tem hoje à sua disposição.

Temos tudo para não sofrer da mesma forma que os nossos antepassados sofreram com a doenças terríveis como a gripe espanhola (por exemplo) que marcou – e de que maneira – um Mundo em plena Guerra Mundial.  

Contudo o cenário actual não é bem esse…

Bem que poderia e deveria ser. A razão até que o dita desta forma, mas existem no nosso planeta três figuras que por força dos destino e de uma conjugação infeliz de factores fazem com que a crise do Covid-19 seja muito mais profunda do que aquilo que já o por natureza. E logo 3 figuras icónicas que por força da Democracia comandam os destinos dos seus países.

Para quem ainda não percebeu a quem me refiro, eis que apresento a fabulosa equipa do Palermices & Companhia.

Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos da América. O “cowboy” que assumiu o papel de Xerife pretende colocar toda a China no banco dos réus porque, segundo a sua lógica, foi esta quem escorraçou o vírus para todos os outros. Objectivo de tal? Ainda não se sabe, mas acho que terá alguma coisa a ver o facto de os chineses serem - “somente” - os maiores credores da segunda maior economia do Mundo. Para mais, a malta morre aos milhares nos Estados Unidos e muitos são enterrados em valas comuns porque isto do distanciamento social é uma treta made in China comunista.

Jair Bolsonaro, Presidente da República Federativa do Brasil. O Capitão sem medo que puxa pelos galões para apelar a golpes militares no seu país porque isto da Covid-19 não passa de uma “gripezinha”. Bolsonaro é um visionário que lidera um país onde alguns dos seus Estados tem de partilhar ambulâncias e onde existem povoações que nem sequer sabem o que água canalizada. O arrojado Bolsonaro ainda vai arranjar forma de colocar a China como autora dos seus apelos públicos ao regresso à Ditadura. Entretanto se porventura morrerem uns quantos milhares de brasileiros por causa da Covid-19 e o Brasil vir a enfrentar no futuro uma crise sem precedentes a culpa é de toda a gente menos do Capitão.

Boris Jonhson, Primeiro-ministro de Inglaterra. Para Boris o Keep Calm and Carry On é uma velha máxima britânica quem tem de ser seguida à risca. Até porque isto da pandemia não é para o holligan britânico. Para além de tal, o Serviço Nacional de Saúde lá do tasco aguenta tudo e mais alguma coisa. Pelo menos era assim que este pensava antes de a Covid-19 lhe ter entrado pela casa adentro e o ter colocado na cama de um Hospital a lutar pela Vida. Agora está em fase de recuperação e tem-se remetido ao silêncio enquanto o Reino Unido enfrenta uma onda de mortes e onde a pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde é cada vez maior chegando-se, inclusive, ao ponto de se temer o colapso do dito Serviço.

Artigo publicado no site Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Publicidade


Futebol Clube do Porto

<<

Dios falleció (RIP 25/11/2020)

<<


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D