Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Momento Mafalda (150)

por Pedro Silva, em 01.08.17

150.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:53


Vamos falar de coisas sérias?

por Pedro Silva, em 10.07.17

PS_vamosfalardecoisasserias_destaque.jpg 

Ao contrário dos fanáticos colunistas da direit(ol)a portuguesa eu prefiro escrever e opinar sobre coisas sérias. Claro que cada um tem direito à sua opinião e a torna-la pública, mas eu não preciso da desgraça de Pedrógão Grande e arredores e do assalto a Tancos para me fazer ouvir. Ainda se quem segue esta via trouxesse algo de novo que mudasse a governação de gabinete (já aqui falei sobre istro na semana passada), eu era como o outro e dava a mão à palmatória, mas como não o fazem vamos então falar de coisas sérias.

 

E falar de coisas sérias é falar sobre o que se está a passar na Venezuela. E não, não vou seguir o discurso gasto da direit(ol)a. Isto porque é por demais óbvio que a Venezuela esta momento refém de um regime corrupto completamente tresloucado. O que me perturba na Venezuela é olhar para o outro lado e verificar que a dita “solução do povo” é exactamente igual à que está no poder. A “oposição” a Maduro também se organiza e movimenta de forma violenta. Esta apela à violência nas ruas. Esta pactua com a violência. Ora perante tal cenário que futuro para a Venezuela? Provavelmente aquele que os interesses das grandes petrolíferas acharem melhor. Não se tenha a mais pequena dúvida de que a base de todo o problema venezuelano assenta na velha questão do ouro negro. E que faz a Comunidade Internacional? Faz de conta porque deve ser deveras divertido ver os venezuelanos a matarem-se uns aos outros em directo nos telejornais.

 

Falando sobre uma outra coisa muito séria é falar sobre o que se está a passar no Médio Oriente. Pode até parecer um paradoxo, mas hoje em dia olhamos para o Irão e dizermos, com profunda convicção, que este país é o único país moderado de uma região onde o conflito armado está prestes a “explodir”. E tudo por causa da política non sense da administração Trump. A recente venda de armamento norte-americano à Arábia Saudita veio desequilibrar os pratos da balança de uma região onde o equilíbrio de forças é muito ténue. Todos conhecemos a intensa rivalidade mortal entre iranianos e sauditas. Mas nada disto interessa a Trump e seus apoiantes pois a coisa como está é deveras “engraçada”. E é “engraçada” porque caso a tal base turca sediada no Quatar seja atacada pelos sauditas & amigos a NATO vai ter de entrar em cena para defender a Turquia, ou não fosse esta um estado membro da aliança onde vigora o princípio do ataque a um é um ataque a todos. Well done Donald!

 

 E já que falamos de coisa sérias, já todos repararam como o aumento da escalada de violência na península coreana aumentou desde que Donald Trump resolveu entrar numa guerra comercial com a China? E também todos repararam no vídeo que a Coreia do Sul colocou a circular? É um vídeo onde esta simula um bombardeamento da sua rival do norte. Mais uma vez well done Donald pois colocaste duas facções de doidos dispostos a matarem-se (outra vez) uns aos outros!

 

Artigo publicado no site Repórter Sombra (10/07/2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


Isto de se compreender o monstro

por Pedro Silva, em 11.01.16

Crónica RS.jpg 

1 – A semana passada foi abalada pela notícia de que a Coreia do Norte terá conseguido detonar, com sucesso e pela primeira vez, uma bomba de hidrogénio.

 

Se a informação avançada pelo regime de Pyongyang for verdadeira, este é um significativo passo no desenvolvimento do programa nuclear da Coreia, que já levou o Conselho de Segurança das Nações Unidas a convocar uma reunião de emergência. O Reino Unido, a França e Estados Unidos terão considerado que esta é uma "violação inaceitável" das resoluções da ONU, e até a China, o principal aliado da Coreia, disse que se "opõe firmemente" ao teste.

 

2 – Como reagiram as principais potências ao sucedido?

 

O Reino Unido, a França e Estados Unidos terão considerado que esta é uma "violação inaceitável" das resoluções da ONU. A China, principal aliado da Coreia, disse que se "opõe firmemente" ao teste.

 

Do lado da Coreia do Sul, principal opositor da Coreia do Norte no conflito armado, as reacções não são muito diferentes. O website NK News, que tem correspondentes em Washington e Londres, fala de desenvolvimentos perigosos a que Washington, Seul e Tóquio devem dar uma resposta conjunta, defendendo mesmo o fim das “políticas tímidas” de Obama para sancionar a Coreia do Norte. Já o “Korea Times”, que dedica um editorial titulado “A imprudência da Coreia do Norte” a esta questão, classifica o comportamento do líder norte-coreano como “sempre imprevisível”. Defendendo uma acção mais proactiva dos seus governantes, o título sul-coreano remata declarando que “nem se discute que a Coreia do Norte deve pagar o preço mais alto possível pelas suas ações precipitadas”. O “Korea Herald”, por sua vez, defende no editorial que é necessário dar uma “resposta concertada” a Pyongyang - uma resposta que “inflija dor real à Coreia do Norte”.

 

3 – Temos então que para um problema extremo o Mundo pretende, no papel e nunca na prática, uma solução extrema.

 

Não é por nada, mas a História já nos mostrou o que sucede quando se parte para a resolução de um problema de uma forma extrema. Ainda hoje estamos todos a pagar um alto preço pelo que o Ocidente pomposamente apelidou de “Primavera Árabe”.

 

É verdade que o regime norte coreano é um atentado à Humanidade em todos os aspectos, mas também é verdade que todos os conflitos que surgiram no Oriente foram do pior que uma Guerra poderia ter feito. Muito especialmente a famosa Guerra entre as Coreias onde os Estados Unidos da América participaram (mesmo que de forma indirecta) no conflito. Diga-se, a título de exemplo, que era prática das Tropas sul coreanas a colocação de soldados norte coreanos capturados em casas onde depois os queimavam vivos.

 

E penso não valer a pena mencionar as enormes atrocidades que aconteceram naquela zona do Globo quando o Japão se lembrou de invadir a Península Coreana e China…

 

4 – Ora isto para se chegar a uma simples conclusão: não é com armas e sanções que se vai derrubar a Ditadura sanguinária de Kim Jong-un. Este problema não se resolve com o habitual alarido mundial sempre que o Regime norte coreano se lembra de dar sinais de vida.

 

Numa zona do planeta onde as diferenças fomentam o ódio, muito por força das intervenções ocidentais dos séculos XIX e XX, a violência e ingerência do Ocidente só servem para uma coisa: alimentar o monstro que criamos!

 

Adoptar uma política de diálogo e de compreensão que acabe com a provocação e fomente a aproximação entre os Povos acabaria de vez com a mais obscura Ditadura do Mundo, mas para isto era preciso que a Coreia do Sul estivesse para aí virada e que os Estados Unidos da América não tivessem intenções de controlar aquela que será, muito em breve, a zona mais rica do Planeta Terra.

 

Artigo publicado no Repórter Sombra

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56


De uma Civilização muito à frente

por Pedro Silva, em 03.10.14

Hong Kong tem sido palco de algo maravilhoso. Elucidativo daquilo que deve ser uma Sociedade moderna. Refiro-me, obviamente, ao fenómeno que já ficou conhecido mundialmente como a Revolução dos Guarda-chuvas.

 

E quando me refiro a esta Revolução não o faço olhando para vertente política da mesma porque esta está a ser adulterada pelo Ocidente que do alto do seu pedestal mantêm a estapafúrdia ideia de que os Chineses, sejam eles de que regiões Chinesas forem, são todos iguais e tratam-se todos por igual. A China é em si mesmo uma Sociedade multi facetada que congrega os mais variados tipos de vivências, tradições, culturas e ritos, daí que seja um tremendo disparate comparar a Revolução dos Guarda-chuvas à nossa Revolução dos Cravos de 1974.

 

Expondo o assunto de outra forma mais plausível; a base da Revolução dos Guarda-chuvas assenta numa questão sócio cultural que tem sido convenientemente desviada pelos media Ocidentais para uma espécie de luta pela Democracia. O que realmente se passa naquela zona da Ásia é tão somente que os seus habitantes pretendem escolher um líder que seja oriundo da sua Sociedade e não um que venha do círculo político fechado de Pequim. Nenhum deles está contra um Regime que, mesmo fechado em si mesmo, lhes dá um nível de vida igual, e até mesmo superior, ao dos Ocidentais.

 

Mas o que eu tenho achado maravilhoso é o facto de os manifestantes mostrarem que estão nesta luta de boa-fé. Não há pilhagens de lojas, não existem confrontos entre indivíduos de cara tapada e as forças da autoridade, não há lixo nas ruas e os desacatos que tem existido entre os manifestantes são resolvidos pelos próprios. E melhor que tudo, não surgem vídeos com Adolescentes bonitas de face angelical a fazer propaganda pelo seu ideal. Tudo comportamentos que não vimos de forma alguma na Ucrânia, Venezuela e Brasil onde todos os dias surgiam imagens de delinquentes de cara tapada em guerra aberta com a Policia e com quem não alinhasse na sua tese de destruição e roubo.

 

Mais uma vez o Oriente mostra ao Ocidente que, apesar dos seus defeitos, consegue ser mais civilizado do que a tese civilizacional que o Ocidente apregoa e impõe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26


Já chegou o James Bond

por Pedro Silva, em 10.12.13

Nunca vi bons e maus no conflito Coreano. Tenho para mim que num conflito ambas as partes tem sempre a sua quota-parte de culpa e por norma as coisas nunca acontecem por acaso.

 

A Guerra Coreia do Norte/Sul que neste momento está sob um Armistício teve como pano de fundo a Guerra Fria, Guerra esta que terminou após a queda da Ex-URSS. Para além disto o conflito Coreano está também relacionado com o “nascimento” da China Comunista que agora é a potência dominante na Ásia não necessitando da expansão que tanto assustou o Ocidente na década de 50 do século passado.

 

Temos portanto que embora vigore um clima bélico entre as duas Coreias, qualquer hipótese de tal passar da ameaça é uma simples ilusão. Utilizando uma expressão popular neste momento tanto uma Coreia como a outra mostram os dentes uma à outra. Nenhuma outra situação seria de imaginar dado que ainda se está para perceber como resiste a Coreia do Norte apesar dos inúmeros bloqueios económicos.

 

Contudo mesmo neste ambiente de claro equilíbrio o regime Norte Coreano tem tendência a provocar a sua vizinha do Sul. Tal atitude foi ainda mais visível quando Kim Jong-un sucedeu ao seu Pai na cadeira do poder dado que o ainda jovem Líder sente necessidade de cimentar a sua posição no País que lidera a ferro e fogo. Daí que não seja de estranhar as tais purgas que tanto incomodam a Coreia do Sul.

 

Não me oponho a que a Sra. Presidente Sul Coreana se mostre indignada com tais purgas e perseguições políticas internas da Coreia do Norte, o que eu censuro é a sua ânsia na retirada de conclusões precipitadas e dê a entender ao mundo que um ataque Norte Coreano está iminente.

 

Os Norte-americanos também ajudam ao “filme” da Sra. Presidente Park Geun-hye, porque o que estes querem é “tirar a ferrugem às suas tropas” que estão estacionadas nas fronteiras entre as duas Coreias.

 

E é por causa de coisas como estas que quando eu vejo documentários sobre o conflito Coreano deduzo logo que estes estão inquinados á partida porque está visto que não são só os Norte-coreanos os maus da fita que provocam o Mundo todo. E para filmes de má qualidade já chegou o último James Bond.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20


Mais sobre mim

foto do autor


gatices


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Futebol Clube do Porto


9 de Março de 1916

<<Por cada soldado, uma papoila

No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

Publicidade


Blog Rasurando

logo.jpg



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D