Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Em vantagem ao intervalo

por Pedro Silva, em 07.02.18

imgS620I214559T20180207222153.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Jogo muito agradável de se seguir entre aquelas que neste momento são as duas melhores do nosso campeonato. Alias, acredito que Futebol Clube do Porto e Sporting Clube de Portugal serão as duas melhores equipas da Liga NOS até ao final da presente temporada. Hoje tal ficou bem vincado dado que ambas brindaram os adeptos com um jogo muito bom. Acrescente-se que este foi um jogo que dizia respeito à primeira de duas mãos de uma das meias-finais da Taça de Portugal.

 

Num jogo equilibrado caberia a certos jogadores tentarem fazer pender a vitória para o lado da sua equipa. Do lado da equipa de Alvalade tivemos dois fantásticos atletas que tentaram fazer tal papel sem resultado prático no resultado final. Gélson Martins e Bruno Fernandes foram, de longe, os melhores da equipa de Jorge Jesus. Do lado dos azuis e brancos este papel coube a Sérgio Oliveira e foi precisamente do médio portista que veio a “chave” que abriu a porta da baliza leonina através de um cruzamento fantástico para a cabeça de Tiquinho Soares.

 

Em suma; este foi um jogo onde um Futebol Clube do Porto liderado por um fantástico Sérgio Oliveira - e uma certa sorte nos minutos finais – conseguiu, no global, ser ligeiramente superior a um Sporting Clube do Portugal que se deixou embalar pela história de ser uma equipa “à italiana”.

 

Nada está decidido. Ainda há uma importante deslocação ao Estádio de Alvalade para se saber, em definitivo, quem será o finalista da Taça de Portugal, e até finais de Abril muita coisa vai acontecer. Uma das coisa que espero que aconteça é por esta altura Sérgio Conceição já saber gerir melhor as substituições em jogos deste calibre. E espero também que a falta de concentração que a defesa portista evidenciou na recta final do jogo tenha desvanecido de vez.

 

MVP (Most Valuable Player): Sérgio Oliveira. O médio internacional português voltou a mostrar que está a atravessar um excelente momento de forma e que ganha com isto é Sérgio Conceição que vê neste a “pedra chave” que pareceu ter perdido com a lesão de Danilo Pereira. A vitória portista em pleno Estádio do Dragão “nasceu” dos pés de Sérgio Oliveira que fez um cruzamento com “régua e esquadro” para a cabeça de Soares. Sérgio Oliveira foi hoje o “patrão” que levou a equipa azul e branca à vitória sobre o rival de Lisboa.

 

Chave do Jogo: Inexistente. O jogo foi, quase sempre, muito equilibrado não obstante alguma ascendência portista. Nenhuma das equipas em campo foi capaz de criar um lance que fizesse com que a sua vitória fosse evidente e definitiva.

 

Arbitragem: Arbitragem defensiva, sem querer correr riscos e sem falhas de grande dimensão. Trabalho positivo de João Pinheiro e dos seus auxiliares.

 

Positivo: Jogar futebol e nada mais. Se retiramos de cena as palermices de Fábio Coentrão, eis que se pode dizer que hoje tivemos aquilo que todo e qualquer adepto de futebol gosta de ver: uma excelente partida de futebol.

 

Negativo: Fábio Coentrão. Jogou pouco e esteve sempre muito mais preocupado em arranjar confusão Será que Coentrão padece de algum complexo de inferioridade sempre que defronta do FC Porto?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:36


Bom treino

por Pedro Silva, em 24.01.18

image.jpeg 

imagem retirada de ojogo

 

Este jogo treino entre Futebol Clube do Porto e Sporting Clube de Portugal que a RTP transmitiu hoje em directo até que nem foi nada mau de se acompanhar. Deu para ver que a equipa de Jorge Jesus só sabe jogar para o empate quando defronta uma equipa mais forte. Já foi assim na partida entre Dragões e Leões no empate a zero em Alvalade a contar para a Liga NOS e voltou a ser assim hoje neste jogo treino.

 

O que não me agradou foi o facto de começar a ser cada vez mais notória a incapacidade deste FC Porto de Sérgio Conceição de gerir a posse de bola com eficácia. Especialmente quando a dita anda pelos pés da linha defensiva. Chutão para a frente e a sorte que resolva não nos leva a lado algum Sérgio. Há que meter isto na cabeça de Casillas, Felipe, Marcano e Alex. Deixei o Ricardo de fora desta lista pois de todos os que compuseram linha defensiva azul e branca foi o que procurou ser mais esclarecido tanto a defender como a atacar. Os jogos treino servem para isto mesmo Sérgio. Que estes disparates não venha a ser uma realidade nos jogos. Especialmente no do próximo dia 7 de Fevereiro.

 

Duas notas finais sobre esta equipa do Sporting CP. A primeira para dar aqui conta da minha admiração pela qualidade de jogo do médio  Bruno Fernandes. Um médio talentoso que “enche” o meio campo da sua equipa. A outra nota é, tão-somente, para aqui destacar a triste figura de um sem vergonha na cara que o Sporting foi buscar a Vila do Conde. E não, não me refiro a Fábio Coentrão embora este até que mereça a denominação de sem vergonha pela quantidade de pancadaria que distribuiu hoje em campo. Refiro-me antes a um tal de Rúben Ribeiro que em vez de jogar futebol só sabia atirar-se para o chão mal sentia a presença do adversário… Palhaçadas é no circo Rúben.

 

MVP (Most Valuable Player): Ricardo Pereira. Foi pelo seu flanco que na primeira parte o Sporting CP tentou os seus ténues ataques e não conseguiu – nunca - passar com eficácia pelo defesa lateral direito português. Ricardo esteve exemplar a defender e a atacar.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Em momento algum as equipas cosnegu9oram criar um lance que fizesse pender o desfecho da partida para o seu lado.

 

Arbitragem: Algumas dúvidas no que toca ao posicionamento de Soares no golo anulado, menos dúvidas no penálti que não foi assinalado a Danilo, que parece de facto puxar Bas Dost na grande área. E já agora, como é que Coentrão não foi expulso? Ah, o árbitro era o Sr. Nuno Almeida e o jogo de hoje era de preparação.

 

Positivo: Brahimi à Brahimi (outra vez). Hoje o argelino mostrou aquilo que é capaz de fazer. É verdade que esteve longe de ser brilhante, mas Brahimi correu, fintou, driblou e criou imensas oportunidades de golo que só não foram devidamente aproveitadas por aselhice dos seus colegas de equipa ou por culpa da eficácia defensiva da equipa leonina.

 

Negativo: Lesão de Danilo Pereira. Disputar um jogo de cariz particular e ter um jogador lesionado é o cúmulo dos azares. Teria sido mais prudente ter-se resguardado Danilo Pereira para as complicadas partidas que se avizinham no calendário portista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Ponto perdido/ponto ganho

por Pedro Silva, em 01.10.17

imgS620I206341T20171001210244.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Após este empate em Alvalade penso que a pergunta que paira no ar é se o Futebol Clube do Porto ganhou ou perdeu um ponto. Na minha modesta opinião (tendo em consideração que em Alvalade o campo está sempre “inclinado” para os da casa) acho que os Azuis e Brancos ganharam um ponto. Obviamente que somente o tempo dirá se estou ou não correcto sobre este aspecto, mas é impossível olhar-se para o clássico e não achar-se que face à “Xistralhada” os Dragões não tenham ganho um ponto.

 

Estes jogos entre os ditos “grandes” do nosso campeonato, por norma, não decidem o campeão, mas servem para se ter uma ideia de quem tem “estofo de campeão”. E, verdade seja dita, estou em crer que o Futebol Clube do Porto mostrou hoje ser uma equipa melhor do que o Sporting Clube de Portugal. De facto este FC Porto de Sérgio Conceição demonstrou ter “estofo de campeão”. Na primeira parte da partida os Azuis e Brancos impuseram o seu futebol, tendo apenas “quebrado” na recta final do jogo. E, repito, não tivesse acontecido o “Xistrema” e o mais provável era o FC Porto ter ganho. Não basta um São Patrício para que a equipa de Jorge Jesus derrote uma equipa como a do Futebol Clube do Porto.

 

Agora se o Futebol Clube do Porto vai conseguir manter este “estofo” até ao fim do Campeonato é outra conversa. Especialmente se este se lembrar de repetir o que de tão mau fez na recta final do jogo. Isto de recuar no campo e Brahimi que finte a defesa toda do Sporting não lembra ao Diabo…. E isto de se demorar tanto tempo a tirar o argelino do campo poderia vir a ser fatal dado que a certa altura este não fazia outra coisa senão fintar-se a ele próprio até perder a bola ou fazer um passe ridículo. E Aboubakar que não marque golos simples que não é preciso.

 

Agora vamos ter a habitual paragem para os trabalhos das selecções. Que tudo corra bem e que Portugal conquiste o apuramento directo para o Mundial que se vai realizar na Rússia.

 

MVP (Most Valuable Player): Moussa Marega. Num jogo onde a intensidade física procurou sempre impor-se à técnica, Marega foi o MVP pela enorme capacidade de trabalho que mostrou em campo. Pode não ter feito as coisas da melhor maneira possível, mas foi o jogador do FC Porto que mais trabalhou para colocar a defesa leonina em sentido. Merecia ter sido feliz com um golo.

 
Chave do Jogo: Inexistente.

Arbitragem: Deslocação do FC Porto ao Estádio de Alvalade que não
esteja “inquinada” pela equipa de arbitragem não é deslocação do FC Porto ao Estádio de Alvalade. Fossem Carlos Xistra e equipa de arbitragem profissionais no verdadeiro sentido do termo e teriam marcado as duas grandes penalidades que ficaram por marcar a favor do FC Porto na primeira parte da partida. E Carlos Xistra terá também de explicar a razão pela qual William Carvalho não foi expulso por duplo amarelo dado que este se fartou de distribuir pancadaria. Por perceber está também a razão da existência do VAR? Estará lá somente para fazer número?


Positivo: Yacine Brahimi da primeira parte. O Brahimi da primeira parte deste jogo é aquele Brahimi que gostaria de ver muito mais vezes em campo. Excelente no passe e com uma visão de jogo fantástica.

Negativo: A recta final do FC Porto. Isto de se encolher no campo, bola para a frente e Brahimi que resolva poderia ter sido o fim de uma equipa que se bateu muito bem num campo tradicionalmente difícil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


San Iker em dia não do Espirito Santo

por Pedro Silva, em 04.02.17

imgS620I190024T20170204224234.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Quando me perguntam se prefiro uma boa partida de futebol a vencer eu digo sempre que não. Prefiro muito mais vencer mesmo que a minha equipa não jogue absolutamente nada. Não foi bem isto que aconteceu no clássico do Dragão, mas andou lá perto. Muito perto mesmo. Se a partida tivesse terminado empatada a duas bolas não teria vindo mal algum ao mundo e até que se teria feito alguma justiça tendo em consideração aquilo que Nuno Espírito Santo (NES) e Jorge Jesus (JJ) – não - fizeram durante os 90 e poucos minutos.

 

O Futebol Clube do Porto até que não entrou com a devida e exigida força no clássico. Em muitos momentos foi possível ver um certo equilíbrio entre Dragões e Leões. Contudo o futebol é feito de pormenores e muitas vezes o pormenor (mesmo que pequeno) pode fazer a diferença. Palhinha mostrou a sua inexperiência e Tiquinho Soares aproveitou-se disto. O Futebol Clube do Porto colocou-se em vantagem e o Sporting Clube de Portugal ficou sem perceber muito bem como poderia tal ter acontecido dado que o equilíbrio era (e foi durante toda a 1.ª parte) a nota dominante. O segundo golo dos azuis e brancos foi também fruto de uma desatenção da defensiva verde e branca que Tiquinho Soares aproveitou (mais uma vez).

 

Podemos então dizer que o FC Porto foi um tudo ou nada superior ao Sporting CP na primeira parte da partida no Estádio do Dragão, mas não podemos dizer que tal se tenha devido ao jogo jogado pois neste aspecto ambas as equipas estavam empatadas. Eficácia foi a palavra de ordem da equipa de NES nesta fase do jogo. Assim como também se pode dizer que a aposta de NES na titularidade de Soares foi uma aposta ganha.

 

O problema para NES é que uma partida de futebol não tem somente 45 e poucos minutos. E JJ pode ser um vaidoso mal-educado que nem português sabe falar, mas este percebe muito de futebol. A verdade é que o intervalo fez muito bem ao Sporting CP. Este entrou dominante e com vontade de impor o seu futebol. E conseguiu. JJ sabia muito bem o que fazer, como fazer e quando fazer. Já NES andou completamente aos papéis e quase que entregou o ouro ao bandido quando retirou André Silva de campo… Como tal não é de admirar o facto de os Sportinguistas terem marcado o seu golo de honra e de terem obrigado os Portistas a passar por um tremendo sufoco até ao fim. Não tivesse aparecido na baliza do Futebol Clube do Porto um Santo de noma Iker Casillas e estaria eu a dissecar um justo empate entre Dragões e Leões.

 

Voltando ao princípio; o Futebol Clube do Porto venceu e isto é o que realmente interessa mas vencer assim não tranquiliza. E desta vez não se pode dizer que a culpa tenha sido da falta de opções de NES. Não há desculpa possível para o que aconteceu hoje no Estádio do Dragão apesar de se ter alcançado a liderança isolada da Liga NOS. A evitar no futuro porque não vamos ter sempre um San Iker em dia não do Espirito Santo.

 

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. Existem defesas que valem campeonatos e aquela que Iker faz nos instantes finais da partida pode mesmo ter valido um campeonato para o FC Porto. Penso que não é inteiramente justo dizer que o espanhol teve uma prestação acima dos seus colegas, mas a verdade seja dita que o Futebol Clube do Porto venceu por culpa do seu Guarda-redes. Daí o MVP para Iker.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Durante os 90 e poucos minutos não surgiu um lance que tivesse feito pender a vitória para cada uma dos lados.

 

Arbitragem: Hugo Miguel não realizou uma arbitragem por aí além. Não complicou em demasia e as decisões que teve de tomar foram quase sempre todas justificadas. Poderia ter uma nota positiva se na segunda parte não se tivesse ”esquecido” de expulsar Zeegelaar com um segundo amarelo.

 

Positivo: Yacine Brahimi. Longe (muito longe mesmo) de ter sido aquele Brahimi que encantou os adeptos, o Yacine de hoje foi sobretudo muito combativo e esteve sempre disposto a dar tudo pela equipa. Prefiro este Yacine ao Brahimi egocêntrico que “brinca na areia”.

 

Negativo: Equipa que necessita de vencer para liderar o campeonato não pode – de maneira alguma - realizar a segunda parte que este FC Porto realizou no Dragão. Uma crítica que começa no treinador e acaba nos jogadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Crónica de um jogo de andebol

por Pedro Silva, em 28.08.16

353540_ori_sporting_x_fc_porto_liga_nos_2016_17_ca 

imagem de zerozero

 

Que dizer numa primeira nota sobre esta derrota do Futebol Clube do Porto? Que estamos de regresso ao futebol português. Após um jogo de Champions onde tivemos uma arbitragem exemplar (ao contrário do habitual) que não interferiu em momento algum no resultado final, eis que no regresso à competição interna tivemos uma partida com uma arbitragem mais do que “caseira”. E para “ajudar à missa” temos agora os nossos “vesgos” comentadores a dizerem publicamente que não viram a mão de Gelson Martins na bola no golo de Slimani e a mão de Bryan Ruiz no golo de Gelson Martins. Em suma; estamos - efectivamente - de regresso ao futebol português.

 

Ora face ao exposto fica aqui a minha pergunta: não tivessem os sportinguistas beneficiado de duas preciosas “ajudas” e teria Jorge Jesus dado o “banho táctico” que deu a Nuno Espírito Santo (NES)? Muito provavelmente não, mas lá está o Sporting CP é o líder isolado da Liga NOS (repetir tal até à exaustão e depois desta) e a malta fica feliz.

 

Não obstante o sucedido é preocupante a forma pouco clara com que Nuno lidou com a desvantagem. Não sei o que passou pela cabeça do treinador do Futebol Clube do Porto quando este se lembrou de colocar Oliver Torres no lugar do (supostamente) lesionado Jesús Corona. Talvez Nuno quisesse fazer frente à mudança táctica que Jorge Jesus efectuou que lhe permitiu dominar o jogo até ao fim (mudar Bruno César e Bryan Ruiz das faixas para o meio campo foi muito bem visto), mas a verdade é que com isto NES “abriu uma autoestrada” do lado direito da defesa Azul e Branca porque cabia - quase quem em exclusivo – a Miguel Layún a tarefa de atacar e defender porque nem Oliver Torres nem Héctor Herrera estiveram bem na posição de extremo direito. Para mais se Héctor Herrera já é um jogador muito inconstante na sua posição habitual, então que dizer quando tem de ser adaptado a uma nova posição… Sinceramente não percebi esta opção de NES.

 

Agora já sei que os oráculos da desgraça Portista vão aparecer (de novo) e que o campeonato já está perdido. Mas convêm relembrar que estamos ainda na terceira jornada da Liga NOS. Há muito para se fazer até Maio de 2017, mas não deixa de ser verdade que NES tem de fazer mais e melhor neste tipo de jogos que podem não decidir nada mas que “mexem” – e muito - com a moral. Lá com isto o FC Porto vai entrar em campo no próximo jogo sob uma enorme pressão.

 

Chave do Jogo

 

“Bryan Ruiz entrou para jogar atrás de Slimani, mas cedo se percebeu que o costa-riquenho não estava nos seus melhores dias, apresentando-se muito macio. Jorge Jesus trocou imediatamente o camisola 10 com Bruno César, que foi o motor que a equipa precisava.” Partilho da opinião de Luís Rocha Rodrigues (Jornalista do site zerozero) cujo teor transcrevi atrás.

 

Arbitragem

 

Péssima. O trabalho da equipa de arbitragem liderada pelo estreante Tiago Martins foi péssimo. Beneficiou (e muito) a equipa da casa. Adrien Silva, William Carvalho, Bruno César e Slimani tiveram “carta-branca” para na primeira parte “desancar” em tudo o que estivesse de Azul e Branco vestido sem terem sido admoestados com a cartolina amarela. Para mais a arbitragem deste jogo teve uma clara influência no resultado final que acabou por ser favorável aos leões ao não ter anulado os dois golos onde os jogadores do Sporting CP jogam a bola com a mão. Por perceber fica ainda as expulsões de Jorge Jesus e do médico do Sporting.

 

Positivo

 

André Silva: Boa exibição do jovem internacional português. Deu tudo de si e só não foi feliz na primeira parte por manifesta falta de sorte. Merecia mais o atacante portista que na segunda parte teve de lutar sozinho contra a defesa sportinguista.

 

Jesús Corona: O mexicano esteve muito bem. Sempre muito mexido em campo e com muita vontade de ajudar a equipa. Supostamente saiu lesionado ao intervalo mas foi um dos melhores em campo do lado Azul e Branco.

 

Felipe: Mais uma vez o central brasileiro mostrou serviço. Muito bem no lance do golo e excelente a defender. Não merecia esta derrota.

 

Negativo

 

Iker Casillas: Muitas culpas no primeiro golo sofrido. O facto de Iker ser um Guarda-redes experiente não justifica o ter ficado a ver a bola a embater no poste da sua baliza aquando do livre de Bruno César.

 

Nuno Espírito Santo: Preparou bem a equipa Portistas mas não soube dar a volta ao “imbróglio” que a equipa de arbitragem e Jorge Jesus lhe colocou em cima da mesa. A melhorar porque este tipo de situações vão acontecer mais vezes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18


Mais sobre mim

foto do autor


gatos no telhado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Mandela 1918 - 2013


No a l'opressió d'Espanya!


Catalunya lliure!


Frase do Ano


Portugal é uma Democracia

13769388_930276537084514_2206584325834026150_n

CR7 (Bola de Ouro 2017)


Publicidade




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D